Arquivo da tag: The Maine

Resenha: The Maine @Circo Voador

     Por Natalia Salvador | Fotos: Thaís Huguenin

A banda americana The Maine desembarcou no Rio de Janeiro, no domingo, dia 23 de julho, para o último show da turnê Lovely Little Lonely no país. Para mim, esse era o primeiro contato com a banda e, para os fãs que ali estavam parecia que todo encontro é como se fosse a primeira vez. Depois de passar por São Paulo, Limeira, Porto Alegre, Curitiba, Brasília e Belo Horizonte e serem acompanhados por muitos desses fãs por essas cidades, era hora de lavar a alma, mais uma vez, no palco do Circo Voador.

IMG_9716
Michael Band @2017

Para começar a aquecer a noite – quase – fria na cidade maravilhosa, Michael Band, ex-integrante do grupo P9, se apresentou e foi muito bem recebido pela plateia ansiosa. Com o apoio de Felipe Lopes – baixista da banda OutroEu -, Michael apresentou músicas autorais, com uma pegada mais folk, que combinam muito com a voz suave. Além disso, o carioca se arriscou com uma versão apenas voz e violão de Take Me Dancing e a galera acompanhou em alto e bom som, dando uma pequena amostra do que estava por vir.

IMG_0133
The Maine @2017

Com um cenário simples, mas muito bonito, John O’Callaghan (vocal), Kennedy Brock (guitarra e vocal), Jared Monaco (guitarra), Garrett Nickelsen (baixo) e Pat Kirch (bateria) subiram no palco arrancando gritos e suspiros de uma platéia cheia de paixão. Eu sempre tive amigas fãs de The Maine, mas eu nunca tinha visto essa relação de perto. Logo nas primeiras músicas se tornou muito difícil ficar parado, aquela história de energia que contagia.

IMG_9919
The Maine @2017

Guardem seus celulares para essa próxima música e dancem. Vocês pagaram por isso, vamos estar aqui juntos, sem desculpas”, convidou John, em uma das muitas trocas que o vocalista tem com o público durante o show, antes de puxar o coro para a faixa de My Heroine. Outra música que ganhou destaque na noite entre solos e entusiasmo foi Ice Cave. E é claro que essa banda, com essa proximidade com seus fãs, não deixaria de atender a um pedido. “Nós tocamos essa música em Brasília, mas vocês sabem como é, não praticamos muito. Vamos precisar da ajuda de vocês”. E mais uma vez, Taxi foi adicionada ao set list de última hora, para alegria de todos.

Como já é de costume, John chamou uma pessoa para ajudar a cantar no palco Girls Do What They Want. O sortudo da vez foi o Vitor, lá de Maceió, e que também estava vivendo a experiência The Maine pela primeira vez. Os dois ainda escolheram mais uma fã, a carioca Mariane mal conseguia se conter de tanta emoção. Os dois cantaram abraçados e aproveitaram aquele momento único.

 

IMG_9802
The Maine @2017

Quase no fim do show, John falou do quanto é importante sentir as emoções e deixar que elas se libertem de nós. Segundo ele, podemos ficar tristes e felizes mas, acima de tudo, temos que ser bons uns para os outros. Foram tantas alegrias naquelas 1 hora e 30 minutos de música, tantos sorrisos, tanto carinho, tantos rebolados, que os problemas com o microfone não atrapalharam em nada a noite.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Depois de tanto tempo acompanhando isso tudo de longe, me senti feliz por finalmente entender um pouquinho do que se passava no coração das minhas amigas fãs de The Maine no ensino médio. “Obrigada por acolherem a gente no seu país, nós amamos muito vocês. Se cuidem e a gente se vê”, afirmou o vocalista ao se despedir. É, John, o Brasil também ama muito vocês e, sem dúvidas, já não vê a hora para encontrar vocês de novo. Quem sabe não rola uma segunda primeira vez pra mim também?


