RESENHA: A gratidão ao punk rock californiano de Pennywise e Face to Face

Por Guilherme Schneider I @Jedyte I Fotos: Gustavo Chagas

Nunca fui aos Estados Unidos. Mas, mesmo assim, já recebi tanta informação do país ao longo da vida que me familiarizei com alguns lugares de lá. Provavelmente (e até infelizmente) sei mais sobre a Califórnia do que sobre o Amapá. E isso se reflete diretamente no gosto musical. Sou grato ao punk rock californiano.

Mais do que música para energizar adolescentes, o punk  rock de lá tem uma pegada que atravessa modismos. No último sábado (7) vi duas bandas de lá fazerem bonito em uma noite de temporal na Fundição Progresso: Face to Face e Pennywise.

s1

A abertura ficou com o Face to Face, banda que está nesta estrada desde 1991. Logo de cara o que o público viu foi uma banda disposta a alimentar a ensandecida roda. Isso o F2F sempre soube como fazer, para alegria do público – que naturalmente estava lá mais pelo Pennywise.

Músicas como Blind, Complicated e Disconnected mostraram como a banda é querida por aqui. Não é à toa que o vocalista Trever Keith buscou se comunicar tanto ao longo da noite. Por várias vezes exaltou a alegria de voltar ao Brasil e apresentar um repertório completo, com o mesmo número de músicas do “veterano” Pennywise – banda três anos mais velha que o Face to Face.

s4

O Pennywise voltou ao Rio depois de cinco anos de intervalo – desde um show épico no Circo Voador. E, como esperado, fez bonito. A banda metralhou do início ao fim… Same Old Story, Pennywise, Fuck Authority. Além dos covers de Do What You Want (do Bad Religion) e a já clássica do Pennywise Stand by Me (de Ben E. King).

Particularmente só lamente de novo (assim como no Wros Fest) a falta do álbum All or Nothing – o melhor de 2012. Foi gravado por Zoli Téglás (do Ignite), que ficou pouco tempo no Pennywise – antes do retorno de Jim Lindberg. O show durou cerca de uma hora só e cabia um pouco dessa fase da carreira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Resisti a roda o quanto pude. Mas, como lidar com Living for Today? O único lugar possível é na rodinha – e lá fiquei até o final. Impressionante como a percepção de um show muda ali naquele caos. Catarse pura. Além do sentimento de “participação” no qual você se sente como parte do espetáculo.

O desfecho com Bro Hymn foi maravilhoso. Aquele “ôôô” já ressoava pela casa antes do show, esperando só a entrada de baixo na última música para explodir. A música feita como homenagem póstuma  ao ex-baixista da banda, Jason Matthew Thirsk, morto em 1996. Ficou com um dos maiores hinos do punk.

E o Pennywise fecha o show com o hino Bro Hymn! Showzaço!!

A post shared by Canal Riff (@canalriff) on

Normalmente o público invade o palco na última música para cantar junto. Pelo visto a casa até tentou organizar e selecionou previamente alguns fãs para participarem. Mas, o caos do gênero brilhou e o palco foi invadido de tal forma que o “tchau” sequer foi dado. Tudo em ordem.

set

  1. A-OK
  2. I Want
  3. Walk the Walk
  4. Can’t Change the World
  5. Blind
  6. Ordinary
  7. I Won’t Lie Down
  8. Pastel
  9. You Lied
  10. You’ve Done Nothing
  11. Velocity
  12. Complicated
  13. Don’t Turn Away
  14. I’m Trying
  15. It’s Not Over
  16. Disconnected

set

  1. Fight Till You Die
  2. Rules
  3. Peaceful Day
  4. My Own Country
  5. Same Old Story
  6. My Own Way
  7. Violence Never Ending
  8. Do What You Want (Cover de Bad Religion)
  9. Pennywise
  10. Perfect People
  11. Society
  12. Fuck Authority
  13. Alien
  14. Living for Today
  15. Stand by Me (Cover de Ben E. King)
  16. Bro Hymn
Anúncios

Uma opinião sobre “RESENHA: A gratidão ao punk rock californiano de Pennywise e Face to Face”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s