Resenha: Neck Deep @Teatro Odisséia

Por Natalia Salvador

A mini-tour dos ingleses do Neck Deep era apenas o fim de uma grande aventura de meses pelo mundo! The Peace and The Panic Tour foi a promoção do terceiro disco da banda e que repercutiu muito bem entre o público. Mas mesmo depois de tanto tempo viajando e longe de casa a primeira passagem do grupo pela América do Sul não poderia ser assim tão tranquila. O público brasileiro pediu muito por esses meninos e fez valer cada mensagem de “Please, come to Brazil” valer a pena. A primeira parada no Brasil foi na cidade do Rio de Janeiro: uma quinta-feira, bem no coração da Lapa, era quase um aviso de que a temperatura ia subir – literalmente!

A banda escolhida para acompanhar os ingleses pelo país foi a Dinamite Club. O pop punk dos paulistanos já é conhecido por aqui e, por isso, a casa já estava cheia quando eles subiram ao palco. O setlist contemplou músicas dos CDs Tiro&Queda, de 2013, e Nós Somos Tudo o Que Temos, de 2017. O som bem energético foi responsável por aquecer o público que entrava na casa. O Teatro Odisséia é famoso no cenário independente da cidade maravilhosa. Mas, apesar do fit com a platéia, a ansiedade pelos grandes nomes da noite era nítida!

 

Com a casa quase lotada, o Neck Deep entrou no palco fazendo barulho e é claro que os cariocas acompanharam em plenos pulmões. Com um repertório que contemplou 3 dos 4 CDs dos meninos do País de Gales, o Teatro Odisséia parecia um só corpo e uma só voz. Happy Judgement Day, Lime St, Gold Steps e Motion Sickness foram as escolhidas para abrir a noite. E da primeira à última música foi impossível olhar para a platéia e não se contagiar com a energia. Era mosh, todos pulando e cantando juntos! Uma verdadeira festa.

O burburinho era tanto próximo ao palco que uma fã pediu ao vocalista, Ben Barlow, para que as pessoas dessem um pouco mais de espaço e a resposta dele não foi bem o que ela esperava. Ben deu para a fã um conselho: “Se você que um pouco mais de espaço, eu sugiro que você vá lá para trás. Se você quiser ficar aqui eu quero que você curta e sinta esse momento, ok?”. Ela aceitou o desafio e levou até o fim, guerreira! O calor na casa era tanto que as paredes suavam, as lentes das câmeras e óculos estavam embaçadas. Que tiro foi esse, Neck Deep?

Claro que Parachute, In Bloom, December e Part Of Me não ficaram de fora do setlist. Mesmo depois da banda afirmar que tinha finalizado o show, eles voltaram para o bis com Can’t Kick Up The Roots e Where Do We Go When We Go. E não teve uma música que não foi acompanhada em alto e bom som! Se a intenção do público carioca era provar que o Brasil nunca deve ser esquecido pelas bandas gringas, eu diria que o evento foi realizado com muito sucesso! Os ingleses do Neck Deep prometeram não demorar tanto tempo para voltar e a gente acreditou, tá pessoal?!

E como em toda primeira vinda ao Brasil, nós do Canal RIFF não podíamos perder a oportunidade de bater um papo exclusivo com os caras. Além disso, fizemos eles provarem algumas comidinhas bem brasileiras! Vocês chutam alguma? Fica ligado nas nossas redes sociais que já já sai a entrevista completa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios