Arquivo da categoria: Listas

Lista: 22 Álbuns de julho pra você ouvir agora

or Felipe Sousa | Felipdsousa

 

Riffeiros, voltamos com nossa lista mensal de lançamentos. Preparem-se, pois temos excelentes discos separados pra você incrementar sua playlist. Mais uma vez esse resumo conta com belos trabalhos nacionais, e também álbuns bastante promissores no mundo todo. Confiram abaixo.

E ah, também temos nossas próprias playlists lá no Spotify. Segue a gente porque sempre tem novidade. Outra excelente opção pra acompanhar o RIFF é o nosso podcast. 

 

Something To Tell You – HAIM

Segundo álbum de estúdio do grupo formado pelas irmãs Este, Danielle e Alana Haim, “Something To Tell You”, é o sucessor de “Days Are Gpne” (2013). O novo registro conta com onze faixas muito bem trabalhadas e um mix de melancolia e melodias dançantes. Ouça abaixo:

 

 

 

Issa Album – 21 Savage

Embora não tenha grandes diferenciais em relação ao que já tem sido feito no hip-hop, “Issa Album”, disco de estreia de 21 Savage, agradará aos fãs menos preocupados com letras profundas ou instrumentais com grande criatividade. Com 14 faixas, o registro segue a mesma linha rítmica, inspiradas, ao que parece, em músicos como Future e Migos. Ouça e nos diga o que achou.

 

 

 

A Sala – Sons de Saturno

Os paulistas da Sons de Saturno estão na estrada há cinco anos e lançaram este mês, seu segundo trabalho. “A Sala” traz 14 faixas que propõem climas variados . Boa escolha pra quem curte indie brazuca. Ouça e compartilhe.

 

 

 

Bem Vindos a La Raza – La Raza

No último dia 13, Dia Mundial do Rock, a La Raza liberou em todas as plataformas digitais seu mais novo disco, intitulado “Bem Vindos a La Raza”, que foi gravado no Family Mob (SP), QG Hoffman (SP) e Wah Wah Studios (SP), e mixado e masterizado no NRG Recording Studios em Los Angeles, Estados Unidos. O álbum ainda conta com participações de Baduí (CPM22) e Caio Macbeserra (Project 46).

 

 

 

Kaleidoscope EP – Coldplay

Chris Martin vem ao Brasil em novembro liderando o Coldplay na Head Full Of Dreams Tour, e antes disso, para animar ainda mais os fãs, os britânicos liberaram o EP Kaleidoscope em todas as plataformas digitais. O Registro conta com cinco excelentes canções. Ouça:

 

 

Jungle Rules – French Montana

“Jungle Rules” não é inovador, mas se mostra muito coeso. O disco contém 18 faixas e conta com parcerias de peso como The Weeknd, Travis Scott, Pharrell, Future, Young Thug e mais. Confira abaixo:

 

 

 

Dead Reflection – Silverstein

Muito antes do lançamento oficial do álbum, a banda já havia entregue aos fãs alguns sons do novo trabalho. “Retrograde”, e “Lost Positives”, por exemplo, já antecipavam a vibe mais sensível e melódica do disco. “Dead Reflection” é o nono álbum da banda.

 

 

 

Night & Day – The Vamps

“Night & Day” é o quarto álbum dos britânicos The Vamps. Com 10 faixas, o disco foi lançado em quatro versões, e você pode adquirir a versão física no site da banda.

No dia 17 de setembro o grupo vem ao Brasil em turnê promovendo o disco. Ouça abaixo a versão oficial:

 

 

Ultralife – Oh Wonder

Josephine Vander Gucht e Anthony West formaram em Londres o duo pop Oh Wonder.  E neste mês liberaram “Ultralife”, segundo disco da dupla, que foi gravado na própria casa dos caras. Confira abaixo:

 

 

Flower Boy – Tyler, The Creator

Quarto álbum do californiano Tyler, The Creator, “Flower Boy” se mostra incrivelmente plural e criativo. Nas composições, que mostram em boa parte o cotidiano do rapper, Tyler se afirma com maturidade em seu melhor álbum até aqui.

 

 

Lust for Life – Lana Del Rey

No que diz respeito às melodias e arranjos, Lana não ousa muito, e mantém sua marca melancólica dos discos anteriores. O que difere esse álbum dos demais – ainda que o assunto relacionamento continue muito presente – é a forma como a cantora aborda os temas; dessa vez com mais calmaria. Ouça e nos conte o que achou.

 

 

Sacred Hearts Club – Foster the People

Na busca por se reinventar, a banda americana Foster The People traz “Sacred Hearts Club”, terceiro álbum de estúdio. Mais pop, dançante, e eletrônico, o registro passa longe de ser espetacular – se por acaso fosse esse o objetivo -, ficando bem atrás dos discos anteriormente lançados pelo grupo.

 

 

Add Violence [EP] – Nine Inch Nails

“Add Vioolence”  é o segundo registro de uma série de três lançamentos, que se iniciou em 2016 com “Not the Actual Events” e o terceiro é esperado ainda pra 2017. Ouça abaixo o EP:

 

 

Stony Hill – Damian Marley

Depois de longos 12 anos desde seu último álbum, Damian volta com “Stone Hill” falando de maconha medicinal, poder do amor e das pessoas, e mais em um disco com 18 faixas.

 

 

Balanga Raba EP – Rico Dalasam

Pautado na luta pelas minorias e com composições fortes, “Balanga Raba” conta com quatro faixas de uma experimentação entre pop e hip-hop. Ouça o EP, que ainda conta com participação de Mahal Pita do BaianaSystem.

 

 

Racing Time – DWNTWN

Formada em 2010 na Califórnia, a banda de indie rock/pop, DWNTWN seu primeiro disco, intitulado “Racing Time”. Antes, o grupo já havia lançado três Ep’s.  Com insinuações oitentistas, Racing Time  traz uma sensibilidade pop bem interessante. Ouça:

 

 

A Black Mile to the Surface – Manchester Orchestra

No dia ultimo dia 28, Machester Orchestra liberou seu mais novo álbum, “A Blak Mile to the Surface”, que tem produção de Catherine Marks (que já trabalhou com nomes como The Killers). Desde sua capa belíssima e enigmática até suas letras texturizadas, o novo disco se mostra um projeto bem interessante do grupo. Ouça:

 

 

 

Paranormal – Alice Cooper

Um hard-rock cheio de classe. Esse é o “Paranormal”, novo disco de Alice Cooper. Nele, o músico nos faz viajar de volta aos anos 70, relembrando um pouco da sua sonoridade original e deixando de lado a modernidade dos seus últimos lançamentos.

