Arquivo da tag: Neck Deep

Resenha: Neck Deep @Teatro Odisséia

Por Natalia Salvador

A mini-tour dos ingleses do Neck Deep era apenas o fim de uma grande aventura de meses pelo mundo! The Peace and The Panic Tour foi a promoção do terceiro disco da banda e que repercutiu muito bem entre o público. Mas mesmo depois de tanto tempo viajando e longe de casa a primeira passagem do grupo pela América do Sul não poderia ser assim tão tranquila. O público brasileiro pediu muito por esses meninos e fez valer cada mensagem de “Please, come to Brazil” valer a pena. A primeira parada no Brasil foi na cidade do Rio de Janeiro: uma quinta-feira, bem no coração da Lapa, era quase um aviso de que a temperatura ia subir – literalmente!

A banda escolhida para acompanhar os ingleses pelo país foi a Dinamite Club. O pop punk dos paulistanos já é conhecido por aqui e, por isso, a casa já estava cheia quando eles subiram ao palco. O setlist contemplou músicas dos CDs Tiro&Queda, de 2013, e Nós Somos Tudo o Que Temos, de 2017. O som bem energético foi responsável por aquecer o público que entrava na casa. O Teatro Odisséia é famoso no cenário independente da cidade maravilhosa. Mas, apesar do fit com a platéia, a ansiedade pelos grandes nomes da noite era nítida!

 

Com a casa quase lotada, o Neck Deep entrou no palco fazendo barulho e é claro que os cariocas acompanharam em plenos pulmões. Com um repertório que contemplou 3 dos 4 CDs dos meninos do País de Gales, o Teatro Odisséia parecia um só corpo e uma só voz. Happy Judgement Day, Lime St, Gold Steps e Motion Sickness foram as escolhidas para abrir a noite. E da primeira à última música foi impossível olhar para a platéia e não se contagiar com a energia. Era mosh, todos pulando e cantando juntos! Uma verdadeira festa.

O burburinho era tanto próximo ao palco que uma fã pediu ao vocalista, Ben Barlow, para que as pessoas dessem um pouco mais de espaço e a resposta dele não foi bem o que ela esperava. Ben deu para a fã um conselho: “Se você que um pouco mais de espaço, eu sugiro que você vá lá para trás. Se você quiser ficar aqui eu quero que você curta e sinta esse momento, ok?”. Ela aceitou o desafio e levou até o fim, guerreira! O calor na casa era tanto que as paredes suavam, as lentes das câmeras e óculos estavam embaçadas. Que tiro foi esse, Neck Deep?

Claro que Parachute, In Bloom, December e Part Of Me não ficaram de fora do setlist. Mesmo depois da banda afirmar que tinha finalizado o show, eles voltaram para o bis com Can’t Kick Up The Roots e Where Do We Go When We Go. E não teve uma música que não foi acompanhada em alto e bom som! Se a intenção do público carioca era provar que o Brasil nunca deve ser esquecido pelas bandas gringas, eu diria que o evento foi realizado com muito sucesso! Os ingleses do Neck Deep prometeram não demorar tanto tempo para voltar e a gente acreditou, tá pessoal?!

E como em toda primeira vinda ao Brasil, nós do Canal RIFF não podíamos perder a oportunidade de bater um papo exclusivo com os caras. Além disso, fizemos eles provarem algumas comidinhas bem brasileiras! Vocês chutam alguma? Fica ligado nas nossas redes sociais que já já sai a entrevista completa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Lançamentos: 30 Álbuns de agosto pra você ouvir agora

Por Felipe Sousa | Felipdsousa

O mês mais longo do ano finalmente chegou ao fim, e se tivemos motivos pra comemorar agosto, eles estão aqui. Confira alguns dos lançamentos, nacionais e internacionais, que tivemos no mês. Divirta-se com essa bacana e variada lista:

The Rise Of Chaos – Accept

Os Alemães do Accept estão de volta com “The Rise Of Chaos”. Esse é o quarto disco dos quarentões do Heavy Metal depois de vários momentos conturbados e desde a saída do vocalista Udo Dirkscheneider em 1996. A Partir de 2009 Mark Tonillo Assumiu os vocais do grupo.

