Arquivo da categoria: Playlist

Playlist: Enxurrada de setlists do Lolla 2017 no Spotify do RIFF

Por Guilherme Schneider | @Jedyte 

Mantendo a tradição de “campeão dos setlists no Spotify” (culpem os seguidores do Twitter do RIFF pelo título) preparamos uma surpresa especial para quem planeja ir ao Lollapalooza 2017 – ou seus sides shows em São Paulo, Rio de Janeiro ou Belo Horizonte. Montamos os prováveis setlists das maiores atrações do mega festival.

Quer fazer bonito e cantar em todos os shows? Quer chegar ao festival sabendo desses “spoilers”… então siga o perfil do RIFF no Spotify e acompanhe as playlists.  Tem Metallica, The Strokes, Two Door Cinema, Duran Duran, The xx, Criolo, Jimmy Eat World, Glass Animals (foto) e muito mais!

O Lolla 2017 acontece nos dias 25 e 26 de março no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, e, nós do RIFF, já vivemos a contagem regressiva para uma cobertura especial.

Seguem alguns exemplos abaixo pra você já entrar no clima do Lollapalooza:

Anúncios

Hover, Versalle, El Toro Fuerte e Def: Conheça as bandas que estarão no Prêmio RIFF

A cerimônia de entrega do 2º Prêmio RIFF de Música será na próxima quinta-feira, dia 1º de dezembro, no Teatro Odisseia (RJ). Além de anunciar os vencedores das 13 categorias indicadas (vote neste link: http://bit.ly/PremioRIFF2016), o evento terá também shows com quatro bandas de destaque na cena atual: Hover (RJ), Versalle (RO), El Toro Fuerte (MG) e Def (RJ).

Identidades diferentes, porém todas bandas mais do que promissoras de rock. Fizemos uma playlist com algumas músicas de cada um das bandas.

Também separamos alguns clipes das bandas:

Confirme presença no evento do Facebook e chame os amigos!

Playlist: O lado mais ‘light’ de Corey Taylor, do Slipknot e Stone Sour

Um dos vocalistas de rock mais respeitados dos últimos anos é Corey Taylor. Vocalista do Slipknot Stone Sour, Taylor sabe como poucos como dominar um palco – com ou sem máscaras. Mas, ainda é bastante estigmatizado pela postura ‘agressiva’ do Slipknot.

Quem é fã sabe que Taylor vai muito além do Nº 8 (alter ego em sua principal banda). O cantor também é compositor e multi-instrumentista, tocando ao menos cinco intrumentos diferentes. Fora seu lado mais melódico, seja em projetos solos ou em suas duas principais bandas.

O Canal RIFF montou uma playlist no Spotify para destacar justamente as suas músicas com um tom mais ‘light‘. Bom para relaxar, entre uma porradaria e outra, né?

Ouça e inscreva-se na playlist: https://goo.gl/5uMwYU

Siga o RIFF no Spotify para acompanhar outras listas: https://open.spotify.com/user/canalriff

Rock Nacional 2016, a playlist que não para de crescer

Por Guilherme Schneider | @Jedyte

Volta e meia pedem ao RIFF indicações de bandas novas, ou do que anda sendo produzido de bom aqui no Brasil. Como definitivamente não somos nostálgicos, do tipo “bom mesmo era antigamente”, ou “hoje em dia só tem porcaria”, resolvemos montar uma playlist para apresentar músicas nacionais lançadas em 2016.

A playlist leva em conta apenas as músicas que estão no Spotify (já que foi montada por lá). Tem de tudo um pouco dentro do rock. Ponto Nulo no Céu, Valente, Far From Alaska, Hover, Hellbenders, Unnature, Bruno Sutter… bandas com um som bem diferente umas das outras.

Scalene é uma das bandas na playlist

A ideia é atualizar a playlist até 31 de dezembro, adicionando uma música de cada banda. Então recomendamos para que você, assinante do Spotify, siga a playlist e o perfil do RIFF por lá.

