Arquivo da tag: Cobertura RIFF

Resenha: Maluma @Vivo Rio

Por Laura Tardin (texto e fotos)

Na noite de 10 de novembro, tivemos a chance de ver, no Vivo Rio, um artista que está na crista da onda – ou talvez, na crista de sua primeira onda, tendo em conta de que ele é nascido em 1994 – o colombiano Maluma.

Para quem minimamente entende de música pop, Maluma é figurinha fácil: fez parceria com Anitta (“Sim ou Não”), Shakira (“Chantaje”), Ricky Martin (“Vente Pa’Ca”) e possui sucessos creditados em sua própria conta, como “Felices los Cuatro” e “El Perdedor”. Maluma é representante do estilo reggaeton, que talvez tenha tido sua primeira aparição em terras brasileiras lá na virada da década, com o estouro de “Impacto” de Daddy Yankee e “Danza Kuduro”, de Don Omar e Lucenzo, que até mesmo virou abertura de novela.

Mas, não se engane: o reggaeton não é de hoje e nem é do tipo de estilo musical que irá passar rapidamente. As batidas repetitivas talvez lembrem a repetição no funk e no sertanejo brasileiros, mas nenhum destes três estilos tem pouco a contar quando se fala de juventude e cultura local. O reggaeton, algo que mistura primordialmente sonoridade caribenha, rap e beat eletrônico, debutou lá nos anos 90 e já teve outras fases áureas antes de 2017. É que, como sempre, existe uma curiosa barreira entre Brasil e América Latina – acredito que esta tenha sido responsável pela demora da chegada do ritmo às nossas rádios, já que o reggaeton se espalhou como vírus até o Ushuaia.

No Rio, o show do Maluma ocorreu na festa “Sigue Bailando“, cuja proposta musical era misturar hits brasileiros e internacionais (inclusive os latinos – e para quem acredita que ritmo latino ainda esteja resumido numa canção de Gloria Estefan, sugiro um pouco de reggaeton). O público tem cara de que estaria ali com ou sem Maluma, mas vê-se algumas fãs com faixas, cartazes e bandeiras. Apesar de recém casados, os brasileiros dominam canções de reggaeton na ponta da língua e nos pés que dançam.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Maluma surge, com um pouco de atraso, cercado de belas bailarinas, uma banda completa e dois cantores de apoio – precisamos de alguém que seja Shakira e Anitta ao mesmo tempo. Mas ele é a grande estrela do show. Com sex appeal, muito suor e caras e bocas, Maluma encanta a plateia, em boa parte feminina, e faz um show talvez um pouco arrastado ao executar longas versões de suas músicas pop.

O moço é jovem, bonito e fresco, e abusa dos recursos de convocar os lados esquerdo e direito da plateia para ver quem grita mais alto. Em dado momento do show, depois de ter arranhado um português que arrancou suspiros, ele diz que precisa encontrar uma namorada – coisas que valem a atenção acontecem a partir daí – e duas meninas sobem ao palco. A primeira, de doze anos, ganha um presente e uma música fofa no violão (tudo bem? Ou não tudo bem? Qual o verdadeiro apelo de Maluma com as pré-adolescentes?). A segunda, que ganha um “ahora sí” ao subir ao palco, ganha abraços e troca um selinho com o astro. O menino é fanfarrão, mas quem disse que isso é ruim?

“Felices los Cuatro” é executada no bis e certamente é a música mais aclamada (e filmada nos celulares). Apesar da superficialidade que aparenta Maluma, essa canção tem uma letra que pode gerar bons e maduros debates. Me pergunto se os presentes entendem algum carajo de espanhol – se entendessem, cantariam com tanto ânimo?

Anúncios

Resenha: The Get Up Kids @ Carioca Club

Por Alan Bonner |@bonnerzin

Viajar para ver um show é sempre um misto de angústia e prazer, pelo menos pra mim. Angústia pelas horas de estrada/voo com medo que dê algo de errado e não dê pra chegar a tempo. O prazer, bom, esse começa na chegada do local do evento e a certeza que aquele será um(a) ótimo(a) dia ou noite. Foi bem o que aconteceu nessa #coberturariff, onde fui a São Paulo para mais um evento do Ano Do Emo No Brasil ™ cobrir a primeira vinda de uma das mães do real emo e do pop punk, o The Get Up Kids, com direito a abertura das ótimas Horace Green e Hateen e mais uma produção impecável da Powerline.