Anúncios

Resenha: The Maine @ Arena Futebol Clube

Por Gabriel Menezes e Tayane Sampaio

Brasília pode te proporcionar algumas experiências interessantes. Tipo ir no show de uma banda gringa que tem quase 800.000 likes no Facebook, mas parecer que você está no show daquela banda do underground nacional, que ainda tem poucos, mas fervorosos, fãs. Isso praticamente resume o show do The Maine em Brasília.

Na última sexta-feira (21), os estadunidenses fizeram o pequeno palco do Arena Futebol Clube ficar gigante.  Em turnê com o novo disco, Lovely Little Lonely, a banda voltou ao Brasil pela quinta vez, apesar dessa apresentação ter sido a estreia do quinteto em Brasília. O show, com clima intimista, virou praticamente um culto, tamanha a dedicação dos fãs em cantar (muito) alto todos os versos de todas as músicas.

Os integrantes do The Maine não foram os primeiros a subir no palco, pois a abertura ficou por conta de Michael Band. Michael, que estava acompanhado apenas de seu violão, fez uma apresentação encantadora. O folk muito bem tocado conquistou os ouvidos da plateia, que, apesar da ansiedade para a apresentação principal, recebeu muito bem o músico e até fez alguns pedidos de música. O cantor, que se declarou fã do grupo do Arizona, foi escolhido pela própria banda para abrir os shows de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro.

Michael Band | Por Tayane Sampaio

Logo depois do show de Michael e dos devidos ajustes no palco, foi a vez do The Maine aparecer, minutos depois dos fãs puxarem um coro apaixonado de “Into Your Arms”. John O’Callaghan, o vocalista do grupo, começou o show pedindo pra galera guardar os celulares e curtir um show de rock como as pessoas faziam antes dos smartphones. A banda já abriu o show com muita energia, ao som de “Black Butterflies & Dèjà Vu”, faixa do novo álbum, que os fãs cantaram a plenos pulmões. Em seguida, eles tocaram “Am I Pretty?”, que fez as poucas pessoas que estavam mais contidas também tirarem o pé do chão.

The Maine | Por Tayane Sampaio

Não é só John que tem uma presença de palco impecável, a sinergia dos músicos é fantástica. Garrett Nickelsen (baixo), Kennedy Brock (guitarra), Jared Monaco (guitarra) e Pat Kirch (bateria) não param um segundo e também não deixam o público ficar parado. John disse que queria ver todo mundo suando e realmente conseguiu. Logo no começo do show, em “Like We Did (Windows Down)”, ele subiu na grade e dividiu o microfone com o público. Os fãs retribuíram o carinho e a entrega da banda com balões brancos, durante a balada “(Un)Lost”.

The Maine | Por Tayane Sampaio

Durante toda a apresentação, houve uma troca de energia muito boa entre público e banda. Kennedy e Garrett eram só sorrisos. A animação estava tão grande que o quinteto deixou a triste “Raining in Paris” fora do setlist e tocou “Taxi”, música que nunca tinha sido tocada ao vivo e era uma das mais pedidas pelos fãs brasileiros, desde que a tour começou.

Um dos pontos altos da apresentação foi “Girls Do What They Want”, um clássico do grupo. Nessa hora, o vocalista já tinha se desfeito da jaqueta e da camiseta e foi assim que ele foi parar no meio da galera, rodeado pelos fãs que gritavam a letra da música e pulavam sem parar. John voltou ao palco com dois ajudantes, Tatyana e Fillipe, pra terminar de cantar a música no palco.

O show reuniu canções de vários momentos da banda, de discos mais recentes até os mais antigos. O pedido de “zero phones” de O’Callaghan foi ignorado, mas, ainda assim, foi um momento muito bonito de conexão entre artista e fã. Depois de pouco mais de uma hora de total catarse, a despedida foi ao som de “Another Night on Mars”.