 

 

 

Everything Now – Arcade Fire

Há quem goste, há quem conteste o novo disco do Arcade Fire. O fato, é que “Everything Now” não passa nem perto de ser bom como são Funeral (2004) e Reflektor (2013). No novo disco, a banda parece não encontrar equilíbrio entre as variações de ritmos e a tentativa de se reinventar. O registro mostra-se um pouco chato e perdido no objetivo de ser alguma coisa.

 

 

Ottomatopeia – Otto 28

Mais uma novidade nacional.

Com participação de Céu – entre outros – e produção de Pupillo (Nação Zumbi), “Ottomatopeia” chega cinco anos após o último lançamento do Otto. Esse é mais um belo trabalho do talentoso músico pernambucano. Prestigie.

 

 

Dois Reis – Dois Reis

Formada por Theodoro e Sebastião Reis, filhos do cantor Nando Reis, a banda está na estrada há três anos e já participou do programa Superstar, da Rede Globo. No último dia 28, eles divulgaram seu primeiro disco, homônimo, que conta com oito faixas. Ouça:

 

 

Mar de Espelhos – Stereophant

Pra finalizarmos nossa lista, nada melhor do que lançamento nacional. E pra isso, falamos da “porrada” que é o segundo disco da Stereophant.

“Mar de Espelhos” evidencia o amadurecimento do grupo, e ao ouvir esse som nas plataformas digitais, é fácil perceber que o novo álbum continua com a energia contagiante e marcante dos caras.

No dia 29/07 os caras estiveram no Estúdio Aldeia, em Petrópolis lançando o álbum. Estivemos lá e você pode conferir na nossa resenha  tudo o que rolou por lá.

 

Vale o play! Vale o show. Ouça e compartilhe.

 

 

5 CLIPES NACIONAIS (INCRÍVEIS) PARA VOCÊ ASSISTIR

Por Natalia Salvador

Durante o auge do pop e da MTV, os clipes musicais eram o carro chefe das bandas e artistas, além de uma das principais ferramentas para buscar a atenção do público. Com o surgimento e popularização do streaming foi possível notar uma diminuição na volumetria de produções audiovisuais, mas, por outro lado, a qualidade não deixa nada a desejar. Cada vez mais bem produzidos, os videoclipes continuam prendendo o telespectador nas telas. O Canal RIFF selecionou 5 vídeos lançados recentemente e que vão fazer o seu play valer a pena – e até um replay. Confira!

1) Stereophant – Homem ao Mar

Às vésperas de lançar um novo álbum – Mar de Espelhos -, a banda carioca Stereophant, já deu o ponta pé inicial para o novo ciclo com o clipe de Homem ao Mar, primeiro single que contou com uma superprodução audiovisual! Além de narrar a história da canção, o vídeo traz referências à outras faixas do novo disco, envoltas em um contexto lírico e conceitual.

A direção ficou por conta de Hugo Gama e Fabrício Abramov, que também é baixista da banda. “Quando chegaram com a ideia do clipe, foi uma responsa em dobro pra mim. Primeiro, pela questão da produção e logística serem muito complicadas e, segundo, que por eu ser da banda e saber o quanto trabalhamos e acreditamos nesse disco, um clipe à altura do primeiro single era um grande desafio. Quando finalmente fomos pro mar gravar foi um momento muito especial e de muita união. Todos deram o sangue pelo projeto, a gente mergulhou na história junto com o personagem. A impressão que eu tenho é que toda a equipe viveu a história da música!”, conta Abramov.

2) Comodoro – Doce

O clipe de Doce é o primeiro trabalho audiovisual da banda Comodoro. Com muitas cores, carinhos e guloseimas, a banda carioca dá mais um passo na carreira e mostra que veio para ficar. O som dançante e a irreverência dos músicos, principalmente de Fred Rocha, vocalista, que rouba a cena nos palcos, não vai te deixar ficar parado.

O vídeo tem direção de Diego Zimmermann e direção de fotografia de Rodrigo Galha. Além do single, o grupo – que também conta com Roberto Carneiro, Saulo Arctep, Thiago Garcia, Luiz Felipe Caetano e Mateus Nagem – tem um EP lançado, Livre, com 5 músicas e o projeto é liberar, até o fim de 2017, um álbum completo.

3) O Terno – Não Espero Mais

Carinhosamente apelidados de “Ok, Go brasileiro”, mais uma vez a banda O Terno surpreendeu com o lançamento do clipe de Não Espero Mais. A faixa compõe o terceiro disco do trio, Melhor do que Parece, e o vídeo conta com grandes clássicos da internet, que vão desde ‘Pedro me da meu chip’ e Luisa Marilac a Gretchen e John Travolta.

“Não imaginava O Terno tocando essa música. Tinha essa coisa de ‘estou feliz, estou na rua, eu gosto de você’. É uma canção simples”, afirmou Tim Bernardes em entrevista. Para complementar, o vídeo ainda conta com participação de Liniker, cantando via chamada de vídeo.

4) Medulla – Abraço

Deus e o Átomo já rendeu boas críticas ao grupo Medulla, entre as músicas favoritas dos fãs, Abraço foi a escolhida para ganhar o primeiro clipe do álbum. A melodia envolvente traz às telas um conteúdo adulto, que retrata diferentes tipos de relacionamentos com cenas intensas de sexo e envolvimento.

A música é quase um trip hop, mas tem uma sonoridade sensual e uma letra leve, que contrastam com a sequência de imagens, fazendo com que o clipe adquira uma estética sensual e contagiante. O vídeo foi inspirado nos  filmes da Erika Lust, diretora sueca de filmes eróticos considerados “pornografias feministas”.

5) Alarmes – Gruta

Com o intuito de tirar o telespectador de sua zona de conforto, o novo clipe dos brasilienses da banda Alarmes mostra os integrantes em situações desconcertantes. Segundo declarações dos músicos, o objetivo do projeto era justamente deixar o telespectador decidir se deve assistir até o fim ou não. Gruta conta com direção de Lucas Furtado, baixista da banda Scalene e também diretor de Incerteza de um Encontro Qualquer.