 

Índigo Cristal – Natiruts
Já eram oito anos desde o último disco do Natiruts, o sucessor de “Raçaman” (2009) chega com 11 faixas e participação especial de Ed Motta. Ouça:

 

Unlikely – Far From Alaska
A primeira dica pra você riffeiro é: Vá ao show do Far From Alaska. Principalmente agora com “Unlikely”, segundo álbum da banda. O disco traz a formula para extrair com sucesso elementos em referências gringas e produzir um autoral brazuca digno de grandes nomes e festivais. Um trabalho onde Emmily Barreto  canta mesclando raiva, melancolia e um sentimento de expurgação numa performance já marcante dela e do grupo. Ouça:

 

Arauna – O Trago
Rafael Mimi (Projeto Caixa Preta, Nx Zero), Fi Ricardo (Nx Zero), Yuri Nishida (Granada, VOWE, Nx Zero, Gloria) e Ale Labelle (BBGG), forma a banda O Trago. E já está disponível em todas as plataformas digitais seu excelente EP de estreia “Arauna” Confira:

 

Indefinido – Msário
Movido pelo sentimento pessoal de desconstrução, o rapper Msário lançou no último dia 04 de agosto o seu primeiro EP, intitulado “Indefinido”. O EP tem cinco músicas, tais como “Dona de Si” que fala sobre igualdade de gêneros e a criação machista que o rapper teve.

 

Who Told You To Think – Milo
O papel do artista na sociedade, política, Harry Potter, crenças pessoais, esses são alguns dos temas abordados filosoficamente no plural “Who Told To Think”, novo disco do americano Milo. Um Hip Hop com rimas métricas propositalmente tentando atingir o consciente analítico do ouvinte. Ouça:

 

24-7 Rockstar Shit – The Cribs
O The Cribs traz em 2017 o “24-7 Rockstar Shit”,  seu sétimo álbum. Quem vai gostar do trabalho do trio inglês: Admiradores de garage rock com guitarras por todo o lado e que não tem tanta ânsia por originalidade. Alguns contras: Como falei, falta originalidade, músicas de destaque (…). O que achou do disco?

 

Scum – Rat Boy
O inglês Jordan Cardy, o Rat Boy, de 21 anos lançou em agosto o seu disco de estreia, “Scum”. Como todo jovem, Jordan Sente a necessidade de gritar ao mundo suas angústias, e ele faz isso muito muito bem nesse disco. Ouça o álbum. Vale a pena.

 

A Gente Mora no Agora – Paulo Miklos
Confesso que o som solo do Paulo Miklos não é dos meu preferidos. Embora isso seja apenas a opinião deste que vos escreve. Fato é que Miklos é  um dos artistas mais respeitados no país e
em seu terceiro disco solo, intitulado “A Gente Mora No Agora”, ele mostra toda sua versatilidade trazendo vários elementos da música brasileira. Ouça abaixo:

 

O Cheiro da Chuva na Farmácia Pobre da Velha Congela – Bife Simples  o Carabala
Rock noventista, groove e uma pinatda de psicodelia esse é o EP “O Cheiro da Chuva Na Farmácia Pobre da Velha Congela!”, que leva no título o nome das quatro faixas que o compõem. Bife Simples é Carlinhos Carneiro (vocalista da Bidê ou Balde e criador do Império da Lã) e o Carabala (Gabriel Klaser, Ronaldo Rocha e Guilherme Cunha) em uma excelente união gaúcha. Confira:

 

Antes Durante Depois – Pavilhão 9
Com dez faixas, “Antes Durante Depois” é o sétimo disco de estúdio Pavilhão 9 que já está há 25 na estrada. Ouça na sua plataforma de preferência e compartilhe o som brazuca. Abaixo o disco no spotify:

 