Ah, e claro, mande nos comentários sugestões de músicas/bandas para que a gente adicione!

PLAYLIST: Natal do Rock

As músicas de natal podem ser muito mais do que Simone e velhos jingles. O Canal RIFF selecionou algumas músicas relevantes do rock nacional e internacional que falam sobre natal.

Gostando ou não da data vale a pena ouvir com carinho. De Issues a Queen. De Rise Against a Raimundos. De Marli a My Chemical Romance… um feliz natal para todos!

Ps: Dê esse presente de natal e siga a gente lá no Spotify também! ;)

PLAYLIST: RIP Scott Weiland

Notícia ruim para o mundo do rock. O vocalista Scott Weiland foi encontrado morto na noite de quinta-feira (3) nos Estados Unidos.

Weiland, que havia completado 48 anos em outubro, estava no ônibus de turnê de sua banda, “Scott Weiland & The Wildabouts“. O grupo se apresentaria nesta quarta em Minnesota e teria pela frente longa turnê.

A fama internacional de Weiland veio com o Stone Temple Pilots no início dos anos 90, durante o auge do movimento grunge. Além de elogiados álbuns solo, foi também o vocalista dos trabalhos de estúdio do Velvet Revolver.

A causa da morte ainda não foi oficialmente divulgada, mas tudo indica que seja uma consequência de seu histórico abusivo com drogas e álcool.

Canal RIFF preparou uma playlist no Spotify para relembrar um pouco da carreira de Scott Weiland.

PLAYLIST: A faceta mais sombria de Roberto Carlos

O Rei Roberto Carlos sabe como ‘curtir’ uma fossa como ninguém. O apreço por uma boa deprê vem de longa data – com a sua própria carreira. Entre tantas e tantas músicas românticas há sempre uma pérola melancólica para Radiohead nenhum botar defeito.

O Canal RIFF montou uma playlist recheada de temas tristes do Rei, Tem as belas Traumas, O Divã, A Cigana, Lady Laura, A Estação… se não conhece (e quer saborear uns bons momentos de emoção no Spotify) essa é uma ótima oportunidade – juro! E se faltou alguma outra sugira nos comentários.

Robertos Carlos anos 70

Tem preconceito com o som de Roberto Carlos? Hora de conhecer uma parte sombria da carreira dele – e que passa longe dos especiais de fim de ano da televisão.

Ouça e inscreva-se na playlist: https://goo.gl/Y3qnVa

Perfil do RIFF no Spotify com outras listas: https://open.spotify.com/user/canalriff

Site do Roberto Carlos: http://www.robertocarlos.com/

PLAYLIST: Tudo o que você precisa saber para entender os Ramones

Por Thiago Pinheiro I @pinheiro77

O Ramones tem uma carreira extensa. Foram 14 álbuns oficiais em 22 anos de existência e três “ao vivo” que prestam, o resto não passa de caça-níqueis das gravadores, assim como a maioria das coletâneas. A ideia aqui é contar um pouco da história do grupo através das canções, enquanto você dá play na lista do Spotify.

Em alguns momentos, agruparei os álbuns para falar as histórias, já que muitos deles têm datas de lançamentos próximas ou não tiveram mudanças na formação. Boa leitura e audição!

  • The Ramones – 1976
  • Leave Home – 1977
  • Rocket to Russia – 1977

Com 2 anos de muitos shows no currículo, o Ramones acumulou tantas músicas que puderam lançar três álbuns no período de 18 meses! Há uma enorme diferença na qualidade das gravações, com o “Rocket to Russia” já tendo o que podemos considerar como uma boa produção.

Blitzkrieg Bop” – versão do single, não do álbum. As versões são bem parecidas, mas eu sempre achei a guitarra um pouco melhor no single.