“Por mais que as pessoas estejam interagindo com a gente, estamos focados em olhar para um ponto específico e cantar. O objetivo é mostrar que, as vezes, a gente esquece ou se deixa levar pelo sentir nada quando várias coisas estão acontecendo”, afirmou Arthur Brenner, vocalista. Em sua conta pessoal no twitter, Gabriel Pasqua, baterista, afirmou não ter sido obrigado a apanhar no vídeo e que até gosta – ficamos mais aliviados!

E ai, conta pra gente o que você achou dos últimos trabalhos audiovisuais brasileiros.

Lista: 32 Álbuns de Junho pra ouvir agora!

  Por Felipe Sousa | @Felipdsousa

Entre materiais nacionais e internacionais, listamos os principais discos lançados em junho. Em duas coisas temos que concordar riffeiros, uma é que 2017 está voando, já chegamos ao fim do primeiro semestre, e a segunda é que esse tem sido um ano de muitos e – grandes -lançamentos no mundo da música.

O mês de junho nos surpreendeu com rock, pop, hip-hop; com bandas retornando, outras estreando…  Definitivamente foi um mês lindo pra quem gosta de música.

Vamos conferir a lista de novidades, e ao final, conta pra gente de qual você curtiu mais, e qual você não aguenta mais esperar que saia. Divirta-se.

  1. Braza – Tijolo por Tijolo

Para se estabelecer de vez, a banda Braza lançou seu segundo disco. “Tijolo por Tijolo” é uma mistura incrível de rock, reggae, rap e letras com grande apelo social. O Riff  já falou desse belo trabalho do grupo carioca, e você pode conferir tudo na nossa Resenha e ouvi-lo logo abaixo.

  1. Halsey – Hopeless Fountain Kingdom

A estadunidense Ashley Nicolette Frangipane, mais conhecida como Halsey, divulgou seu segundo álbum de estúdio, intitulado “Hopeless Foutain Kingdom”.  Com boa repercussão, o pop do seu novo trabalho estreou no topo da Billboard.

  1. Beach Fossils – Somersault

“Somersault” é o quarto álbum da banda e é sem dúvida o melhor já produzido. Trazendo consigo a marca registrada da Beach Fossils em sua sonoridade – um jungle pop com indie rock, numa releitura do som dos anos 60.  Bom disco.

  1. Alt-J – Relaxer

Depois de três anos sem material inédito, o Alt-J veio diferente com o seu “Relaxer”. Vozes em loop, momentos de psicodelia e arranjos um tanto minimalistas compõem o álbum. Ouça:

  1. Rancid – Trouble Maker

Aquele punk rock que nós adoramos. O Rancid disponibilizou no último dia 09 o seu excelente nono disco de estúdio, intitulado “Trouble Maker”. Ouça abaixo.

  1. Rise Against – Wolves

Lançado no dia 09, “Wolves” é o mais novo trabalho da banda, que conta com a produção de Nick Raskulinecz, conhecido por já ter trabalhado com a Stone Sour. O punk rock do Rise passou pelas terras brasileiras esse ano, quando tocaram no Maximus Festival, e o Riff esteve lá. Você pode conferir tudo o que rolou na nossa Cobertura do Evento.

  1. Katy Perry – Witness

Com 15 faixas, e participações de Migos e Nicki Minaj, Kate lançou, sem muito brilho, “Whitness”, seu quinto álbum.

  1. Chuck Berry – CHUCK

Uma pena termos de nos despedir de músicos brilhantes como Chuck. Um gênio nas guitarras e com inúmeros hits, como “Johnny B. Goode” e “Roll Over Beethoven”, Chuck nos deixou em 18 de março de 2017.

Mas com certeza seu nome vai ser lembrado pra sempre como um astro, e seu álbum póstumo vai nos ajudar com isso. Ouça “Chuck” e mantenha viva a memória do músico.

  1. Phoenix – Ti Amo

“Ti Amo” é com certeza um dos discos mais legais lançados esse ano. Depois de quatro anos sem material inédito, o Phoenix está de volta em clima de romance, paixão e muito dança. Ouça e nos conte o que achou.

  1. Cigarettes After Sex – Cigarettes After Sex

O Cigarrettes é uma banda com grande potencial dentro do indie pop. E por isso seu mais novo trabalho, homônimo, foi tão esperado por todos.

O som é ambientado em melancolias, sexo, reflexões, mas num todo, mesmo que não seja ruim, decepciona um pouco com sua monotonia. Ouviu? O que achou?

  1. Young Thug – Beautiful Thugger Girls

Além de seu tradicional hip-hop e trap, Young Thug apresentou em sem primeiro álbum de estúdio, “Beautiful Thugger Girls”, influência do R&B. São 14 faixas de um excelente disco.

  1. Lorde – Melodrama

A jovem Lorde lançou em junho o que pode ser o favorito a levar o prêmio de álbum pop do ano.

“Melodrama” é o segundo disco da cantora e é excelente. Vale a pena ouvir.

  1. Mallu Magalhães – Vem

Primeiro trabalho inédito em seis anos, “Vem”, é um compilado de influências da música brasileira. Samba, MPB, jovem guarda, ambientam o novo álbum da paulista Mallu Magalhães.

  1. Bratislava – Fogo

Com participação de Gustavo Bertoni – Scalene -, a Bratislava lançou “Fogo”, um dos bons discos nacionais lançados até aqui.

  1. Esteban Tavares – Eu, Tu e o Mundo

Tavares vinha soltando uma faixa por semana até o dia 09, quando finalmente disponibilizou seu terceiro disco na íntegra. “Eu, Tu e o Mundo” chega pela gravadora Sony Music, e está disponível em todas as plataformas digitais.

  1. Royal Blood – How Did We Get So Dark?

‎Mike Kerr e Ben Thatcher formaram em 2013 o Royal Blood arrebentando logo de cara com seu disco de estreia – Homônimo – (2014). Agora em 2017, o duo soltou o “How Did We Get So Dark?”, com dez faixas com a sonoridade característica do Royal e que o faz ser os dos ótimos nomes da nova geração do rock. Ouça.

  1. Fleet Foxxe – Crack-Up

Mais complexo, mais maduro e muito bem produzido. Esse é o novo disco do Fleet Foxes – Crack-Up. Após seis anos de hiato, o grupo volta com um excelente registro.

  1. Portugal. The Man – Woodstock

Cinco anos desde “Evil Friends”, Portugal. The Man está de volta com “Woodstock”, seu oitavo disco. Ouça abaixo.

  1. Dead Fish – XXV Ao Vivo em SP

No dia 09 o Dead Fish liberou o áudio do seu novo DVD “XXV Ao Vivo em SP”. São 34 faixas com vários sucessos da carreia da banda, e participações especiais de Braza e CPM 22.

