Resenha: Vitor Brauer, Ludovic e Enema Noise @Stranjas Club

Por Tayane Sampaio (texto e fotos) | @Tayanewho

O aclamado álbum “Idioma Morto” (2006), da Ludovic, completou 10 anos e alguns fãs tiveram a sorte de comemorar a data com um show da banda, que encerrou as atividades em 2008. Os paulistanos, respeitados na cena underground, passaram por Brasília, na última sexta-feira (23), e incendiaram o Stranjas Club.

Com aproximadamente duas horas de atraso, o evento começou com a apresentação de Vitor Brauer. O mineiro utilizou apenas voz, violão e alguns pedais em seu set. A “falta” de instrumentos não chega a ser percebida, pois a inquietude de Brauer, que toma vida por meio de sua voz, é a sua carta na manga. Vitor tem uma característica que me encanta e que é escassa: ele não permite que sua obra seja rotulada. Ele canta rap, recita poesia, faz música eletrônica e mais um monte de coisa, tudo junto e sem que o conjunto perca o sentido.

image00036
Vitor Brauer @2016

Seja com as músicas da Lupe de Lupe, do supergrupo Xóõ, ou de seu projeto solo, o músico canta palavras de uma sinceridade que poucos se atreveriam a dizer em voz alta. As canções, muitas vezes, parecem confissões que o vocalista compartilha com a plateia, como em “17”: “Eu só pensava em morrer quando eu morava em Valadares/Embora eu já nem saiba dizer qual desses lugares que me dói mais/Porque hoje eu vivo tão sozinho”. A forma crua e autêntica que o cantor despeja suas indagações faz com que o público queira unir-se ao seu discurso. Mesmo com a letra complexa e o ritmo acelerado, tinha gente que recitava cada palavra dos versos de “Eu Já Venci”, junto com Vitor.

Agora, com algumas pessoas a mais, as cadeiras deram lugar a pernas ansiosas, que andavam sem sair do lugar, enquanto a Ludovic arrumava seus instrumentos. Jair Naves (voz e baixo), Rodrigo Monttorso (bateria), Eduardo Praça (guitarra) e Zeek Underwood (guitarra) deram início ao show com a poderosa “Atrofiando/Recém-Convertido/Ex-Futuro Diplomata”, primeira faixa do aniversariante “Idioma Morto”. Além das canções do derradeiro álbum, a Ludovic também tocou músicas do primogênito “Servil” (2004).

O grupo surpreende pela energia e entrega durante toda a apresentação. Jair, com sua voz potente, ora suave, ora aos gritos, comanda o coro formado pelo incansável público. O espaço apertado também não foi empecilho para os pulos animados de Zeek e a movimentação de Eduardo. Rodrigo, que não fazia parte da formação original, em nenhum momento fica para trás e mostra bastante entrosamento com os companheiros.

image00022
Ludovic @2016

Mais de uma vez, Jair dividiu seu microfone e o palco com os fãs, que se entregaram à performance tanto quanto a banda. As letras e guitarras raivosas foram a ponte da bonita conexão entre o público e os músicos, que compartilharam esse momento especial. “Eu queria todas as luzes acesas, eu quero ver vocês. A gente precisa ver vocês”, pediu Jair Naves, mais de uma vez.

Nesses meus muitos anos frequentando shows, poucas vezes vi uma apresentação tão visceral. O vocalista se enfia no meio do público, que dança, bate cabeça, canta, grita, transpira junto. Mesmo antes de acabar, a nostalgia tomou conta de mim e ficou a vontade de, um dia, poder viver aquilo de novo. O ato final foi um abraço dos fãs na banda, literalmente. Um emaranhado de gente rodeando os músicos.

Após a emocionante apresentação da Ludovic, foi a vez da Enema Noise tocar. Os brasilienses, que lançaram o EP homônimo no começo do ano, honram o nome da banda com uma sonoridade barulhenta, meio torta, um post-hardcore-punk, que foge da obviedade.

image00012
Enema Noise @2016

Rafael Lamim (voz e guitarra), Daniel Freire (voz e bateria), Murilo Barros (guitarra) e João Victor (baixo) tocam com entusiasmo e entregam uma apresentação que, no mínimo, desperta a curiosidade de quem ainda não os conhece. Quando não estava soltando gritos rasgados no microfone, o vocalista caminhava de um lado para o outro com sua guitarra, que insistia em se soltar da correia. As vozes também ficam por conta de Daniel, que alterna entre o microfone e a bateria. Os dois se dividem entre vozes mais melódicas e screamos. Essa combinação dá muito certo e chama atenção, como em “Azarnoazar”, que, mais para o fim, é tomada por guitarras distorcidas. O comportamento elétrico dos dois se contrapõe à performance mais introspectiva de Murilo e João.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como em todo evento underground, tinha CD’s e camisetas à venda, nas banquinhas de merch. Além disso, em uma outra mesa, você encontrava uma boa variedade de zines, muitos com temática feminista. O salão, no subsolo do Stranjas, que já recebeu bandas como E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante (SP) e Desventura (MG), tem tudo para se firmar como um grande ponto de encontro do underground brasiliense.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s