Arquivo da tag: Sacadura 154

Resenha: Hot Chip, Gostando sem querer

Por Gustavo Chagas (texto e fotos) I @gustavochagas

Esse foi o meu terceiro show do Hot Chip. O anterior havia sido no Lolla 2013, e antes disso no finado Tim Festival, em 2007.

Eu fui ao Tim Festival assistir uns garotos de Sheffield que estavam começando, acho que se chamavam Arctic Monkeys. Não sei que fim eles levaram. Mas o que interessa é que a banda que tocou antes era o Hot Chip. Não conhecia muito bem e demorei um tempo pra assimilar aquele som, mas desde então fiquei fascinado.

12319228_1222642337752454_1893413275_n

Em 2013 eu abdiquei de ver o show de retorno do Planet Hemp (ainda bem, já que eles tão retornados até hoje) e fui assistir ao show do Hot chip no palco alternativo do Jockey. Melhor escolha, impossível. Plateia reduzida a só quem realmente era fã e queria assistir. Divertidíssimo.

Confesso que fiquei um pouco decepcionado ao ver de antemão o setlist do show que aconteceu na última sexta (27/11). O cd que eu mais gosto deles, é “In Our Heads“, de 2012, e eles tocariam pouquíssimas dele. Chance dada, fui ao show.

12325450_1222642584419096_1578765136_n

E de novo o Hot Chip mostrou que a melhor opção é sempre ver o Hot Chip. Sacadura 154 lotado, galera pilhada e banda empolgada. Tem como dar errado com essa mistura?

Foi um show “sem tirar de dentro”. Claramente com a intenção de fazer todo mundo mexer seus respectivos traseiros. A sequencia inicial com Huarache Lights, One life stand, Night and Day, Love is the Future, essa última, a melhor do último cd, “Flutes” e a clássica Over and Over, foi arrebatadora!

12319810_1222641344419220_630777928_n

Parecendo muito felizes com a receptividade, a banda entregou simpatia e competência no resto do show, e com a dobradinha linda Dancing in the dark/All my friends, eles fecharam mais uma noite inesquecível pra quem escolheu escolher o Hot Chip. #EUESCOLHOHOTCHIP

setlist

Hot Chip Setlist Espaço Sacadura, Rio de Janeiro, Brazil 2015

Anúncios

RESENHA: Rhye, o convidado que roubou a cena de um aniversário

Por Thais Rodrigues (texto e fotos) | @thwashere

Há pessoas que não são boas com nomes, e algumas outras com números e mesmo com toda essa dificuldade seria indelicadeza não associar minha quinta resenha para o Canal RIFF ao aniversário de cinco anos do Queremos, que mesmo com poucas velas para soprar, coleciona momentos dignos de palmas e bis, onde de fato o importante é fazer acontecer e as experiências de realização são mais válidas que todo o processo, desde o primeiro pedido de um empolgado até o último suspiro do último fã ao deixar o local do show.

Toda comemoração que se preze conta com a presença de pessoas importantes e além de nomes que contribuíram mesmo que de forma mínima para história do Queremos até os fundadores, a festa que aconteceu no Sacadura 154 foi brindada não apenas por mais um show, mas sim por mais possibilidades de shows memoráveis e também, colecionáveis assim como os pôsteres que enfeitaram o local.

9

Além de desfrutar de outras atrações, mesmo que de forma sutil, quem compareceu pôde entender do que se trata ter poucos anos de existência – sendo contrastados a grande responsabilidade de fazer jus ao nome, que mesmo jogado numa conversa fora, não é de se deixar pra lá. Os convidados foram então presenteados com Rhye que, com os mesmos cinco anos para contar, deixou a quinta-feira no Rio de Janeiro mais atraente.

O duo com quê de Sade e George Michael em Moment With You dispensou o conhecido “parabéns pra você” para fazer um convite até para os que não estavam tão próximos do palco, tentando uma conexão, digamos íntima com os fãs e todos os outros, deixando-os à vontade para então começar o verdadeiro espetáculo com ápices, frios na barriga e alívios. Ninguém foi forçado a ficar para assistir o clima, mas era como deixar de participar do discurso e perder a entrega do primeiro pedaço de bolo.