  1. DJ Khaled – Grateful

Com Rihanna, Alicia Keys, Beyoncé, Travis Scott e outros, DJ Khaled liberou no dia 23 seu mais novo disco, intitulado “Grateful”.

  1. Radiohead – OK Computer: OKNOTOK 1997-2017

No dia 23 o Radiohead lançou uma edição comemorativa de 20 anos de um de seus mais belos álbuns. O disco intitulado “OK Computer: OKNOTOK 1997-2017” tem todas às vinte faixas presentes na primeira versão, agora remasterizadas. Ouça.

  1. Imagine Dragons – Evolve

Contagiante como sempre, mas ainda necessitando de evolução – parecem perceber e tentar isso – o Imagine Dragons chega com o seu mais novo álbum – Evolve. Se esse não é uma obra prima, ao menos ficamos na expectativa de que se arrisquem mais no próximo disco.

  1. Beach House – B-Sides and Rarities

“B-Sides and Rarities” é um coletânea com sobras do Beach House. São quatorze faixas, muitas já conhecidas pelo público como “Saturn Song” e a versão de “Play The Game”, do Queen.

  1. Ana Gabriela – EP Do Quarto pro Mundo

Com quatro faixas e produção de Tó Brandileone, do 5 a Seco, o primeiro trabalho da paulista Ana Gabriela está disponível em todas as plataformas digitais depois de ter feito grande sucesso em seu canal no youtube.

  1. Curumin – Boca

“Boca”, conta com treze faixas e com uma incrível pluralidade de assuntos. O Quarto álbum da carreira solo de Luciano Nakata, o Curumin, traz em suas composições reflexões sobre diversos aspectos da sociedade e nossas interações pessoais.

  1. Jay-Z – 4:44

Com surpresa e polêmica, Jay-Z liberou no dia 30 com exclusividade no serviço de streaming Tidal – do qual é dono – o disco “4:44”. No registro o rapper conta com as colaborações de Frank Ocean, Damian Marley e Gloria Carter, mãe do cantor. Acesse o link abaixo caso queira se inscrever no serviço e ouvir novo som do rapper.

http://tidal.com/us

  1. Stone Sour – Hydrograd

Quinze faixas compõem o”Hydrograd”, sexto álbum da banda Stone Suor,  liderada por Corey Taylor.

Depois de quatro anos sem material novo, mas que vem em constate evolução, a Stone Suor mostra um trabalho mais maduro e bem produzido. Ouça.

  1. Belga – Âmbar

 “Âmbar” é o segundo EP da carreira da banda Belga. Depois de se passarem pouco mais de um mês de seu primeiro EP homônimo, Âmbar é mais um registro de ótima qualidade de um rock alternativo muito bem produzido. Ouça:

  1. Boogarins – Lá Vem a Morte

Psicodélico e agora mais do que nunca experimental, o Boogarins lançou “Lá vem a Morte”, o seu excelente segundo disco de estúdio. Ouça abaixo.

  1. Gorduratrans – Paroxismos

Barulhento e com uma qualidade ímpar. Esse é o segundo disco da carreira dos cariocas da Gorduratrans – Paroxismos. Ouça e prestigie o excelente registro dos caras.

  1. All Time Low – Last Young Renegade

Dois anos após “Future Hearts”, All Time Low disponibiliza novo material inédito. “Last Young Renegade” traz dez faixas e você pode conferir na íntegra no link abaixo.

  1. Big Boi – Boomiverse

O rapper Big Boi, do Outkast, acaba de lançar seu terceiro álbum solo — Boomiverse. São doze faixas no disco, que conta com participações de artistas como, Adam Levine do Maroon 5e Snoop Dogg.

 

 

 

Top 6: Os (muitos) escândalos do K-Pop

Por Natalie Oliver

Aparentemente 2017 está sendo um ano agitado para a música popular Coreana (K-Pop), com direito a prêmio no Billboard Music Award, desbancando artistas como Justin Bieber, Selena Gomez e Ariana Grande.

Mas, quem olha para seus vídeos clipes com qualidade Hollywoodiana e suas coreografias em perfeita sincronização, nem imagina que o K-pop também tem seu lado sombrio.

Por não haver leis trabalhistas direcionada aos Idols, algumas empresas aproveitam da leviandade de seus trainees para poder ter total controle sobre seu artista, alguns casos mais comuns são:

  • Proibir seu artista de ter qualquer tipo de relacionamento amoroso por algum tempo (na maioria dos casos esse tempo é de três anos);
  • Proibir seu artista de ver seus familiares alegando que é para não interferir sem seu desempenho nos treinos;
  • Proibir o uso de celular nos primeiros anos ou até o grupo ganhar seu primeiro prêmio (conhecido como First Win)
  • Excesso de horas de treino. A integrante do grupo Girls Generation, Yoona, já afirmou que dorme 10 horas por semana.
  • Mesmo trabalhando muito, alguns trainees recebem pouco e outros nada, tendo seu dinheiro desviado para empresa.

Já que estamos falando da parte imperfeita dos K-Pop, vamos a alguns casos que abalou o mundo do K-Pop e a família tradicional coreana:

1 – Separação do Grupo TVXQ

Ainda no embalo dos contratos escravos, vamos começar com o caso do grupo TVXQ que é um dos grupos mais famosos do K-pop. TVXQ já possuiu cinco integrantes, que se separou por conta dos contratos escravos. Três dos até então cinco integrantes, entraram com um processo contra sua empresa, alegando que eles recebiam uma quantia pequena comparada com o lucro do grupo, tinham agendas que não permitiam cinco horas de sono por dia, chegando até a terem a privação de comida e por último, o contrato absurdamente grande, de 13 anos! Eles conseguiram vencer, mas só depois de anos e anos. TVXQ processando a empresa foi a notícia do momento na época (2009).

2 – Artista de K-Pop negam relação amorosa

Infelizmente, a homossexualidade ainda é um assunto muito delicado no mundo K-Pop. Rumores sobre a sexualidade do líder do grupo 2AM, Jo-Kwon, começaram a surgir desde que a boy band debutou em 2008, e sua participação no reality show We Got Married ajudou a acalmar os rumores, porém voltaram em 2010 quando os internautas desenterraram uma série de comoventes mensagens de amor velhas em que Jo-Kwon e membro do grupo U-Kiss, Soohyun. Nas cartas eles declaravam seu amor e seus desejos de “comer”, “dormir”, “viver” e “deitar” juntos. Jo-Kwon negou tudo e afirmou que os dois homens eram apenas amigos íntimos. Soohyun, por sua vez, em tom de brincadeira agradeceu seu amigo por toda a publicidade provocada pelo escândalo.

