Arquivo da tag: Jonathan Tadeu

Jonathan Tadeu, João Carvalho e Fernando Motta – Colgate (Lupe de Lupe)

Anúncios

Lançamento: O ‘Filho do Meio’ de Jonathan Tadeu

Por Guilherme Schneider | @Jedyte

Para alegria de seus fãs, Jonathan Tadeu não parecer descansar tanto. O cantor e compositor mineiro lançou neste terça-feira (4/4) o seu mais novo álbum, ‘Filho do Meio‘. Com apenas dois anos de carreira solo, Jonathan já soma três álbuns lançados – os anteriores foram ‘Casa Vazia’ (2015) e ‘Queda Livre’ (2016). Cada um com uma dose de melancolia diferente.

Antes de continuar a ler esse post, sugiro que dê o play no Bandcamp (ou no YouTube abaixo). A música de Jonathan se explica melhor do que qualquer resenha que venha a surgir nessa semana.

Dê cara se nota uma mudança substancial na sonoridade de Jonathan. Tá diferente sim. Tenho para mim o ‘Queda Livre’ como um dos melhores álbuns de 2016, o que de cara se põe um desafio para o ‘Filho do Meio’. Entre seguir a mesma linha dos álbuns anteriores, um tanto similares, Jonathan arriscou em assumir o flerte com o eletrônico mais minimalista.  Mais suave, mais etéreo, mais confiante e mais cheio de amor para dar.

Como? As mensagens refletem uma fase bonita na vida pessoal de Jonathan, filho único, que decidiu se casar bem na época da gravação – entre o natal e réveillon de 2016. Uma semana produtiva, cheia de esperanças no futuro matrimônio (só prestar atenção na letra de ‘Araxá 500‘), e que transparecem também ao longo das oito faixas do disco.

Os flertes minimalistas já haviam sido anunciados nos singles ‘Fantasmas‘ e ‘Sorriso Amarelo (talvez a de mensagem mais forte do álbum),  que tiveram os clipes divulgados no mês passado. As bases eletrônicas, harmonizadas com sintetizadores deram a pitada de Synthpop/Electropop – fruto do gosto por bandas como Notwist e Lali Puna (vide a entrevista abaixo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ah, e aquela velha sinceridade nas letras é sentida novamente. E como isso pesa a favor. Por exemplo esdrúxulo, sempre me incomodou muito ouvir crianças no The Voice Kids cantando sobre ilusões e desilusões amorosas. Isso não acontece no ‘Filho do Meio’.

Dá pra sentir a verdade em “O que importa é o que te faz bem”, como aconselha em ‘Alicerce‘, faixa que encerra o álbum. Ou que tal a confissão de “Eu amo demais”,  de ‘Festa de Despedida’, que pode ecoar por horas em seus ouvidos? Fico ainda com a profundidade de “Eu sou um amador em tudo o que faço”, de ‘Deus Sempre Mata Os Saudosistas Primeiro‘. Pra pensar.

Não tenho a menor dúvida que Jonathan Tadeu é um dos nomes mais relevantes da atual geração da música brasileira. Uma geração que merece ser achada o quanto antes. Não conhece? Hora perfeita para dar uma chance para quem se reinventa sem perder a essência.

Jonathan segue na estrada com a turnê “Sem Sair na Rolling Stone” (abre o olho, Rolling Stone!) com dezenas de shows marcados – ainda na turnê ao lado de Vitor Brauer, ex-companheiro de Lupe de Lupe (aliás, a relação com a banda é narrada na imperdível faixa ‘Lupe de Lupe‘). No final do mês eu ajudo a engrossar o coro de “Pelo amor de Deus, Jonathan Tadeu” aqui no Rio de Janeiro.


Conheça mais sobre Jonathan Tadeu no RIFF Spotlight:

A febre de acelerar músicas no YouTube fez mais uma vítima

Por Guilherme Schneider | @Jedyte 

Desde pequeno sempre gostei de jogar videogame. Na década de 90, além do vício de jogar, também colecionava revistas de games – aquelas com toneladas de dicas. Achava fantástico que os jogos tivessem tantos segredos escondidos por trás de uma combinação de botões.