II – Humbold
De Brasília, Guilherme de Paula (vocal e guitarra), Guilherme Breda
(guitarra), Lorena Lima (baixo) e Anderson Freitas (bateria) formam a Humbold que disponibilizaram o EP “II”, segundo trabalho do grupo. Ouça e prestigie:

 

Big Mess – Grouplove
“Big Mess” é o novo disco do Grouplove. Com 11 faixas carregadas de pop, ele chega sem grande alarde mas pode agradar quem curte umas baladinhas. Ouça e nos diga o que achou:

 

Painted Ruins – Grizzly Bear
Quinto disco de inéditas dos novaiorquinos, “Painted Ruis” traz boas composições, guitarras protagonistas e boa interpretação vocal; ouça abaixo o novo disco de Grizzly Bear:

 

A Fever Dream – Everything Everything
Dizem que o rock britânico é melhor, mas essa eu deixo pra vocês responderem. Mas uma coisa é certa: ótimos nomes saem da terra da rainha. Everything Everything é um deles. Agora com seu quarto disco, intitulado “A Fever Dream”, o quarteto se lança novamente como um desses bons nomes. Ouça:

 

Magnetite – Scalene
“Magnetite” é a consolidação da Scalene como novo nome do rock nacional. O terceiro disco dos brasilienses traz 12 excelentes faixas inéditas. Ouça abaixo o disco enquanto desvenda um pouco mais sobre ele na nossa resenha:

 

The Peace And The Panic – Neck Deep

Que tal ouvir um pop punk? Os galeses do Neck Deep lançaram em agosto o seu terceiro disco, intitulado “The Peace And The Panic”. Ouça abaixo e conta pra gente o que achou:

 

Lá e Cá – Novo
De Vitória (ES), Rodrigo Novo lança o seu primeiro EP, no projeto que carrega se sobrenome, intitulafo “lá e Cá”. É mais um belo lançamento nacional e nos do RIFF adoramos isso. Prestigie:

 

Science Fiction – Brand New
Depois de oito anos de hiato, o Brand New está de volta com o inédito “Science Fiction”. O disco é com certeza um dos mais legais do ano e evidencia ainda mais o Brand New como uma das bandas mais influentes no cenário da música.

 

Still Strving – A$AP Ferg
Esse trabalho trata-se de uma mixtape (Produções com a mesma qualidade de um disco), a segunda de A$AP Ferg. “Still Strving” tem 14 faixas e conta com participações de Migos, French Montana e mais.

 

All We Know of Heaven, All We Need of Hell – PVRIS
Mais sombrio e adulto, o segundo disco de estúdio de PVRIS está disponível nas plataformas de streaming desde 25 de agosto. Ouça “All We Know Of Heaven, All We Nedd Of Hell”:

 

Seekers And Finders – Gogol Bordello
No dia 25 de agosto o punk do Gogol Bordello ganhu mais um capítulo na sua carreira. O Grupo lançou “Seekers And Finders”, sucessor de “Pura Vida Conspirancy” (2013).

 

Villains – Queens Of The Stone Age

O sétimo disco disco de estúdio do QOTSA, “Villains”, está disponível nos streamings. O novo trabalho do grupo chega com um ambiente dançante (Com ajuda de Mark Ronson na produção), as tradicionais guitarras e sintetizadores, pitadas de psicodelia. Ouça abaixo o dançante Villains:

 

Beast Epic – Iron & Wine
Sam Beam e seu Iron & Wine chegam a 15 anos de carreira com um folk de ótima qualidade. Em agosto, Sam nos deu mais oportunidade para, pelas suas composições, entender mais sobre amor. “Beast Epic” é o nome do seu mais novo disco e você pode ouvir abaixo:

 

A Deeper Understanding – The War On Drugs
O novo disco do The War On Drugs é composto por dez músicas distribuídas em quase 70 minutos.  Abaixo você pode ouvir “Deeper Understanding”, sucessor de “Lost In The Dream” (2014):

 

Good Nature – Turnover
Os estadunidenses da Turnover lançaram no último dia 25 o seu terceiro disco de estúdio, intitulado “Good Nature”. Além do disco, a banda já confirmou três shows no Brasil em 2017, no Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba. Ouça abaixo e se prepare pra vinda do grupo:

 

Orc – Oh Sees
O Oh Sees (Antes conhecido como Thee Oh Sees) lançou o seu 19º disco, intitulado “Orc”. O álbum conta com dez faixas incluindo o single “The Static God”.