3 – A morte de Kim Sung Jae

Em novembro de 1995, o cantor Kim Sung Jae foi encontrado morto em um quarto de hotel com 28 perfurações de agulhas em seus braços. A conclusão foi que ele havia injetado estimulantes animais em seu corpo. No entanto, o fato do cantor nunca ter usado drogas trouxe a suspeita de um homicídio. A suspeita foi sua namorada que tinha sofria com alguns problemas mentais. Na ocasião, a namorada de Kim Sung Jae o amarrou enquanto ele estava dormindo para evitar que ele fosse a um compromisso. Além disso, ela atirou nele com uma arma de gás e ligava todos os dias quando ele estava fora do país. No final, a namorada foi inocentada, dizem que a mudança no veredito foi devida as boas condições financeira de família e conhecidos da família.

4 – CEO abusa sexualmente de seus trainees

Jang SeokWoo, CEO da agência Open World Entertainment, foi preso por supostamente ter assediado, agredido e estuprado artistas e trainees da companhia. A polícia descobriu que as agressões sexuais ocorriam no 5˚ andar da companhia, juntamente com o estúdio de ensaio de dança, que fica localizado no porão. Os policiais confiscaram vídeos de segurança interna presentes no prédio. Um porta-voz declarou: “Recebemos inúmeros relatos de que o CEO usava sua alta posição para assediar sexualmente e agredir seus trainees regularmente. Mais de 30 vítimas estão envolvidas no caso.”

Jang nega as acusações feitas contra ele.

5 – Ivy

Em 2007 a mídia descobriu que o ex-namorado da cantora Ivy estava a chantageando com um vídeo sexual e fotos nuas dela. Para a sorte de Ivy ele foi preso e os arquivos nunca foram divulgados na internet. Logo depois foi dito que ela estava namorando dois cantores ao mesmo tempo. E em 2009 ela viu o single “Touch Me” ser banido por conter muitas referências sexuais. Em 2010 teria supostamente caído na rede o vídeo dela com o namorado, mas foi rapidamente revelado que era uma chinesa sem qualquer pé no meio artístico.

6 – Combo BANGBANGBANG

4/5 integrantes do grupo BIGBANG já se envolveu em algum tipo de escândalo.

Seungri

Uma mulher, cujo sua identidade não foi revelada, contou para um tabloide Japonês sobre sua noite quente com o membro mais novo do grupo BIGBAND, Seungri. A mulher afirmou que ele a sufocou durante o ato e não lhe deu nenhum beijo sequer durante o tempo em que tiveram juntos, disse também que ele não é um amante muito atencioso alegando que ele não se preocupou com os desejos sexuais da mulher. Não contente, a mulher também liberou algumas fotos pós sexo do integrante. Depois que a noticia estourou, Seungri saiu da mídia por um tempo para “auto-reflexão”, algumas fãs fieis alegaram que as fotos foram manipuladas, então tudo voltou ao normal.

Daesung

Em uma madrugada o cantor se envolveu em um acidente que resultou na morte de um motociclista. Foi provado que Daesung não estava sob a influência de álcool apesar de estar 20km/h mais rápido que o permitido. O cantor estava voltando para casa quando um táxi parou para prestar socorro a um motociclista que havia caído, porém ele não viu o homem no chão, o atropelou e bateu no táxi. Ele parou imediatamente para prestar socorro, porém o motociclista veio a falecer. Daesung foi inocentado e perdoado pela família da vítima que acredita que ele não foi o culpado pelo acidente.

G-Dragon

Em uma night Japonesa, G-Dragon acabou aceitando um cigarro de maconha sem saber. Segundo G-Dragon, ele estava muito bêbado e não sabia que ao invés de ser um cigarro comum ele estava fumando um cigarro com maconha, mas ele suspeitou por causa do cheiro. O testa para uso de maconha deu negativo, mas o cantor recebeu uma ‘punição’ de sua empresa e ficou suspenso de suas atividades e lhe deu tempo para refletir sobre seus atos. Apesar de ter sido inocentado, o caso marcou a mídia coreana e o G-Dragon só veio falar sobre caso dois anos depois.

T.O.P

T.O.P foi acusado de fumar maconha com uma das trainees de sua empresa. O cantor confirmou o uso da droga colocando em risco seu alistamento. T.O.P estava servindo em uma delegacia como recrutado. Os repórteres esperaram que T.O.P deixasse o posto após o interrogatório, mas um representante da polícia afirmou: “T.O.P não vai sair, não importa quanto tempo vocês esperem. A ação disciplinar será discutida após os resultados da investigação. Entretanto, ele não tem permissão para deixar o quartel”.

Dias após o escândalo explodir, T.O.P foi internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O cantor foi encontrado inconsciente em seu alojamento, os relatos iniciais diziam que T.O.P sofreu uma overdose de medicamentos contra ansiedade e antidepressivos. Mas o caso entrou em controvérsia com a declaração do policial que dizia que T.O.P estava apenas em um sono profundo e que estava fora de perigo, porém revoltada com as informações distorcidas, a mãe do cantor pediu para que fossem passadas as informações reais, T.O.P não estava respirando bem e havia risco de lesões cerebrais e que ele estava sim em perigo. Uns dias depois T.O.P recobrou sua consciência e recebeu alta do hospital. Sua sentença ainda está para ser revelada.


Faltou alguma polêmica? Comenta aí – e aproveita pra conhecer o Spotify do RIFF:

Os cincos vídeos mais bem-humorados do Foo Fighters!

Por Tiago Bruno

O Foo Fighters é, sem dúvidas, uma grande banda com diversas qualidades. No entanto, além da sua qualidade musical, precisamos admitir que a banda ganha muitos fãs com seus clipes bem elaborados e divertidos. Alguns dos mais famosos possuem certa aleatoriedade e um bom toque de humor. Ao abraçar algo que poderia ser visto como embaraçoso, transformam em algo genial. Utilizam-se do humor simples somado a grandes produções para surpreender seus fãs a cada lançamento.

Dirigido por Dave Grohl e lançado hoje (1º de junho) de surpresa para divulgar as datas da nova turnê internacional, “Run” é mais um dos clipes produzidos por Dave para a sua banda, assim como “Rope” e “Monkey Wrench”.