10

O show começou transparecendo uma espécie de pureza, e até os músicos se organizarem, a luz azul que iluminava o palco dava a impressão de mais calmaria e então, fomos surpreendidos pelo jogo de sedução, intencionado ou não, eficaz e com altos e baixos, onde os baixos eram só um sinal para que se respirasse fundo e se preparasse para os próximos momentos de falta de fôlego.

Ao longo do show, o público foi levado para um teia por livre e espontânea vontade. Seduzidos por cada nota, cantada ou não, sem sombra de dúvidas o verdadeiro convite do Queremos foi a atração principal, que encantou a todos quase como uma espécie de canto de sereia. Qualquer outro ruído que não viesse do palco, não era bem vindo e nem olhos, muito menos lentes conseguiam focar em outra cena que não fosse a reproduzida pelos integrantes.

4

A cumplicidade no olhares já dizia tudo, mesmo que eles não dissessem absolutamente nada um para o outro. Normalmente alguns músicos e bandas chegam a trocar informações relevantes entre uma música e outra, mas bastava apenas um olhar e até no meio da execução de uma delas para entender que a ligação entre eles era tão forte que talvez por isso, fosse necessário considerar o perigo de se deixar levar de vez pela onda e se afogar de vez.

Rhye lançou o álbum “Woman” em 2013 e embalou momentos solitários de pessoas aspirando por alguém e casais em “fase” de maior conexão. No show, promoveu encontro de desconhecidos ou velhos conhecidos, sem falar dos acompanhados com cada faixa mais afrodisíaca que a outra, explicando o motivo para o bem estar e clima de romance pós show.

Este slideshow necessita de JavaScript.

RESENHA: Spoon apresenta a trilha sonora perfeita para a vida

Por Thais Rodrigues I @thwashere I Fotos IHateFlash

A música tem um grande papel na vida de cada pessoa e também, nas experiências vividas por cada uma delas. Além de fazer toda a diferença em um momento ou evento do cotidiano comum, transforma até qualquer ida ao ponto de ônibus em uma cena cinematográfica. Discute-se muito sobre isso em “Begin Again”, “Nick & Norah’s Infinite Playlist” e “Going the Distance” e como a música pode mudar pessoas, histórias e pontos de vista.

O Sacadura 154 recebeu a banda Spoon na última quinta-feira (15/10) da melhor forma possível: com pessoas que realmente acreditam no poder da música. Dessa vez, o fato da banda não ser tão popular, com hits discretos, porém dignos de respeito e admiração, ajudou na hora de reconhecer os fãs e reunir pessoas que sabem apreciar de forma pacífica um som enérgico sem estarem munidas de julgamentos ou reclamações insistentes, implorando pela próxima atração.spoon rj

Mesmo as pessoas que nunca tinham ouvido falar da banda até o anúncio do show, realizado pelo Queremos, não conseguiam ficar paradas durante a apresentação da banda que contagiou a todos com sua presença de palco peculiar. Eles realmente sabiam o que estavam fazendo a cada música e pela primeira vez em muito tempo, assisti a um show realizado pela própria banda. Não foi egoísmo ou falta de “agora é com vocês” e sim uma grande parceria, onde a banda não exclui o público e vice versa.

O vocalista Britt Daniel, com toda sua presença vocal, deitou e rolou, literalmente. Não foram necessários todos aqueles gritos histéricos que já fazem parte de shows para que quem estivesse assistindo, pudesse retribuir em energia que logo fez com que toda a banda vibrasse em harmonia de volta.

O som quase que idêntico ou talvez até melhor que os álbuns gravados desde 1996, trouxeram de volta a esperança do fim da fase de experimentação da música, onde as mesmas deixam de se tornar produtos descartáveis para serem apreciadas com bastante atenção. A cada intervalo entre uma música e outra, podia-se sentir a expectativa no ar já que as pessoas não tiravam os olhos do palco e muito menos os pés do chão.

