RESENHA: Stereophant + Hover + Montablan @ Estúdio Aldeia

Por Natalia Salvador

Toda vez que eu volto para casa depois de um belo show (e são muitos), eu fico pensando o por que alguma grande quantidade de brasileiros ainda insistem que não há boa música sendo feita no país hoje em dia. Saindo dos rótulos e julgamentos de que ‘funk não presta’, ‘o rock morreu’, ‘essa letra não diz nada’ ou qualquer outra expressão que todos já estamos cansados de ouvir, eu só posso concretizar que o que sobra nas pessoas é pura preguiça de buscar pelo conteúdo que lhes agrada. No último sábado, 29 de julho, foi o primeiro show após o lançamento do novo da Stereophant – Mar de Espelhos – e foi exatamente assim que eu me senti no dia seguinte.

A  noite fria parecia espantar o público do Estúdio Aldeia, espaço que já é um velho conhecido das bandas independentes do Rio de Janeiro, e o primeiro show não teve grande adesão de público. Os petropolitanos da Montablan fizeram um show curto, mas redondinho e de muita qualidade.

IMG_3551Montablan @2017

Na sequência e já com um pouco mais de público, os também petropolitanos da Hover fizeram mais um belíssimo show. O quinteto – velho conhecido do RIFF – , que agora conta com o apoio de Leonardo Bronze no baixo, se sente em casa no palco do Aldeia e deixa isso bem claro para a plateia. Trabalhando o disco Never Trust The Weather, que será apresentado no Estúdio Showlivre no próximo dia 11 de agosto, I’m Homesick, Teeth, My Name Is Alaska e There’s No Vampire In Antarctica, At Least For Six Months não ficaram de fora de setlist.

IMG_3650Hover @ 2017

Todos estavam ansiosos pelo primeiro show da Stereophant logo após o lançamento do CD Mar de Espelhos. O disco foi liberado nas plataformas digitais um dia antes do encontro e já conta com um clipe – e que clipe! Apesar de afirmarem que ainda estão aprendendo a tocar as músicas novas, o show foi bastante linear e trouxe as faixas de maior destaque para o setlist. Tem algo estranho no ar, Homem ao mar, A Cidade, Mar de Espelhos, Fora de Rota, entre outras das 15 faixas, provaram a força do novo trabalho.

Claro que Vermelha e O Tempo não podiam ficar de fora e ganharam o apoio das vozes presentes. Mas se engana que achou que as músicas novas já não estavam ensaiadas. Essa Música é a Cura ganhou coro e pegou os músicos de surpresa. Outro ponto que chama atenção nos palcos é a performance de Fabrício Abramov, baixista.

IMG_3752Stereophant @ 2017

Mar de espelhos tem produção de Felipe Rodarte, da banda The Baggios, e diversas  participações especiais como Felipe Pacheco (Baleia), Gabriel Ventura (Ventre), Jan Santoro (Facção Caipira), Walber Assis (Verbara), entre outros. O álbum explora novas sonoridades e traz letras baseadas na relação do homem com o mar. Confira o novo trabalho da Stereophant e fique de olho nas próximas datas para não perder esse show!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

Anúncios

Lista: 22 Álbuns de julho pra você ouvir agora

or Felipe Sousa | Felipdsousa

 

Riffeiros, voltamos com nossa lista mensal de lançamentos. Preparem-se, pois temos excelentes discos separados pra você incrementar sua playlist. Mais uma vez esse resumo conta com belos trabalhos nacionais, e também álbuns bastante promissores no mundo todo. Confiram abaixo.

E ah, também temos nossas próprias playlists lá no Spotify. Segue a gente porque sempre tem novidade. Outra excelente opção pra acompanhar o RIFF é o nosso podcast. 

 

Something To Tell You – HAIM

Segundo álbum de estúdio do grupo formado pelas irmãs Este, Danielle e Alana Haim, “Something To Tell You”, é o sucessor de “Days Are Gpne” (2013). O novo registro conta com onze faixas muito bem trabalhadas e um mix de melancolia e melodias dançantes. Ouça abaixo:

 

 

 

Issa Album – 21 Savage

Embora não tenha grandes diferenciais em relação ao que já tem sido feito no hip-hop, “Issa Album”, disco de estreia de 21 Savage, agradará aos fãs menos preocupados com letras profundas ou instrumentais com grande criatividade. Com 14 faixas, o registro segue a mesma linha rítmica, inspiradas, ao que parece, em músicos como Future e Migos. Ouça e nos diga o que achou.

 

 

 

A Sala – Sons de Saturno

Os paulistas da Sons de Saturno estão na estrada há cinco anos e lançaram este mês, seu segundo trabalho. “A Sala” traz 14 faixas que propõem climas variados . Boa escolha pra quem curte indie brazuca. Ouça e compartilhe.

 

 

 

Bem Vindos a La Raza – La Raza

No último dia 13, Dia Mundial do Rock, a La Raza liberou em todas as plataformas digitais seu mais novo disco, intitulado “Bem Vindos a La Raza”, que foi gravado no Family Mob (SP), QG Hoffman (SP) e Wah Wah Studios (SP), e mixado e masterizado no NRG Recording Studios em Los Angeles, Estados Unidos. O álbum ainda conta com participações de Baduí (CPM22) e Caio Macbeserra (Project 46).