O show é um dos que vale muito a pena ver ao vivo. Sem dúvidas, foi uma noite memorável. Os caras amam o Brasil e, provavelmente, vão voltar em breve. Então, se você ainda não foi a um show do The Maine, não perde a próxima chance!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Começou a contagem regressiva para The Maine no Brasil

O The Maine tem provado diariamente por que faz parte do atual cenário do rock alternativo mundial e um verdadeiro fenômeno em conquistar fãs por onde passa.

Praticamente dois anos após passagem pelo Brasil divulgando o álbum “American Candy”, os fãs já começam a contar os dias para que os carismáticos John O’Callaghan (vocal), Garrett Nickelsen (baixo), Pat Kirch (bateria), Kennedy Brock (guitarra/vocal) e Jared Monaco (guitarra) retornem ao país, desta vez, trazendo a turnê “Lovely Little Lonely”, o novo álbum do grupo.

Nele a banda volta a desafiar estereótipos ao ser classificada como pop, alternativo, rock, emo e todos os estilos no meio. Este trabalho vem recebendo feedback bastante positivo de todos os fãs, além de já ser considerado um dos melhores lançamentos de 2017.

Lembramos que o Brasil é o único país da América do Sul a receber a passagem do quinteto norte-americano com a nova tour, confira as datas:

unnamed

Com apenas dez anos de carreira, o The Maine vem surpreendendo o mundo da música principalmente ao figurar a cada lançamento nos charts da Billboard . O grupo não para de crescer, conquistar fãs com sua sonoridade “catchy” e despontar como um dos nomes do pop rock internacional.

Ainda há ingressos disponíveis para compra, para maiores informações clique aqui.

Aperte o play e já comece a entrar no clima!

 

Resenha: Ellefante, Marrakitá e Phill Veras @Funarte Brasília

Por Tayane Sampaio

Abril começou muito bem para quem acompanha a cena musical da Cidade. Sábado (01), aconteceu a sexta edição do Brasília Sessions, evento que tem tudo para se tornar uma das datas mais esperadas pelos brasilienses fãs de música. Dessa vez, quem compareceu ao Teatro Plínio Marcos, no Complexo Cultural FUNARTE, assistiu às apresentações das bandas Ellefante, Marrakitá, Cachimbó, Renato Gurgel e Phill Veras.

Mesmo sendo a edição com o maior público, que lotou o teatro, o evento não perdeu sua essência e o ar intimista. O formato com três apresentações no palco principal e dois pocket shows, que acontecem enquanto o palco central é arrumado para a próxima apresentação, foi mantido. Essa dinâmica funciona muito bem, pois o tempo de espera entre uma apresentação e outra é bem curto.

A Ellefante, formada por Fernando Vaz (voz e guitarra), Adriano Pasqua (baixo) e João Dito (bateria), foi a primeira a se apresentar. Quando a banda começou a tocar, um pouco depois das 19h, os espectadores ocupavam um terço da capacidade total do teatro. Quem chegou só para o último show perdeu a melhor apresentação da noite.

Ellefante @2017

O trio, que nasceu há pouco tempo, traz uma proposta muito bonita e original. A sonoridade da banda não segue um padrão e é justamente isso que faz o show ser tão bom de assistir. Entre as baladas, com um toque de blues, e as músicas mais vibrantes, com bateria minimalista e um quê de bossa nova, o grupo também mostra influências do folk, pop e rock.

Além das belíssimas harmonizações vocais, os integrantes compartilhavam olhares e sorrisos divertidos entre uma canção e outra. Mesmo com pouco tempo de banda, a Ellefante já tem um show interessante e interativo, em que os integrantes dominam bem o espaço e têm um ótimo entrosamento, além de parecerem muito à vontade para falar e brincar com a plateia.

Um dos pontos fortes da banda é o bonito timbre de voz e a versatilidade de Fernando. Na sensível “Começo”, ele presentou o público com uma ótima performance vocal, que em alguns momentos lembra o australiano Matt Corby.