Uma única vez descobri sozinho um macete, e, por isso, me senti um gênio. Era uma combinação do encaixe de qualquer cartucho de Mega Drive sobre o cartucho de Sonic  & Knuckles (que permitia encaixes). Depois disso bastava apertar A + B + C ao mesmo tempo e voilà: fases de bônus infinitas.

Foi mais ou menos assim que me senti hoje ouvindo algumas músicas nacionais em versões naturalmente aceleradas pelo YouTube.

Para quem não sabe, qualquer vídeo do YouTube pode ter sua velocidade alterada pelo usuário. Basta clicar no ícone da engrenagem no canto inferior direito e selecionar “detalhes” (a velocidade varia de 0.25 – ultra lento – até o frenético 2, que eu sugiro para os vídeos abaixo).

Não, não dá “certo” com qualquer combinação. Mas, às vezes, vale arriscar o remix instantâneo – que espero que não soe como uma heresia para as bandas. Definitivamente rolou uma pegada que lembra aquela primeira onda de indie rock – cheio de guitarradas velozes.

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fdiegosoares.arcanjo%2Fposts%2F1298497486895456&width=500

A sugestão veio na verdade de um post do Diego da El Toro Fuerte, que recomendou a bela ‘Se a gente tivesse se conhecido’. Até agora não parei de acelerar… Amei as versões rápidas de ‘você não sabe quantas horas eu passei olhando pra você‘ do gorduratrans; ‘Doce’ do Boogarins, ‘Solidão’ da Sara Não Tem Nome; e até a recém-lançada ‘Fantasmas’ do Jonathan Tadeu.

Experimente por sua conta e risco essa correria frenética com o cardápio abaixo (e diga nos comentários o que achou). Ah, e se curtiu a vibe Sonic, sugira também alguma outra música brazuca que se encaixa bem assim.



Ah, em tempo: o tal macete do Sonic (que me fez sentir um gênio aos 12 anos) servia para pouca coisa. Mas era o suficiente pra me divertir por algumas horas.

A VERSÃO 3.0 DE JONATHAN TADEU: “FANTASMAS”, O PRIMEIRO SINGLE DO NOVO ÁLBUM

Por Tayane Sampaio

Desde a sua estreia como artista solo, Jonathan Tadeu, que também é fotógrafo, videomaker e cofundador do coletivo Geração Perdida de Minas Gerais, transforma situações e inquietudes do cotidiano em canções. A honestidade parece ser uma das causas da admirável produtividade de Jonathan, que lançou o primeiro álbum, “Casa Vazia”, em 2015, e apenas um ano depois nos presentou com o comovente e bonito “Queda Livre”.

Jonathan é um artista em constante evolução. Apesar do pouco espaço de tempo entre um CD e outro, o músico mostrou, em seu segundo disco, que já estava em uma versão melhorada de si mesmo. Sem perder a identidade ou a sinceridade cortante presente em trabalho de estreia, o mineiro encontrou uma forma mais ensolarada de lutar contra os demônios do passado. Entre guitarras dedilhadas e letras martirizantes, Jonathan também dá espaço para um otimismo reconfortante nas músicas do “Queda Livre”.

Para o terceiro álbum, “Filho do Meio”, que virá ao mundo no dia 04 de abril, o músico promete mudanças. São muitas as novidades para o próximo lançamento, o que só confirma o desprendimento do compositor para seguir padrões ou tentar se encaixar em rótulos. Começando pela capa do álbum, que você vê abaixo. Pela primeira vez, o cantor aparece na capa do próprio disco. Jonathan se apresenta, aos ouvintes desavisados, pelas lentes do fotógrafo e videomaker Flávio Charchar. A palavra final, em relação à escolha da foto pra capa, ficou por conta dos fãs que contribuem financeiramente com o trabalho do artista, por meio da plataforma APOIA.se.

capa.JPG
Jonathan Tadeu © Flávio Charchar

A sonoridade da obra de Jonathan também está em processo de transformação. O indie e sadcore, presentes no tão polêmico “rock triste”, darão lugar à uma atmosfera mais R&B. A guitarra, sua fiel companheira, dará espaço aos sintetizadores. Os temas das canções também tendem a mudar, pois, agora o músico narra acontecimento mais recentes, como estar em turnê com os amigos, laços de amizade perdidos, o casamento recente e sua relação com Belo Horizonte. João Carvalho (El Toro Fuerte, Rio Sem Nome, Sentidor), produtor do álbum, afirma que o disco será mais “dedo na ferida”.