Ao término do show, pode-se perceber que lentamente as pessoas foram voltando à realidade e saindo do transe natural deixado de presente em terras brasileiras. A atmosfera do show nos levou para dentro de um filme com quê de sessão da tarde, onde a música ficava por conta da banda que não é a mais bonita da cidade, e talvez, nem a mais tocada nas rádios, mas com toda certeza a trilha sonora perfeita para a vida toda.

setlist

  1. Rent I Pay
  2. Knock Knock Knock
  3. The Way We Get By
  4. Don’t You Evah
  5. Small Stakes
  6. The Ghost of You Lingers
  7. The Beast and Dragon, Adored
  8. Satellite
  9. I Turn My Camera On
  10. Inside Out
  11. Do You
  12. Outlier
  13. I Summon You
  14. Don’t Make Me a Target
  15. You Got Yr. Cherry Bomb
  16. TV Set (cover de The Cramps)
    Bis:
  17. Black Like Me
  18. The Fitted Shirt
  19. Got Nuffin
  20. The Underdog

RESENHA: All Time Low revive o melhor da adolescência

Por Thais Rodrigues I @thwashere

Quando se tem catorze anos, tudo parece o fim do mundo. Além de ser uma transição complicada da infância para a adolescência, quando ainda não se é considerado adulto, mas também não mais criança, inúmeros são os acontecimentos marcantes e colecionáveis que bombardeiam corações e toda uma história, que acabam influenciando o futuro.

All Time Low Rio

Foto: Gustavo Chagas

Ao passar pela entrada principal do Sacadura 154, todas as obrigações da rotina foram deixadas de lado e recebemos um “presente” parecido com o passe livre para os parques da Disney. Dizem que até as pessoas mais orgulhosas e emburradas deixam o orgulho de lado para deixar-se levar. O All Time Low conseguiu ser esse mesmo passe, e a tão sonhada máquina do tempo da grande maioria, trazendo todas as aflições de se estar crescendo de volta, com um quê de “você não está sozinho nessa, estou com você” de sempre.

Apesar da chuva, do frio e de tantos outros fatores meteorológicos ou não, e que não podiam ser controlados, os fãs da banda estavam bastante empolgados. Antes, durante e logo após o show que deixou saudade até mesmo sem ter hora para acabar, quem estava por lá não desanimou. A festa Crush assumiu papel de testemunha dessa felicidade de voltar às raízes, bater cabelo e cantar tão alto a ponto de considerar todas essas atitudes como um grande desabafo do peso que é levar a vida a sério, e não com a barriga.

All Time Low botando o Sacadura 154 abaixo com “Weigthless”

Um vídeo publicado por Canal Riff (@canalriff) em Set 12, 2015 às 10:39 PDT

O show foi para não perder e perder, ao mesmo tempo. Diferente do falecido cantor Wando, os caras colecionaram sutiãs no palco, então, valia tudo! Inclusive, perder a vergonha de dançar, chorar e soltar gritos histéricos com as demonstrações de carinho e comentários de duplo sentido que foram feitos nos intervalos entre as músicas. Facilmente podia se perder a cabeça, a compostura e a cueca. Só não dava pra perder oportunidades, e quem subiu ao palco para dar um show junto com Alex, Jack, Zack e Rian, fez não só a festa, mas com que a banda prometesse não demorar tanto para voltar ao Brasil.

Com todos os seus doze anos movendo corpos e fazendo corações dispararem, o All Time Low contagiou o público com a poção da juventude e não teve quem ficasse o tempo todo pra baixo, nem parado, muito menos em silêncio! Graças ao público que mais uma vez comandou o show, mesmo sendo dominado pela energia da banda, músicas como Therapy, Weightless, Poppin’ Champagne e Remembering Sunday não deixaram de ser tocadas, e mexeram não só com o psicológico de quem esperou ansiosamente por tudo que a banda tinha a oferecer no show realizado pelo Queremos, mas também com os hormônios. De repente, até as dores nas pernas pediram licença pra poder pular sem pensar em cansar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Atravessar o show foi como passar pela puberdade, tirando a parte das transformações físicas. Com tantas sensações diferentes ao mesmo tempo, mais uma vez o All Time Low se encarregou de ser a trilha sonora perfeita pra entendermos quem não estamos sozinhos, e que só vale se perder se for na música, comprada ou baixada.

setlist

  1. Satellite
  2. The Irony of Choking on a Lifesaver
  3. Lost in Stereo
  4. Stella
  5. Runaways
  6. Damned If I Do Ya (Damned If I Don’t)
  7. Weightless
  8. Tidal Waves
  9. Therapy
  10. Remembering Sunday
  11. Missing You
  12. The Reckless and the Brave
  13. Poppin’ Champagne
  14. A Love Like War
  15. Backseat Serenade
  16. Time-Bomb
  17. Something’s Gotta Give
  18. Kids in the Dark
  19. All the Small Things (Cover do Blink‐182)
  20. Dear Maria, Count Me In