 

 

 

Kaleidoscope EP – Coldplay

Chris Martin vem ao Brasil em novembro liderando o Coldplay na Head Full Of Dreams Tour, e antes disso, para animar ainda mais os fãs, os britânicos liberaram o EP Kaleidoscope em todas as plataformas digitais. O Registro conta com cinco excelentes canções. Ouça:

 

 

Jungle Rules – French Montana

“Jungle Rules” não é inovador, mas se mostra muito coeso. O disco contém 18 faixas e conta com parcerias de peso como The Weeknd, Travis Scott, Pharrell, Future, Young Thug e mais. Confira abaixo:

 

 

 

Dead Reflection – Silverstein

Muito antes do lançamento oficial do álbum, a banda já havia entregue aos fãs alguns sons do novo trabalho. “Retrograde”, e “Lost Positives”, por exemplo, já antecipavam a vibe mais sensível e melódica do disco. “Dead Reflection” é o nono álbum da banda.

 

 

 

Night & Day – The Vamps

“Night & Day” é o quarto álbum dos britânicos The Vamps. Com 10 faixas, o disco foi lançado em quatro versões, e você pode adquirir a versão física no site da banda.

No dia 17 de setembro o grupo vem ao Brasil em turnê promovendo o disco. Ouça abaixo a versão oficial:

 

 

Ultralife – Oh Wonder

Josephine Vander Gucht e Anthony West formaram em Londres o duo pop Oh Wonder.  E neste mês liberaram “Ultralife”, segundo disco da dupla, que foi gravado na própria casa dos caras. Confira abaixo:

 

 

Flower Boy – Tyler, The Creator

Quarto álbum do californiano Tyler, The Creator, “Flower Boy” se mostra incrivelmente plural e criativo. Nas composições, que mostram em boa parte o cotidiano do rapper, Tyler se afirma com maturidade em seu melhor álbum até aqui.

 

 

Lust for Life – Lana Del Rey

No que diz respeito às melodias e arranjos, Lana não ousa muito, e mantém sua marca melancólica dos discos anteriores. O que difere esse álbum dos demais – ainda que o assunto relacionamento continue muito presente – é a forma como a cantora aborda os temas; dessa vez com mais calmaria. Ouça e nos conte o que achou.

 

 

Sacred Hearts Club – Foster the People

Na busca por se reinventar, a banda americana Foster The People traz “Sacred Hearts Club”, terceiro álbum de estúdio. Mais pop, dançante, e eletrônico, o registro passa longe de ser espetacular – se por acaso fosse esse o objetivo -, ficando bem atrás dos discos anteriormente lançados pelo grupo.

 

 

Add Violence [EP] – Nine Inch Nails

“Add Vioolence”  é o segundo registro de uma série de três lançamentos, que se iniciou em 2016 com “Not the Actual Events” e o terceiro é esperado ainda pra 2017. Ouça abaixo o EP:

 

 

Stony Hill – Damian Marley

Depois de longos 12 anos desde seu último álbum, Damian volta com “Stone Hill” falando de maconha medicinal, poder do amor e das pessoas, e mais em um disco com 18 faixas.

 

 

Balanga Raba EP – Rico Dalasam

Pautado na luta pelas minorias e com composições fortes, “Balanga Raba” conta com quatro faixas de uma experimentação entre pop e hip-hop. Ouça o EP, que ainda conta com participação de Mahal Pita do BaianaSystem.

 

 

Racing Time – DWNTWN

Formada em 2010 na Califórnia, a banda de indie rock/pop, DWNTWN seu primeiro disco, intitulado “Racing Time”. Antes, o grupo já havia lançado três Ep’s.  Com insinuações oitentistas, Racing Time  traz uma sensibilidade pop bem interessante. Ouça:

 

 

A Black Mile to the Surface – Manchester Orchestra

No dia ultimo dia 28, Machester Orchestra liberou seu mais novo álbum, “A Blak Mile to the Surface”, que tem produção de Catherine Marks (que já trabalhou com nomes como The Killers). Desde sua capa belíssima e enigmática até suas letras texturizadas, o novo disco se mostra um projeto bem interessante do grupo. Ouça:

 

 

 

Paranormal – Alice Cooper

Um hard-rock cheio de classe. Esse é o “Paranormal”, novo disco de Alice Cooper. Nele, o músico nos faz viajar de volta aos anos 70, relembrando um pouco da sua sonoridade original e deixando de lado a modernidade dos seus últimos lançamentos.

 

 

 

Everything Now – Arcade Fire

Há quem goste, há quem conteste o novo disco do Arcade Fire. O fato, é que “Everything Now” não passa nem perto de ser bom como são Funeral (2004) e Reflektor (2013). No novo disco, a banda parece não encontrar equilíbrio entre as variações de ritmos e a tentativa de se reinventar. O registro mostra-se um pouco chato e perdido no objetivo de ser alguma coisa.

 

 

Ottomatopeia – Otto 28

Mais uma novidade nacional.

Com participação de Céu – entre outros – e produção de Pupillo (Nação Zumbi), “Ottomatopeia” chega cinco anos após o último lançamento do Otto. Esse é mais um belo trabalho do talentoso músico pernambucano. Prestigie.

 

 

Dois Reis – Dois Reis

Formada por Theodoro e Sebastião Reis, filhos do cantor Nando Reis, a banda está na estrada há três anos e já participou do programa Superstar, da Rede Globo. No último dia 28, eles divulgaram seu primeiro disco, homônimo, que conta com oito faixas. Ouça:

 

 

Mar de Espelhos – Stereophant

Pra finalizarmos nossa lista, nada melhor do que lançamento nacional. E pra isso, falamos da “porrada” que é o segundo disco da Stereophant.

“Mar de Espelhos” evidencia o amadurecimento do grupo, e ao ouvir esse som nas plataformas digitais, é fácil perceber que o novo álbum continua com a energia contagiante e marcante dos caras.

No dia 29/07 os caras estiveram no Estúdio Aldeia, em Petrópolis lançando o álbum. Estivemos lá e você pode conferir na nossa resenha  tudo o que rolou por lá.

 

Vale o play! Vale o show. Ouça e compartilhe.