O primeiro single dessa nova fase, “Fantasmas”, é uma animadora prévia do que está por vir. Com uma introdução melancólica, seguida de uma bela performance vocal do músico, a canção cresce e explode com as batidas que também iniciam o declínio da faixa, que termina com um quê de canção de ninar. Abaixo, você confere o clipe da música.

O vídeo, simples e extremamente bonito, conversa com os outros trabalhos audiovisuais do cantor, que quase sempre retratam momentos cotidianos, que tratamos como irrelevantes na correria do dia a dia, mas que, no fundo, estão carregados de significados. Dirigido por Charchar, o clipe é o primeiro da carreira de Jonathan que não foi autodirigido.

Misterioso, o vídeo nos deixa cheios de questionamentos quanto ao seu significado. A letra, muita curta, também deixa um espaço vazio para livre interpretação. Mas, no final das contas, dá pra encarar o ato corriqueiro de fazer a barba como uma espécie de culto de renovação.  Talvez o vídeo seja uma metáfora para essa onda de mudanças na vida de Jonathan, a total entrega ao processo de composição de um álbum, a confiança em deixar outras pessoas intervirem em sua obra, e, por fim, o resultado: a mesma pessoa, mas com uma cara nova e pronta para “começar tudo de novo”.

No final das contas, fica um sentimento bom ao ver que Jonathan não se entregou à passividade, ao status quo de destaque na cena independente brasileira, e ainda procura se reinventar, sair da sua zona de conforto, mas sem deixar sua essência de lado. Ainda falta um pouco para podermos conferir o resultado completo dessa nova fase, mas, pelo que pudemos ver e ouvir até agora, vem coisa muito boa por aí!

Confira o tracklist de “Filho do Meio”:

1. Fantasmas
2. Sorriso Amarelo
3. Deus Sempre Mata Os Saudosistas Primeiro
4. Lupe de Lupe
5. Questão de Classe
6. Festa de Despedida
7. Araxá 500
8. Alicerce

Resenha: Jonathan Tadeu e Fernando Motta @Swing Cobra

Por Alan Bonner | @Bonnerzin

O último fim de semana de agosto foi de invasão mineira no Rio de Janeiro! Rolou no Swing Cobra (Vila Isabel, Zona Norte do Rio) a primeira edição do 040 Fest, que trouxe bandas e artistas independentes de destaque em Minas Gerais para as terras cariocas. Na primeira noite, o som ficou por conta de Fernando Motta e Jonathan Tadeu, artistas do coletivo Geração Perdida.

Quem abriu os trabalhos foi Fernando Motta. Contando com uma banda de apoio de respeito, formada por Jonathan Tadeu (Quase Coadjuvante, Lupe de Lupe), João Carvalho (Sentidor, El Toro Fuerte) e Cícero Nogueira (Lupe de Lupe), o mineiro desfilou as canções de seu álbum “Andando sem olhar pra frente”. E o mais interessante foi como o show fez todas as sensações da primeira audição do álbum voltassem à cabeça. Fernando e sua banda trazem uma carga bastante particular à apresentação ao vivo das canções, dando uma melancolia que soa triste, mas não deixa quem ouve triste. Muito pelo contrário. A sensação é ótima de estar vendo alguém tão jovem fazendo um som de tanta qualidade.

Após uma pausa e a troca de instrumentos, a mesma banda deu início ao show de Jonathan Tadeu. E numa atmosfera mais intimista impossível: luzes apagadas e um pisca-pisca vermelho (ao melhor estilo Stranger Things) ajudaram a ambientar perfeitamente o show, que contou com canções de seus dois álbuns e um cover de Elliott Smith. O destaque do show foi a parte final, onde Jonathan tocou algumas das músicas apenas na voz e na guitarra, dando uma carga emocional ainda maior às suas já emotivas canções. Isso tudo junto de suas falas sobre o quanto é bom sair de longe e ver um público fiel ao trabalho do artista e de quanto ele estava feliz em estar no Rio de Janeiro, o que deu um clima ainda mais bonito ao final da apresentação. Coisas que só a música, principalmente a de artistas independentes, proporciona para quem faz e para quem ouve.