RESENHA: Iron & Wine hipnotiza público no Rio

Por Thais Rodrigues

Quando a canção Flightless Bird, American Mouth embalou o casal Edward e Bella no primeiro filme da saga Crepúsculo –  que também conta com outros grandes nomes do cenário alternativo em seu soundtrack – não esperava-se que algo mais viesse depois disso. Até então, Iron & Wine era só mais um nome. Ou dois!

Iron & Wine

Foto: Thais Rodrigues

E não é que veio e em 2015? Recebi o setlist do show de hoje, que aconteceu no Sacadura e pelo Queremos, às dez da manhã nessa ensolarada quinta-feira de setembro. A primeira surpresa foi não ter encontrado músicas que não só eu, mas outros conhecidos esperavam que Sam Beam tocasse. A coisa toda tinha ido bem mais longe: não tinha mais nada a ver com vampiros e modinha adolescente, e sim com um encontro com o inesperado.

Depois de tomar ciência de que as músicas favoritas não eram as óbvias e não necessariamente por escolha, mas talvez por identificação ou feeling, chega a hora de entender o que acontece de verdade em um show da banda de um homem – e que homem, com aliança no dedo e família – só.

Ao chegar no Sacadura, outra surpresa: o público. Achava-se que o pré-requisito para fazer parte do target de um show como o de hoje era ter barba e coque. Obviamente, a parcela lumbersexual marcou presença, mas não deixou de dar espaço para pessoas tão diferentes umas das outras, as quais, com um simples anúncio de que o show começaria em alguns minutos, ficaram com o mesmo brilho nos olhos: todas hipnotizadas, ainda encarando o Dj da ‘Que Se Folk’, esperando por qualquer sinal, de barba, voz ou violão.

Dois violões, duas garrafas d’água e uma taça de vinho. Um ‘Hello, Brazil‘ bem tímido, porém feliz e surpreso por ver tantas pessoas. Lamentou a falta do português na ponta da língua, soltou um obrigado e, logo em seguida, a voz. E lá estava a primeira música do mesmo setlist que havia recebido pela manhã. The Trapeze Swinger deu o pontapé inicial para a atmosfera mais acolhedora. Todos subimos em um balão, e a cada acorde, íamos um pouquinho para mais perto do céu.

Aparentemente, o show duraria mais que o esperado, e esperar pelo inesperado deveria ser a resposta para a noite. Não demorou muito para que o show fosse do Sam Beam, e não de Iron & Wine. Foi como passar a tarde no sofá de casa, ouvindo-o cantar despretensiosamente, sem esperar da gente como a gente, mais que aplausos. Overwhelming, ele repetia. Parece que o jogo virou não, é mesmo?

Iron & Wine

Foto: Pamella Renha

Apesar de ainda ter em mãos o violão, entregou o show nas mãos de fãs e quem mais podia ouvi-lo. Decidiu que decidiríamos o repertório, e assim, o show voou. Todos nós voamos, ainda naquele mesmo balão, lembra? A cada pausa para aplausos ou elogios, um tempo para assimilar e respirar. Estávamos nas nuvens, longe de casa, mas com aquela sensação calorosa de lar.

Mesmo pedindo por músicas “tristes”, a alegria estava estampada em cada um. Foi incrível ver tanta gente deixar celular e câmera de lado para apreciar o show como merecia. Ele hipnotizou a todos, novamente com voz e violão, e até com apenas um dos dois, e só nos demos conta do fim quando ele disse que voltaria mais vezes ao Brasil. E não o vimos voltar mais com a taça de vinho para o palco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O bem estar ficou, mas aquela sensação lúdica foi sendo desconstruída aos poucos. Na verdade, era mais próxima do real do que pensávamos, pois facilmente imaginaríamos domingos em família com Sam Beam tocando para nós, com chuva batendo na janela e tudo! Se desse, até barulho do vento. O show terminou e a vontade de “fica pra um café” grudou, como todas as outras canções de seu repertório bastante rico.