Today You Love, Tomorrow the World” – Mesmo com a simplicidade das letras do Ramones, é curioso como, mesmo para época, eles foram ousados em diversos aspectos. Joey, judeu, cantando uma letra sobre o exército nazista, em primeira pessoa, talvez fosse mais apropriado na Inglaterra, onde o uso do nazismo para chocar fosse mais comum. Mesmo que seja difícil precisar sobre o que fala a letra de “Blitzkrieg Bop“, é possível considerar que ela realmente seja a visão de alguém sobre um ataque nazista, contrastando, então, com a letra de “Today Your Love…“.

Pinhead” – Canção clássica com o refrão “Gabba Gabba Hey”, extraído do filme “Freaks” (1932).

What’s Your Game” – Apesar de todo o protesto do guitarrista Johnny, várias canções do grupo falavam sobre drogas. Na New York dos anos 1970, seria difícil mesmo escapar dessa temática. “What’s Your Game” é, também, uma ode à maconha.

Carbona Not Glue” – A canção perdida do grupo, banida da edição de “Leave Home” por causa de um processo da empresa do mesmo nome. A letra fala sobre os garotos cheirarem Carbona e ficarem doidões, o que não era uma associação muito legal para a empresa. A banda voltou a tocar a canção dos anos 90, com “Carbona Not Glue” aparecendo como faixa escondida em “Loco Live”.

Ramones_Rockaway Beach

Rockaway Beach” – A canção que deveria catapultar o Ramones foi um fracasso como single. Entretanto, um dos gênios da gravadora a lançou no inverno, mas, mesmo assim, a música atingiu o número 66 da Billboard, a melhor posição de um single nos EUA em toda a história do grupo.

Teenage Lobotomy” – O Ramones tinha uma paixão por escrever sobre problemas mentais, fruto da mente de Dee Dee, baixista do grupo. Dá até para chamá-la de “parte I” de “Psycho Therapy”.

  • Road to Ruin – 1978

Sai Tommy, entra Marky. E a produção dos álbuns fica ainda melhor. Os temas ficam mais pessimistas também.

I Just Want to Have Something to Do” – Mais um canção com “wanna/want” do álbum. O “outro”, com o “Wait” e “Now” lembra muito o que o Nirvana fez em “Heart-Shaped Box”.

unnamed

I Wanna Be Sedated” – Hoje um sucesso do Ramones, a canção nem chegou a ser lançada como single do álbum. Saiu apenas em 1980, mas por ter sido trilha sonora do filme “Times Square”.

  • It’s Alive – 1979

You’re Gonna Kill That Girl” – Versão do clássico do segundo álbum, é uma pequena mostra da beleza do som do “It’s Alive”. Um dos melhores discos ao vivo da história do Rock.

  • End Of The Century – 1980

Disco produzido por Phil Spector e que quase levou a banda ao colapso. Longuíssimas sessões de gravações conduzidas pelo produtor e uma tentativa desesperada de chegar ao sucesso produziram um álbum que toda a banda considerou longe do padrão do Ramones. Dee Dee e Johnny não estavam presentes em diversas faixas, embora, ao longo dos anos, as versões fossem mudando. Foi o último álbum produzido inteiramente por Spector.

Do You Remember Rock ‘n’ Roll Radio?” – Clássico do grupo, escrita por Dee Dee, é uma ode aos grandes DJs e grupos do passado. Os versos “We need to change, we need it fast / Before rock’s just part of the past” continuam atuais para muita gente.

Danny Says” – Um lamento sobre as cansativas turnês sem alcançar o sucesso.

Chinese Rocks” – Resposta de Dee Dee à “Heroin“, do Lou Reed. Co-escrita por Richard Hell, este a levou para o Heartbreakers, já que Johnny vetou a música por ser claramente sobre drogas. Richard Hell acabou saindo do grupo, mas Johnny Thunders a gravou para o álbum de estreia do Heartbreakers, “L.A.M.F.” (1977), incluindo o seu próprio nome  e do baterista Jerry Nolan nos créditos, o que enfureceu Dee Dee. Nos anos 80, Dee Dee se vingou quebrando uma guitarra do Thunders.

Baby, I Love You” – Cover do Ronettes, fez um grande sucesso na Europa à época. Não há nada de Ramones ali. Com exceção do Joey, nenhum outro participou das gravações.