No final dos shows, conversamos com o vocalista, que classificou a experiência de tocar no Brasília Sessions como sensacional, tanto pela oportunidade de tocar em um teatro tão tradicional, como pela chance de apresentar a sua música às pessoas que foram ao evento por causa dos outros artistas. O músico disse, ainda, que o primeiro álbum do trio está previsto para agosto e deve ter entre dez e treze faixas, incluindo as músicas já lançadas em sessões ao vivo. Antes disso, a banda ainda toca no Atomic Music Festival, com o The Maine, o famoso “grupo emo do Arizona”.

Enquanto o palco da Marrakitá era montado, Renato Gurgel começou sua apresentação, que atraiu a atenção de toda a plateia para a parte superior da sala. Acompanhado por Paulo Lessa (guitarra), Renato apresentou, pela primeira vez, o seu trabalho autoral ao público brasiliense. A serenidade da voz de Gurgel se espalhou pelo local e aqui e acolá tinha alguém balançando a cabeça no ritmo do bom samba-forró do rapaz.

Renato Gurgel @2017

O agora duo Marrakitá se apresentou após o pocket show do Renato. João Pedro Mansur (voz e guitarra), que tocou na edição anterior do evento, e Marcos dos Santos (bateria e voz) se apresentaram com dois músicos de apoio: o baixista Pedro Miranda e o guitarrista Henrique Alvim.

O último single lançado pelo grupo, “Santuário”, fez parte da setlist, assim como algumas músicas do álbum “Coisas Selvagens”, de 2015. Infelizmente, os músicos não apresentaram as músicas do excelente “Ao Vivo Em Casa” (2014), EP de estreia da banda, que, à época, era um quarteto.

Marrakitá @2017

O baterista da Marrakitá é um show à parte. Marcos executa os movimentos com bastante energia e canta todas as músicas, sem deixar o sorriso sair do rosto. Dá gosto de vê-lo tocar. Além dos agradecimentos do vocalista à produção do Brasília Sessions, os músicos não interagiram muito com a plateia e deixaram o palco sem se despedir.

A Cachimbó ficou responsável pelo segundo pocket show da noite. Sem dúvidas, o eletropop de Laianna Victória (voz), João Pedro de Oliveira (teclado, sintetizador e percussão) e Paulo Batista (guitarra) merecia o palco principal. As batidas criadas por João Pedro embalam as dancinhas esquisitas da vocalista, que esbanja carisma e faz com que você queira se juntar a ela na coreografia à la Ian Curtis. Fica a vontade de que, em um futuro próximo, a banda volte com um número mais longo.

Cachimbó @2017

Para encerrar mais uma bem-sucedida edição do Brasília Sessions, Phill Veras entrou pulando no palco, após alguns minutos de atraso e de vários gritos do público, que clamava pelo músico. O maranhense, acompanhado do exímio guitarrista André Araújo, passeou por músicas de todos os seus três álbuns. Os fãs do cantor lotaram a FUNARTE e cantaram alto as canções de Veras, que foi bem recebido em sua estreia na Capital.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como sempre, a noite foi mais do que agradável. Pequenos detalhes, como banheiros inclusivos, mostram o cuidado e dedicação da produção, que respeita muito o trabalho dos artistas convidados e seu público. A produtora Marcella Imparato nos contou que o objetivo é crescer, mas sempre valorizando a cena autoral e local, além de fazer esse intercâmbio cultural com artistas de outros estados. Fica aqui a nossa torcida para que o Brasília Sessions cresça mais a cada edição.

Você pode acompanhar as novidades do Brasília Sessions clicando aqui. 

O pioneirismo do The Maine no marketing de relacionamento

Por Tayane Sampaio

Perto de lançar o próximo álbum de inéditas, “Lovely Little Lonely”, o famoso grupo do Arizona, The Maine, mostra, mais uma vez, entender muito bem de relacionamento com o público. A banda, que tem um histórico de ótimas estratégias para fidelização dos fãs, ainda consegue se reinventar e arrumar novas formas de envolver seus admiradores na trajetória da banda.