IMG_6906.JPG

A qualidade da safra de bandas novas brasileiras (em especial as de hardcore e suas inúmeras vertentes) permitem um fenômeno interessante: o de sentir o nível de ansiedade em ver a(s) banda(s) de abertura chegar próximo ao nível de ansiedade em ver a atração principal. Poucas bandas teriam me causado todo esse frisson em uma noite de The Get Up Kids, e a Horace Green é uma delas. A fúria trazida por Shamil Carlos, Fernando Chero, Clayton Romero e Guilherme Amato nos trabalhos em estúdio trazia uma grande expectativa ao riffeiro que vos escreve em ver os paulistanos ao vivo. Expectativa que, infelizmente, foi frustrada pelos percalços de se viajar para longe para ver um show. Não consegui chegar a tempo para ve-los, desejo que só aumentou para uma próxima oportunidade. Tomara que seja breve!

O que melhor para confortar um corpo cansado de horas na estrada e frustrado por não ver uma banda que tanto queria ver do que uma hora de baile de uma das clássicas do hardcore melódico brazuca? Graças ao Getúlio (motorista gentil e eficiente que conduziu meu bonde para SP), consegui chegar a tempo de ver o Hateen botando a casa abaixo e fazendo o público superaquecer os gogós para o ato final da tarde/noite. Rodrigo Koala e companhia desfilaram os hits da banda, sobretudo as músicas da fase “em inglês” da banda. O público ainda foi presenteado com um excelente cover de “In Circles”, hino do Sunny Day Real Estate.

IMG_6789.JPG
Hateen @ Carioca Club
IMG_6774.JPG
Koala arrepiando em “In Cicles”

Depois do belo show do Hateen, chegou a hora de acabar com uma espera de 22 anos. O The Get Up Kids finalmente subiu em um palco brasileiro. E que jeito melhor de compensar toda a demora senão começando com o maior clássico da banda? Matt Pryor (Guitarra/Vocal), Jim Suptic (Guitarra), Rob Pope (Baixo), James Dewees (Teclado) e Ryan Pope (Bateria) começaram os primeiros acordes de “Holiday” e levaram o público (que cantou alto) à loucura logo no início do show. A intensidade continuou lá em cima, com o público respondendo com stage dives antecedidos de dancinhas criativas em cima do palco, que arrancavam risadas dos membros da banda durante as músicas e elogios à energia do público nas pausas entre elas.

essa.JPG
The Get Up Kids @ Cariora Club
IMG_6911.JPG
“Só vocês!”

Particularmente, fui surpreendido positivamente em dois aspectos: como o vocal de Matt continua atingindo os tons altos do início dos anos 90 e como os teclados compõem bem nas músicas quando executadas ao vivo. Com o passar das músicas do longo setlist (22 músicas!) e com a execução de baladas como “Valentine”, foi possível olhar em volta e ver cenas bem bonitas. Amigos se abraçando, casais se declarando, fãs chorando e todo mundo bem emocionado. A vibe era maravilhosa, tanto para quem estava assistindo quanto para quem estava tocando. Tanto que Matt se questionou porque a banda tinha levado tanto tempo para ir ao Brasil, levando a galera ao delírio mais uma vez. Ao final do show, a banda não queria sair do palco e reservou dois “bis” para o público, o primeiro deles com covers de The Cure e The Replacements, seguidos de “I’ll Catch You” e “Ten Minutes”, do “Something to Write About”. No segundo, entre as ótimas “Out of Reach” e “Shorty”, a banda mandou o clássico “nós voltaremos”. Esperamos que seja verdade e que seja breve!

IMG_6924.JPG
“We will be back! I promise!” Vamos cobrar heim
IMG_6926.JPG
Um dos sortudos que ganhou o setlist e o abriu pra uma fotinha :)

O Canal Riff lamenta a morte de Mateus Pagalidis, jovem fluminense que, tal como nosso correspondente, viajou até São Paulo para assistir ao show. Mateus foi um grande entusiasta, produtor, músico e agitador musical em Cabo Frio e região, agregando pessoas e produzindo shows no estado do Rio de Janeiro e no Brasil. Nossas condolências aos amigos e familiares e nosso desejo de que mais jovens façam acontecer aquilo que eles acreditam, não importando a distância ou o obstáculo, como Mateus fez em vida.

14708243_1330509000333215_2771516659108805740_n.jpg
R.I.P., Mateus :'(