Rock ‘n’ Roll High School” – existem diversas versões desta música que é trilha principal do filme de mesmo nome. Gosto mais dela por causa da guitarra, ela é mais anos 50 do que as demais.

  • Pleasant Dreams – 1981

Pela primeira vez, a banda começa a assinar as canções em separado. Parece que a banda desistiu do sucesso e voltou a fazer o que gostava. É o meu álbum preferido.

We Want the Airwaves” – O refrão “Nós queremos as ondas sonora / Isso é um sonho” reflete bem o estado de espírito da banda, ainda mais após o fracasso de “End of the Century”. A canção é uma das provas de que o objetivo do Punk, seja ele inglês ou americano, era fazer sucesso. Não com o objetivo de mudar apenas para atingi-lo, mas, sim, de passar a sua mensagem para o máximo de pessoas possível. É uma das canções favoritas dos fãs.

The KKK Took My Baby Away” – Joey lamentando que perdeu a sua namorada para o Johnny. Até hoje eu não sei se ele entendeu a piada.

Mas reparem na clássica fórmula ramônica de passar drama para a música. Na última estrofe, a banda desce o tom nas notas e Joey canta com mais lamento ainda. Bem, certamente Johnny pensou: “não há como eu vetar essa”.

She’s a Sensation” – Nada demais, é só uma grande canção. Totalmente anos 60.

  • Subterranean Jungle – 1983

Considerados por muitos o pior álbum da banda, cheio de covers e canções bem copiadas. Marky mal tocou no álbum por causa dos seus problemas com álcool. Reparem como ele está afastado na capa.

Psycho Therapy” – Ramones coloca um pé no hardcore, o que se aprofundaria ainda mais nos próximos álbuns. Se o início dos anos 80 afastou os fãs antigos, os álbuns do meio da década afastariam ainda mais. É uma grande canção, mesmo com a péssima bateria.

Outsider” – É uma canção perfeita para o Ramones: não importa o que fizessem, sempre seriam outsiders. Exceto, claro, depois da morte do Joey.

Indian Giver” – lançada apenas como “lado B”, o que é inexplicável, ainda mais em um álbum cheio de covers e com fraquíssimas canções.

  • Too Tough to Die – 1984

Com Johnny tendo chegado perto da morte ao ser espancado pelo pessoal da banda Subzero, o grupo prestou uma homenagem ao guitarrista, mas, também, à própria banda. Com dez anos de vida e cada vez mais longe do sucesso, o grupo aumenta o peso. É o álbum de estreia do excelente baterista Richie.

Howling At The Moon (Sha-La-La)” – a quase anarquista canção destoa bastante da sonoridade pesada das demais canções do álbum.

(You) Can’t Say Anything Nice” – escrita e cantada por Richie, não há o menor sentido em não ter entrado no álbum, exceto o fato de ter sido escrita por Richie.

  • Animal Boy – 1986

Ainda mais pesado que o anterior, Animal Boy parte diretamente para o hardcore em várias faixas. Joey escreve apenas duas canções, cabendo a Dee Dee o restante do trabalho.

Somebody Put Something in My Drink” – desta vez, não havia como Richie ser vetado. A pesada canção do baterista é um dos destaques do álbum e virou favorita dos fãs. Segundo Richie, realmente alguém colocou algo na sua bebida em um bar e ele apagou.

Love Kills” – Canção de Dee Dee para o filme sobre Sid Vicious que seria lançado naquela época. Por alguma razão, acabou indo uma canção do Joe Strummer (ex vocalista do The Clash) com o mesmo nome para a trilha. A música do Ramones é muito melhor.

Bonzo Goes to Bitburg” – Música sobre a visita de Reagan a um cemitério militar alemão onde foram enterrados vários membros da SS nazista. A visita sofreu críticas mundiais e o grupo as transformou na canção. O problema é que Johnny era fã do Reagan e não ficou muito feliz, tanto é que a canção foi rebatizada de “My Brain is Hanging Upside Down“. Bonzo era um apelido de Reagan, por causa da sua participação no filme “Bedtime for Bonzo”, embora “Bonzo” fosse o chipanzé, o apelido pegou.