Em uma geração que tem tantas informações à disposição e tantas formas de acessá-las, o gosto musical muitas vezes traz a sensação de identificação e pertencimento a um grupo. Mas, como fazer esse sentimento durar se também vivemos na era do desinteresse e das relações líquidas? O quinteto parece ter encontrado a resposta para essa complicada equação.

São dez anos de banda, cinco álbuns de estúdio e nove EPs. Com certeza, toda a experiência na estrada e lançamentos ajudaram o grupo a aprimorar a forma de se comunicar com os fãs. Mas, desde o começo, a banda soube como fazer esse vínculo entre fã e artista ser um de seus maiores trunfos. A base de fãs do The Maine, espalhada ao redor do mundo, parece ser uma das mais fiéis e os jovens músicos sabem como retribuir o carinho que recebem.

Presença online

O rol de ações de marketing de relacionamento deles é admirável para uma banda tão nova. Eles estão em todos os cantos da Internet: Facebook, Instagram, Twitter, Youtube, Snapchat e Tumblr. Além do perfil da banda, todos os integrantes estão presentes nas redes sociais, desde o vocalista John O’Callaghan, que gosta de usar o Twitter de forma mais poética, ao baterista Pat Kirch, que usa muito bem os 140 caracteres do microblog, com bastante frequência, para interagir com os fãs e atualizá-los sobre a banda.

No Instagram, você pode acompanhar banalidades do dia a dia dos músicos, fotos de apresentações, informações sobre a agenda de shows e até registros dos bastidores. O fotógrafo Guadalupe Bustos, que acompanha o grupo em várias ocasiões, faz lindos registros de vários momentos do quinteto.

O Youtube é outra ferramenta que a banda utiliza com maestria. A conta, criada há 5 anos, tem 441 vídeos, até o momento. Desde a criação da página, o espaço é usado para a comunicação com o público e consegue aumentar a sensação de proximidade entre ídolo e fã. Lá você encontra de tudo: videoclipes, os músicos explicando suas composições, anuncio de shows, os bastidores da tour, vídeos respondendo as perguntas dos fãs, registro de shows, documentários sobre a passagem da banda em outros países e a lista continua. No final do ano passado, eles lançaram uma série de vídeos, chamada “Miserable Youth”, com os bastidores da gravação do novo álbum.

Vantagens para os fãs

Mesmo com a forte presença online, a banda não se limita à rede de computadores para estreitar os laços de amizade com os fãs. Quem curte a banda pode facilmente conhecê-los, pois o Meet & Greet já virou uma tradição. Enquanto várias bandas cobram uma taxa extra pelo encontro com os fãs, antes ou depois do show, os estadunidenses fazem isso gratuitamente. Nos shows que acontecerão no Brasil, em julho, os primeiros 400 ingressos vendidos também dão direito ao encontro com Kennedy Brock, Garrett Nickelsen, Jared Monaco, Pat e John.

Em 2015, o grupo anunciou a tour “Free For All”, com treze shows gratuitos, passando por nove estados norte-americanos. No site oficial, a banda disse que a tour era uma forma de agradecer aos fãs que foram a inúmeros shows, assim como aos que nunca conseguiram ir a um show por falta de dinheiro.

Este ano, alguns fãs que compraram o “LLL” na pré-venda foram surpreendidos pelo Pat, que ligou para agradecer pela compra e apoio. O baterista prometeu, pelo seu Twitter, que continuará a contatar os fãs até a estreia do álbum, em abril. Outra ação promocional do álbum, mais especificamente da música de trabalho “Bad Behavior”, deixou os fãs alvoroçados: a banda fez uma aparição surpresa na casa de uma fã e tocou o single para ela, no fundo de um caminhão.