 

Tribalistas – Tribalistas
Depois de quinze anos, Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes anunciaram a volta do projeto Tribalistas e com ele, o novo disco de inéditas, homônimo. Ouça abaixo:

 

Caravanas – Chico Buarque
“Caravanas” novo disco de Chico Buarque é essencialmente um ambiente romântico. Suas composições continuam afiadas e a mestria, bom, ela parece só aumentar. Ouça abaixo o genial Chico Buarque:

 

EP2 – Whipallas
“EP2” é quase um lado do B do primeiro EP (2016) dos cariocas da Whipallas. Com inglês adotado para suas canções, que dessa vez passeiam pelo rock e indie rock dos anos 2000. Ouça abaixo mais um lançamento nacional:

 

Quer ver sua banda aqui no RIFF? Fala com a gente. Vamos adorar conhecer o teu som!

ESPECIAL: Camisas, molhos, cervejas, caixões e vibradores – As alternativas para diversificar os produtos das bandas!

Por Guilherme Schneider I @Jedyte

Imagine a cena: você, caro apaixonado por música, acaba de presenciar um show mega maravilhoso. Perante o palco, você viveu uma experiência ao máximo. Aqueles minutos, com aquela banda do coração, foram com uma intensidade tão grande que supriria semanas de marasmo cotidiano. Mas, e logo depois em que as luzes se acendem?

Ainda no calor (literal, pode apostar) de um showzaço vem aquele impulso irracional por consumir a banda –sim,  tudo o que vier pela frente. Fãs cercam as barraquinhas nos pós-show da vida para devorarem todo o possível – e assim montar um estoque de emoções perpetuáveis. Bem, mas, e quando a empolgação termina em uma “olhadinha” apenas nos produtos?

Dance of DaysNenê Altro, do Dance of Days, já publicou livros e zines

Confesso que em diversos shows minha empolgação terminou em uma barraquinha “só” com CDs.

Um absurdo, né? Afinal, a arte de um grupo musical é traduzida ali, em um disquinho com uma dúzia de músicas. Mas, na era do MP3 e Streaming de música uma barraquinha com CDs não me satisfaz.

Posso até comprar, seja para ajudar, fazer minha parte, ou dar ‘uma moral’… Porém dificilmente vou ouvir mais de uma vez – provavelmente vou é converter o CD para MP3… E só.


O Weezer apelou para esse confortável cobertor com mangas

Entra ano, sai ano, e há quem discuta ainda uma “crise” na indústria fonográfica. Sem dúvidas o modelo de negócio mudou – e provavelmente você não consome mídia física (CD, DVD ou Blu-Ray) como consome música digital. A demanda existe, mas as bandas precisam de um pouco mais de ousadia e criatividade.

Bandas, o caminho é diversificar!

Tanto nas independentes, com orçamento contado em moedas de rateio, até os gigantes das gravadoras, chegou sim o tempo de consumir a marca. Sim, a maioria das bandas tem um potencial enorme de transformar as suas letras (e ideais) em produtos.

Ideologicamente chega a ser um pouco feio pensar assim. Mas, garanto que a magia não vai embora só porque os artistas decidiram investir no empréstimo de seus nomes para produtos. Camisas, zines, canecas, calendários, bonecos… Há espaço para todos os bolsos.

É bem verdade também que foi por uma dessas que o finado Chorão, do Charlie Brown Jr, acertou um socão no olho do Marcelo Camelo, dos Los Hermanos. Ou quando João Gordo, do Ratos de Porão, esculachou o Dado Dolabella na MTV.