  • Halfway to Sanity – 1987

I Wanna Live” – Se tiverem oportunidade, vejam o clipe. Embora tenha virado moda depois aquele estilo de imagens, ele é bem legal. Detalhe: são duas guitarras no início, uma dedilhando e outra no riff, uma raridade para os Ramones.

Garden of Serenity” – Uma das minhas favoritas. Adoro a voz de raiva do Joey nela.

Ramones_Pet Sematary

  • Brain Drain – 1989

Último disco de Dee Dee, que já estava na sua fase rap e deixaria a banda ainda naquele ano.

Pet Sematary” – Aqui eu coloco a versão de Biss Laswell, co-produtor do Brain Drain. Ela é mais limpa que a versão do álbum. É mais lenta e menos dançante. A voz do Joey está mais perto das suas gravações dos anos 70 também.

I Believe in Miracles” – Outra favorita dos fãs. O clipe serviu para anunciar CJay Ramone, o novo baixista com a inscrição “Dee Dee Out, Cjay in”.

Punishment Fits the Crime” – Uma das melhores letras de Dee Dee. Canção um pouco diferente das que estamos acostumados a ouvir do grupo. Mais lenta, com um refrão bem grudento. Grande bateria do Marky nesta.

“Merry Christmas” – Clássica do grupo, curiosamente foi pouco tocada ao vivo após a turnê do Brain Drain.

  • Loco Live – 1991

Álbum ao vivo gravado em 1991. A velocidade é impressionante e retrata bem como o grupo tocava, como em “Gimme Gimme Shock Treatment“.

  • Mondo Bizarro – 1992

Primeiro álbum sem Dee Dee, mas que ainda contou com três canções do ex-baixista – Joey escreveu sete. Diz-se que o grupo trocou os direitos das canções “Poison Heart“, “Main Man” e “Strenght to Endure” por uma fiança de Dee Dee. Foi disco de ouro no Brasil.

Poison Heart” – Canção longe do estilo do grupo, que pareceu sofrer influência do grunge que estava no auge na época. Seria bom comparar com a versão de Dee Dee, já que ele já a tocava em 1989 na sua banda pós-Ramones.

Strenght to Endure” – Canção cantada por CJay (ele varia vocal também em “Main Man“, curiosamente, as duas escritas por Dee Dee). Clássica, presente em todos os shows do grupo a partir dali.

Tomorrow She Goes Away” – Letra bem ao estilo do Joey Ramone sobre uma decepção amorosa.

  • Acid Eaters – 1993

É um álbum somente de covers, com o Ramones sendo o primeiro a fazê-lo. A banda alemã Die Toten Hosen havia feito um em 1991 com uma boa recepção e contando com a partcipação de Joey. Em um momento de transição do grupo, prestes a completar 30 anos e ainda longe do sucesso, regravar canções de bandas como Animals, Beach Boys, Rolling Stones, Who e Bob Dylan pareceu ser uma boa estratégia para revigorar o grupo. Ou, talvez, apenas tenha sido a falta de canções do Dee Dee mesmo.

Substitute” – Cover do The Who, conta com a participação do próprio Pete Townshend como backing vocal.

My Back Pages” – Cover do Bob Dylan. Vocês precisam ouvir a original para perceber o que o Ramones fez com a canção. Ficou a cara deles.

  • ¡Adios Amigos! – 1995

Último álbum do grupo (eles fizeram o anúncio antes de lançá-lo), a capa contém dois dinossauros que nenhum dos integrantes gostou. Parece ter sido coisa do empresário. Talvez a banda já estivesse com tanta vontade de terminar que ninguém se tocou nisso. Dee Dee escreveu seis canções do álbum, Joey contribuiu com duas melancólicas, CJay também escreveu duas e o Marky, uma.

