Lançamento: O ‘Filho do Meio’ de Jonathan Tadeu

Por Guilherme Schneider | @Jedyte

Para alegria de seus fãs, Jonathan Tadeu não parecer descansar tanto. O cantor e compositor mineiro lançou neste terça-feira (4/4) o seu mais novo álbum, ‘Filho do Meio‘. Com apenas dois anos de carreira solo, Jonathan já soma três álbuns lançados – os anteriores foram ‘Casa Vazia’ (2015) e ‘Queda Livre’ (2016). Cada um com uma dose de melancolia diferente.

Antes de continuar a ler esse post, sugiro que dê o play no Bandcamp (ou no YouTube abaixo). A música de Jonathan se explica melhor do que qualquer resenha que venha a surgir nessa semana.

Dê cara se nota uma mudança substancial na sonoridade de Jonathan. Tá diferente sim. Tenho para mim o ‘Queda Livre’ como um dos melhores álbuns de 2016, o que de cara se põe um desafio para o ‘Filho do Meio’. Entre seguir a mesma linha dos álbuns anteriores, um tanto similares, Jonathan arriscou em assumir o flerte com o eletrônico mais minimalista.  Mais suave, mais etéreo, mais confiante e mais cheio de amor para dar.

Como? As mensagens refletem uma fase bonita na vida pessoal de Jonathan, filho único, que decidiu se casar bem na época da gravação – entre o natal e réveillon de 2016. Uma semana produtiva, cheia de esperanças no futuro matrimônio (só prestar atenção na letra de ‘Araxá 500‘), e que transparecem também ao longo das oito faixas do disco.

Os flertes minimalistas já haviam sido anunciados nos singles ‘Fantasmas‘ e ‘Sorriso Amarelo (talvez a de mensagem mais forte do álbum),  que tiveram os clipes divulgados no mês passado. As bases eletrônicas, harmonizadas com sintetizadores deram a pitada de Synthpop/Electropop – fruto do gosto por bandas como Notwist e Lali Puna (vide a entrevista abaixo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ah, e aquela velha sinceridade nas letras é sentida novamente. E como isso pesa a favor. Por exemplo esdrúxulo, sempre me incomodou muito ouvir crianças no The Voice Kids cantando sobre ilusões e desilusões amorosas. Isso não acontece no ‘Filho do Meio’.

Dá pra sentir a verdade em “O que importa é o que te faz bem”, como aconselha em ‘Alicerce‘, faixa que encerra o álbum. Ou que tal a confissão de “Eu amo demais”,  de ‘Festa de Despedida’, que pode ecoar por horas em seus ouvidos? Fico ainda com a profundidade de “Eu sou um amador em tudo o que faço”, de ‘Deus Sempre Mata Os Saudosistas Primeiro‘. Pra pensar.

Não tenho a menor dúvida que Jonathan Tadeu é um dos nomes mais relevantes da atual geração da música brasileira. Uma geração que merece ser achada o quanto antes. Não conhece? Hora perfeita para dar uma chance para quem se reinventa sem perder a essência.

Jonathan segue na estrada com a turnê “Sem Sair na Rolling Stone” (abre o olho, Rolling Stone!) com dezenas de shows marcados – ainda na turnê ao lado de Vitor Brauer, ex-companheiro de Lupe de Lupe (aliás, a relação com a banda é narrada na imperdível faixa ‘Lupe de Lupe‘). No final do mês eu ajudo a engrossar o coro de “Pelo amor de Deus, Jonathan Tadeu” aqui no Rio de Janeiro.


Conheça mais sobre Jonathan Tadeu no RIFF Spotlight:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s