O grupo, que começou independente, foi pra gravadora e agora está independente de novo, criou o coletivo “8123” e chamou alguns artistas amigos para se juntarem a eles. O coletivo tem como objetivo desenvolver a carreira dos artistas envolvidos no projeto, trabalhando tanto o lado comercial quanto a conexão com os fãs, reconhecendo que estes são uma força motriz da indústria. Aliás, a banda deixa bem claro o seu “pé no underground” quando o assunto é entrevista. Mesmo com todo o reconhecimento da mídia, eles não deixam de conceder entrevistas para veículos pequenos. Você encontra entrevista do grupo no podcast da Alternative Press, no site da Billboard, assim como em blogs independentes e sem tanto alcance de público.

Sucesso absoluto no Brasil desde sua primeira visita, em 2011, os meninos também criaram uma loja só para os fãs da América do Sul, que vende produtos de merchandising da/para a “8123 Family”. Lá você encontra CDs, camisetas, bonés, etc, com preços bem próximos dos produtos de bandas brasileiras e com frete nacional.

Uma nova forma de promoção

E quando parecia que o grupo tinha usado todas as cartas da manga, o The Maine surpreendeu, novamente. Ontem (28), a banda anunciou a campanha de divulgação do “Lovely Little Lonely”. Afirmando que não tem interesse em fazer parte da indústria musical tradicional, o grupo deixou na mão dos fãs a promoção do novo álbum e da tour, dizendo que “vocês são a nossa gravadora”.

Chamada “#WEARE8123”, a campanha também funciona como uma espécie de competição, em que os fãs têm recompensas. A banda oferece várias alternativas para os fãs ajudarem a espalhar o som do novo álbum: vendendo o álbum por meio de um link personalizado, vendendo uma edição limitada em lojas físicas, promovendo a tour, o álbum ou pedindo a música de trabalho nas rádios locais.

Foram disponibilizados no site oficial flyers do álbum e tour, que podem ser baixados e impressos; assim como artes para divulgação nas redes sociais, como a capa do álbum, foto promocional, capa para canal no YouTube, link dos eventos, entre outros.

No caso do representante de vendas, a cada álbum vendido pelo link personalizado, 5% do valor vai para o fã. Esse valor será revertido em um cartão-presente da loja oficial da banda. Além disso, os líderes de venda semanais terão acesso a um grupo que terá um chat com a banda toda segunda-feira, até o lançamento do álbum. Toda venda conta pontos e os dez melhores vendedores terão prêmios exclusivos, como ingressos vitalícios para os shows da banda, uma música acústica escrita para você, um show acústico privado, vídeo chamada com os integrantes, cartões-presente e muito mais.

Sem dúvidas, a banda conseguiu criar uma boa relação com seu público e aprendeu a impulsionar o amor dos fãs para criar algo muito maior do que uma mera troca comercial. O grupo tem fãs que os acompanham desde o começo, que cresceram junto com a banda e que se sentem parte da história do The Maine.

Você pode saber mais sobre o concurso #WEARE8123 aqui.

The Maine anuncia novo álbum e shows no Brasil

Por Thaís Huguenin

A noite de quinta feira, 19, foi especial para os fãs de The Maine. Depois de uma série de vídeos misteriosos, a banda americana não só anunciou o novo álbum, como também lançou um single e divulgou datas da turnê.

O sexto trabalho de estúdio do grupo formado por John O’Callaghan, Garrett Nickelsen, Pat Kirch, Kennedy Brock e Jared Monaco  foi batizado de “Lovely Little Lonely” e vai ser lançado no dia 7 de Abril.

Para aumentar ainda mais a curiosidade, eles liberaram a música Bad Behavior. Confira:

A banda, como sempre, não desapontou os fãs brasileiros e para fechar a noite com chave de ouro eles anunciaram sete shows por aqui! Anote as datas:

poster2

Infelizmente, ainda não foi disponibilizado o preço dos ingressos da turnê brasileira e se haverá Meet & Greet como nos shows passados. Enquanto isso, que tal curtir as músicas do último álbum e já entrar no clima?