Embalados pelo lançamento, trazemos a vocês os cinco clipes mais bem-humorados da banda:

1 – Learn To Fly

Os membros interpretam diversos papéis em um voo de avião com problemas de turbulência. A banda acaba aterrissando a aeronave e salvando a todos. O clipe ainda conta com a participação, mais que especial, do Tenacious D. De longe um dos vídeos mais bem-humorados da banda e uma das músicas mais populares também.

2 – Long Road To Ruin

A banda interpreta personagens de uma novela antiga. Dave Grohl vive seu alter ego Davy Grolton, um protagonista muito sentimental e egocêntrico.

3 – Everlong

O clipe se passa nos sonhos de Dave e circula por vários cenários: uma festa alternativa, um filme de terror e etc… Assim como quase em todos os vídeos da banda, Dave e Taylor fazem um casal.

4 – Big Me

Levando de um jeito divertido, o clipe reproduz comerciais de bala, aparentemente a Mentos, criando a “Footos”. Durante o clipe, feito intencionalmente em uma qualidade baixa e com formato clichê, todas as adversidades que aparecem são resolvidas ao colocar uma bala na boca e, é claro, com uma propaganda.

5 – Breakout

A história se passa em um cinema no estilo “drive-in”. Dave interpreta uma pessoa tímida e que vai a um encontro. Devido a sua timidez e tranquilidade, seu personagem é ofendido das mais diversas formas, até que surta e dá o troco.


Qual o seu clipe favorito do Foo Fighters?

Top 5: As melhores Canções Originais do Oscar

Por Bruno Britto

O Oscar é uma das maiores (ou a maior, para alguns) cerimônias do ano. O evento anual é um espetáculo completo e se tornou um programa obrigatório para os fãs de cinema. Entretanto, a música sempre teve sua participação no prêmio da Academia.

O Canal RIFF, ainda saudoso pelo Oscar de 2017, vai listar as cinco melhores canções que já concorreram ao prêmio de “Canção Original”. É importante ressaltar que não foram avaliadas apenas músicas vencedoras do prêmio, mas todas as que concorreram, devido a subjetividade do critério de escolha.

Menções honrosas: “Hakuna Matata” – O Rei Leão (1994) e “Blame Canada” – South Park: Bigger, longer and uncut (2000) – Interpretada por: Trey Parker e Marc Shaiman


  1. You’ve Got a Friend in Me” – Toy Story (1995) – Interpretada por: Randy Newman

Para quem foi criança nos anos 90 e 2000 e, assim como eu, assistiu muito Toy Story, é impossível não se emocionar ao ouvir a música principal do longa. “You’ve Got a Friend in Me” é uma música lindíssima e retrata exatamente a mensagem que a animação tenta passar: a amizade e o companheirismo.

Mas em 1996 perdeu para a música de outra animação: “Colors of the Wind“, de Pocahontas.

  1. Lose Yourself” – 8 Mile (2002) – Interpretada por: Eminem

Particularmente, não acho 8 Mile uma obra-prima do cinema. Mas é inegável dizer que “Lose Yourself” não se tornou uma das principais músicas de Eminem. Com uma batida poderosa e uma letra forte, a canção recebeu os prêmios de “Melhor Canção Original” no Oscar de 2003, assim como dois Grammys em 2004.

  1. “My heart will go on” – Titanic (1997) – Interpretada por: Céline Dion

Nos tempos atuais é muito improvável que exista alguém que não conheça essa canção, que foi reproduzido de forma exaustiva nos anos posteriores ao clássico Titanic. Interpretada de forma belíssima por Céline Dion, a música venceu o Oscar de “Melhor Canção Original” em 1998 e entrou de vez para a história.

  1. “City of Stars” – La La Land (2016) – Interpretada por: Emma Stone e Ryan Gosling

Confesso que achei que existisse um “hype” gigantesco tanto em La La Land, como em suas músicas. Nunca havia me enganado tanto.

O filme é repleto de excelentes músicas, com um clima completamente envolvente e canções bem produzidas, mas “City of Stars” se destoa de todo o resto. A canção é completamente apaixonante e faturou o Oscar de “Melhor canção original” em 2017.

  1. I Don’t Want to Miss a Thing” – Armageddon (1998) – Interpretada por: Aerosmith

Quando eu já estava decidido que “City of Stars” iria ficar em primeiro lugar, lembrei que “I Don’t Want to Miss a Thing” era trilha sonora do filme Armageddon.

A música não é apenas uma das melhores a ser indicada para o prêmio da academia, mas também é uma das melhores músicas do Aerosmith, uma das principais bandas de rock de todos os tempos. Infelizmente, acabou perdendo o prêmio em 1999 (ainda que, para esse humilde redator, de maneira injusta – para “When You Believe“, cantada por  Mariah Carey).


E você, cinéfilo fã do Canal RIFF, concorda com minha escolha? Qual sua canção vencedora (ou não) do OSCAR preferida? Deixe sua opinião nos comentários.

5 motivos para apostar no quinto álbum do Paramore

Por Natalia Salvador | @_salvadorna

Com mais de 10 anos de estrada e significativas perdas, o Paramore está prestes a lançar um novo álbum e é comum você se perguntar: e agora, o que vem por ai? A verdade é que por trás de todo esse mistério algo, no mínimo, diferente de tudo que você já viu da banda originada em Franklin, Tennessee, está por vir. Pensando nisso, o Canal RIFF reuniu pra você 5 motivos para acreditar que esse trabalho é um dos mais aguardados para o ano de 2017.

  • O Paramore aprendeu a superar suas perdas

2-yelyahwilliams

O primeiro grande drama vivido pelos fãs e integrantes da banda aconteceu no fim de 2010, quando os irmãos FaroZac, bateria, e Josh, guitarra – anunciaram que estavam se desligando da banda. No ano seguinte, o trio já lançou um EP com 4 músicas, ‘Singles Club’ – entre elas Monster, que fez parte da trilha sonora do filme ‘Transformers: O lado oculto da lua’, que já abraçava outros estilos musicais. Em abril de 2013 foi lançado o álbum autointulado, que garantiu o Grammy de melhor música de rock no ano de 2015, com Ain’t it Fun.

Depois do anúncio da saída de Jeremy Davis, baixista, em janeiro de 2016, muito se especulou sobre o fim da banda e a carreira solo de Hayley, mas, como já disseram por ai, o Paramore ainda é uma banda e seguiu da notícia direto para os estúdios.