Separei algumas bandas que trouxeram soluções criativas (algumas apenas bizarras) na hora de monetizar um pouquinho mais. Lógico que existem trocentas outras ideias legais, então, se souber, por favor coloque nos comentários, pode ser?

Confira a lista, com alguns itens criativos e outros excêntricos:

11 – Álbum de figurinhas do Detonator

Detonator

Detonator, o ex-vocalista do Massacration, lançou no ano passado o ótimo Metal Folclore. No ritmo da Copa do Mundo, o cd trouxe dentro do encarte um álbum de figurinhas. Timing perfeito!

10 – Kit de costura do White Stripes

White Stripes

Os White Stripes são certamente uma das bandas mais criativas na hora de vender produtos. Câmera Holga, vitrolas personalizadas, teremim, kilt… Jack White sempre surpreende de alguma forma. Mesmo que com um singelo kit de agulhas e botões – e pode ser útil!

9 – Livro + álbum do MarmorAlma Celta

Uma solução bem legal para vender CDs foi encontrada pelo rock orquestrado da Marmor. A banda formada pelo baterista Marcelo Moreira lançou no ano passado o livro Alma Celta. Cada faixa do álbum corresponde a um capítulo do livro, o que valoriza (e amplia) a experiência, tanto da leitura, quanto da música.

8 – Banco Imobiliário do Metallica

Metallica Banco Imobliliário

Ao lado de War, Jogo da Vida e Imagem e Ação, Banco Imobiliário deve ser um dos jogos de tabuleiro mais queridos do Brasil. Mas nada supera essa versão especial do Metallica, totalmente adaptada para a a história dos álbuns  da banda de metal.

7 – Molhos do Marky Ramone

Marky Ramone Souce

A ideia de uma banda explorar os cinco sentidos só é de fato possível quando o paladar é contemplado. Pensando nisso, alguns já se arriscaram em molhos e pimentas, como os RaimundosPierce The Veil, Gwar ou Bring me The Horizon. Mas, ninguém mandou tão bem como o baterista Marky Ramones, ex-Ramones , que assina uma linha de molho de tomate e outra de pimenta.

6 – Tarô do Neck Deep

tarot

O pop punk galês do Neck Deep proporcionou um inusitado baralho de tarô no álbum Wishful Thinking. As ilustrações seguem o estilo mais tradicional – só que com os membros da banda, claro.

5 – Bonecos!

Beatles Toys

Figure toys, plush, bonecos… chame como for. Desde os modelos cabeçudos de vinil da Funko Pop, aos detalhadíssimos da McFarlane Toys… eles certamente ficam bem na estante de qualquer fã – como essa linha Yellow Submarine dos Beatles.

4 – Esse tênis com a cara do Noel Gallagher

oasis shoe

O eterno Oasis Noel Gallagher teve o seu rosto estampado em uma limitadíssima coleção de tênis da Adidas: apenas 120 pares.

3 – Cervejas!

Cervejas de bandas

Tem sido um clichê interessantíssimo das bandas. Várias já lançaram as suas versões etílicas, tanto aqui no Brasil quanto lá fora. Por exemplo, Matanza, Angra ou Velhas Virgens viraram cervejas aqui. Enquanto AC/DC, Iron Maiden ou Pearl Jam… nada mal, né?

2 – O caixão do Kiss

Kiss Caixão

Só para quem leva MUITO a sério o estilo de vida da ‘Kiss Army’. Os fãs do Kiss podem encomendar um caixão (dois modelos na verdade, até autografados) para um sepultamento memorável – ao menos para os que presenciarem vivos.

1 – Vibradores de Ranmstein, Ghost BC e Motörhead

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dificilmente a linha de brinquedos eróticos das bandas pode ser mais bizarra. O Motörhead (rei do merchan) ganhou destaque recentemente, mas não chega nem perto aos modelos do Ghost e Ranmstein: um vem embalado em uma bíblia, outro em uma caixa com seis membros. Extrassensorial ao extremo…


E você, tem alguma sugestão? Comente!