Ramones_I Don't Want to Grow Up

I Don’t Want to Grow Up” – Cover do Tom Waits, sofreu a mesma transformação de “My Back Pages“. O clipe virou hit na MTV. Foi o single do álbum.

The Crusher” – Escrita por Dee Dee, era um rap no seu álbum de 1989, “Standing in the Spotlight“. A versão do Ramones foi cantada por CJay e contém um verso a menos.

Born to Die in Berlin” – É a canção final do grupo. Escrita por Dee Dee, é pesada, diferente do restante do álbum. O ex-baixista canta uns versos em alemão na música. Lembrando que Dee Dee morou em Berlim durante a infância.

“R.A.M.O.N.E.S” – Escrita pelo Motorhead como homenagem ao grupo, existem duas versões. Uma cantada pelo CJay, outra pelo Joey. Aqui é temos a do baixista, bônus track do ¡Adios Amigos!. A do Joey está presente como bônus no álbum ao vivo “Greatest Hits Live!”, de 1996.

Spiderman” – Bônus track da versão americana do ¡Adios Amigos!, foi gravada para a coletânea “Saturday Morning”, um álbum com bandas de punk e alternativo tocando versões de músicas de desenho. Inacreditavelmente, não virou trilha do filme do Homem-Aranha, foi preterida pela pavorosa versão do Aerosmith.

PLAYLIST: Conheça os setlists atuais de Paradise Lost e Anathema

Falta pouco para o encontro entre Paradise LostAnathema, e os seus fãs no Rio de Janeiro. As bandas britânicas tocam nesta terça-feira, dia 8 de setembro.

Anathema

Foto: Caroline Traitler

Canal RIFF selecionou as setlists dos shows em São Paulo e Porto Alegre – e que provavelmente serão as bases das apresentações de hoje.  Tá tudo no Spotify do canal, pronto para treinar e ficar com tudo na ponta da língua.

Lembrando que os shows começam cedo para um dia de semana. Os portões serão abertos às 19h. O Paradise Lost deve começar às 20h30, e o Anathema toca na sequência.

Setlist do Paradise Lost: 
Setlist do Anathema: 
Perfil do RIFF no Spotify com outras listas: https://open.spotify.com/user/canalriff

PLAYLIST: Dj Thiago Burgos apresenta o melhor de 2015 (até agora!)

O mês de setembro mal começou de começar e já é hora de olhar um pouco para trás. Ao menos para perceber o quanto esse ano já trouxe uma penca de músicas legais. O Canal RIFF convidou o Dj Thiago Burgos para preparar uma playlist especial com o que de melhor foi lançado em 2015.

DJ Thiago Burgos

Thiago Burgos, um especialista do indie rock e música brasileira, topou o desafio e propôs a seguinte lista (para não abraçar o mundo todo, claro) com os seus lançamentos preferidos de “Indie Pop e Rock em 2015“.

Lá  você encontra músicas para dançar muito (e pra ouvir . Afinal, Burgos toca em algumas das principais festas do Rio – e do país. Carioca de 27 anos e Dj profissional há cinco anos, ele é o residentes das festas Keep on RockinRocknbeats – a maior festa indie do Brasil (que só neste mês desembarca em quatro cidades diferentes).

Confira a agenda de setembro e encontre o Dj em seu habitat natural – as pistas:

5 (sábado)- Keep on Rockin @ Casa da Matriz
12 (sábado)- Rocknbeats Aracaju @ República – Aracaju
18 (sexta)- Festa Pista Libre + Bloco Pra Iaiá + Disritmia | Música Brasileira + Hey Ho Brass Band @ Circo Voador
19 (sábado) – Rocknbeats Rio de Janeiro @ Teatro Odisséia
25 (sexta)- Rocknbeats Petrópolis @ Budha Bar
26 (sábado) – Rocknbeats Volta Redonda @ Pianos Bar Embaixador


Siga o perfil do RIFF no Spotify e acompanhe mais listas:  https://open.spotify.com/user/canalriff