  • As postagens e atualizações nas redes sociais

Durante as gravações do quinto álbum podemos acompanhar nas redes sociais dos músicos e produtores diferentes situações do dia a dia no estúdio. Além de muita comida, claro, os fãs enlouqueceram com as aparições de Zac Farro – que gravou as baterias do álbum -, além de conferir Hayley e Taylor tocando diferentes instrumentos. Ainda nas redes oficiais da banda, acompanhamos postagens que falam sobre as composições, as superações e até uma possível tour mundial. E não para por ai, a vocalista reativou o Instagram e o guitarrista o Twitter. Em sua descrição, Hayley classifica o Paramore como uma banda de gênero neutro, o que será que eles estão aprontando?

  • O som promete ser bem diferente do apresentado no quarto álbum

3-itstayloryall-1

De acordo com os fãs mais stalkers, alguns pedais como Chorus CE-2W, DC-2 Dimension C, Reflector e Pearl Chorus Ensemble apareceram nas fotos divulgadas durante as gravações. Algumas das funções desses equipamentos são a produção de um som com uma cara mais ‘vintage’, com maior profundidade, ondas sonoras circulares, além de efeitos específicos. Em seu Tumblr pessoal, Hayley deixou escapar uma dica sobre as novas músicas: “viradas de bateria com melodias estranhas na guitarra”.

  • Hayley é uma influenciadora no mundo do rock

4-yelyahwilliams

A frontwoman sempre foi conhecida pelos cabelos coloridos e boa relação com os fãs, mas de uns tempos para cá Hayley vem se posicionando sobre assuntos importantes e polêmicos como bullying, machismo, política, entre outros. Por conta de sua autenticidade, em 2014, Hayley recebeu o prêmio Trailblazer, da Billboard, que homenageia artistas por deixarem uma marca na música. Além disso, agora a vocalista é CEO de uma marca de tintas de cabelo junto com seu amigo e maquiador Brian J O’Connor, a Good Dye young.

  • Nos EUA, o disco já é aguardado e comentado por veículos especializados

Revistas como a Kerrang! e Alternative Press já comentaram sobre o futuro lançamento da banda e o elegeram como um dos discos mais aguardados do ano! Ressaltando a última turnê “Writing the future” e o cruzeiro “Parahoy”, as mídias estão com as expectativas lá no alto e deixaram os fãs ainda mais esperançosos sobre o que vem por ai.


E você, o que espera para esse novo e misterioso quinto álbum do Paramore?

4 opções musicais para aproveitar o verão na cidade do Rio de Janeiro

Por Natalia Salvador | @_salvadorna

O verão é uma estação de muitas cores, férias, sorrisos e calor, muito calor! E se você, assim como eu, não é muito fã de praia mas curte mesmo é um showzinho no fim de tarde, o que não faltam são opções para curtir o pôr do sol com música. Estão espalhados pela cidade eventos de diferentes tipos, para todos os bolsos e gostos, e o Canal RIFF separou quatro dicas para você aproveitar o pré-carnaval na cidade maravilhosa.

1) Shows gratuitos na praia

nkotb
New Kids on the Bloco

Durante a estação mais quente do ano, os shows nas praias cariocas já são clássicos. Esse ano as opções estão na zona sul e oeste. O ‘Verão Rio O Globo’, no posto 10 da praia de Ipanema, conta com nomes como Outro Eu (14), George Israel (15), Roberta Sá (21), Suricato (22), Marcella Fogaça (28), Arthur Aguiar (29) e Rubel (04). Os shows tem previsão para começar sempre as 19h30.

Já na Barraca do Pepê, na Barra da Tijuca, o ‘Música no Deck’ trouxe artistas dos mais variados estilos. Entre eles estão Arthur Aguiar (14), Paulo Ricardo (21), Latino (28), Isabella Taviani (04), Guimê (11), Sinara (18) e New Kids on the Bloco (25).

2) Queremos Tropical

O Queremos já é velho conhecido e está sempre trazendo shows para enlouquecer os fãs! Na temporada de verão eles apresentam o Queremos Tropical, que acontece na Varanda Vivo Rio e traz aos cariocas os shows de Liniker e os Caramelows (19), Karol Conka (28), Anavitória (02) e Dona Onete (16). Os ingressos variam de acordo com o evento – de R$ 40,00 a meia a R$ 100,00 a inteira.

3) Pepsi Twist Land RJ

Riocore All Stars

Se você é desses que gosta mesmo de uma festa alternativa, o Pepsi Twist Land é um evento que une festas famosas da capital carioca com shows, no espaço Marina Glória. Além da vista privilegiada, no festival você poderá conferir misturas inusitadas como:

2 de fevereiro: Nação Zumbi + Gilberto Gil + Jorge Mautner, DJ Nepal e Dream Team do Passinho cantando The Jackson 5;

11 de fevereiro: Festa Malaka, Festa Vambora! + Riocore Allstars.

Os preços variam de acordo com o evento – de R$50,00 a meia a R$120,00 a inteira. A programação completa você confere nas redes sociais do evento.

4) Food Park Carioca

Além da música, pratos de comida também caem muito bem no seu passeio? Então o Food Park Carioca é a opção ideal para os seus fins de semana. No espaço, além de shows com artistas dos mais variados estilos – do sertanejo, samba e rock -, os trucks, bikes e trailers oferecem um cardápio variado e cervejas artesanais. No sábado, dia 14, quem faz o som no evento é ex-LS Jack, Marcus Menna. A entrada é gratuita e a programação da semana pode ser acompanhada pelas redes sociais do local.


Com tantas opções ficou mais fácil de aproveitar os dias mais longos do verão, a cidade, a boa música e as comidas especiais!

As 5 melhores apresentações do SuperStar

Por Bruno Britto

A era do SuperStar na Globo chegou ao fim, ao menos por enquanto. O programa, que inspirou um dos quadros preferidos de todos os seguidores do RIFF, o “Comentando o SuperStar”, não foi renovado pela emissora.

Em um tom um pouco mais saudoso, resolvemos lembrar as melhores apresentações que ocorreram no programa. É importante ressaltar que estamos falando apenas das apresentações de forma avulsa, não avaliando a banda nem por sua trajetória no programa, nem um contexto maior.

Sem mais demoras, vamos ao ranking.


5. Bellamore – “Come Together”

bellamore2

Participante da terceira temporada do programa, a Bellamore destruiu logo na sua primeira apresentação. Colocaram sua própria personalidade na clássica música dos Beatles e o resultado agradou a todos, incluindo os jurados, que elogiaram a presença de palco do vocalista Pedro Sárria.

Logo no seu primeiro dia, a Bellamore mostrou a que veio.

4. Suricato – “Trem”

suricato-1

A Suricato esteve presente na temporada original do SuperStar e foi talvez a banda mais querida de tal edição. Não era pra menos.

Após uma audição onde inovaram com instrumentos bem inusitados, o grupo trouxe sua música autoral para a fase de duelos, sendo bastante elogiada e mostrando o poder de suas composições.

3. Supercombo – “Piloto Automático”

supercombo-2

A banda de indie rock de Vitória-ES, já tinha um bom reconhecimento, principalmente na internet. Mas logo em sua audição na segunda temporada, o Supercombo conseguiu atingir um enorme público, graças a qualidade e bom gosto musical. “Piloto Automático” foi um dos maiores sucessos do programa e serviu para trazer mais interesse para o grupo.

2. OutroEu – “Coisa de Casa”

outroeu

Com influências diretas do folk, a OutroEu emocionou a todos com sua apresentação de estreia, com uma música extremamente linda e com arranjos muito bem feitos. O grupo se tornou o queridinho do público nessa edição do programa e muito isso se deve a “Coisa de Casa”.

  1. Scalene – “Danse Macabre”

scalene2

Em uma opinião própria do autor, arrisco-me a dizer que a Scalene foi a maior “revelação” que o programa já fez e que a música em questão foi a responsável por isso. A vice-campeã da segunda temporada apresentou “Danse Macabre” na sua segunda participação no programa e foi com ela que mostraram toda a sua personalidade.


Menções honrosas: Plutão Já Foi Planeta – “Viagem Perdida”, Pagan John – “Carta”, JAMZ – “Love never felt so good”, Scambo – “Janela”, Kita – “You”, Versalle – “Marte”.


E aí, lembrou de outra apresentação marcante? Deixe suas opiniões nos comentários!

Lista: 11 álbuns de outubro pra ouvir agora!

Por Felipe Sousa | @Felipdsousa

Entra mês, sai mês e nós do Canal RIFF ficamos garimpando o que de melhor foi lançado na música – pelo menos para os nossos ouvidos. Separamos uma lista aqui com os novos álbuns que outubro nos trouxe. E foi mais um mês com belos lançamentos, inclusive com grandes nomes nacionais. Confere que tá demais!


1. Fresno – A Sinfonia de Tudo que Há

Em outubro a galera da Fresno surpreendeu todo mundo lançando “A Sinfonia de Tudo que Há”, seu sétimo disco. Os caras fizeram todo o trabalho na calmaria, sem nem mesmo falar que estavam produzindo. Mas embora não tenham feito alardes na produção, isso acontece agora, após o lançamento; o projeto dos caras chega bem amadurecido. É com certeza um dos melhores da banda.

2. Ventre – Ao vivo no Méier

Os cariocas da Ventre foram até o Imperator, no Rio de Janeiro, para gravar seu primeiro DVD por lá – em um dos eventos mais tradicionais da cena carioca, o Rio Novo Rock. Marcada por belas performances ao vivo, Ventre já se consolida como um dos bons nomes do novo rock. Chega, e diz aí se não vale a pena ouvir esse som.

3. Sabotage – Sabotage

13 anos após seu falecimento, Sabotage, um dos maiores nomes do rap nacional, é homenageado com álbum póstumo de mesmo nome. Cheio de participações, como as de Negra Li e Rappin’ Hood, o segundo disco do grande Sabotage é um excelente presente pra música – e foi tema de reportagem aqui no site!

4. Kaiser Chiefs – Stay Together

Dizem que o reino Unido é o berço do Indie, e concordamos que de fato vemos grandes nomes no estilo vindos de lá. O Kaiser Chiefs é um exemplo disso. Apareceu muito forte nos anos 2000 com o tradicional indie rock inglês e conquistou muitos fãs mundo afora. Mas nesse novo trabalho, a banda decidiu mudar um pouco o estilo. “Stay Together” tem uma pegada bem mais dançante, com elementos eletrônicos e bem mais pop que o de costume. É um bom disco. Mas pra quem curte o som antigo da banda talvez não curta tanto.

5. Two Door Cinema Club – Gameshow

Quem vai ao Lollapalooza em 2017 tem a chance de conhecer um pouco mais do Two Door Cinema Club. Os caras lançaram em outubro o terceiro álbum da carreira. Ouça “Gameshow” e conta pra gente o que achou.

6. Kings Of Leon – Walls

Walls” foi lançado em outubro e levou os Kings Of Leon direto para o topo da Billboard. Os caras ousaram mudar a sonoridade e parecem ter acertado em cheio.

7. Green Day – Revolution Radio

Outra banda quem tem recebido boas críticas, o Green Day lançou “Revolution Radio”. Depois de quatro anos sem material inédito, a banda liderada por Billie Joe Armstrong foi ao topo da Billboard 200 com o novo trabalho. O álbum que é cheio de críticas sociais e políticas, tenta trazer de volta a sonoridade punk rock do inicio da carreira do Green day. Vale ouvir e esperar que os caras pintem por aqui em turnê.

8. KoRn – The Serenity Of Suffering

O belo “The Serenity Of Suffering” do KoRn foi bem recebido e conta com a grande participação de Corey Taylor, do Slipknot. Uma volta marcante pra banda – que não lançava um álbum desde 2013. Vale ouvir.

9. Jimmy Eat World – Integrity Blues

Mais uma para quem quer se ambientar com o Lollapalooza 2017. Os alternativos da Jimmy Eat World lançaram seu nono disco, o “Integrity Blues”.

10. The Pretenders – Alone

Décimo primeiro álbum da carreira do The Pretenders, “Alone” chega depois de oito anos sem a banda lançar material novo. O disco ainda conta com a participação do vocalista do The Black Keys, Dan Auerbach.

11. Sportfreunde Stiller – Sturm & Stille

O power trio alemão Sportfreunde Stiller lançou em outubro “Sturm & Stille“, seu sétimo álbum de estúdio. Uma ótima comemoração pelos 20 anos da banda, completados justamente em 2016. Vale a pena conhecer esse rock alternativo cantado em alemão.


E aí, riffeiros, curtiram? Faltou algum? Conta pra gente o que estão ouvindo. E aproveita e segue o RIFF lá no Spotify.