Resenha: The Get Up Kids @ Carioca Club

Por Alan Bonner |@bonnerzin

Viajar para ver um show é sempre um misto de angústia e prazer, pelo menos pra mim. Angústia pelas horas de estrada/voo com medo que dê algo de errado e não dê pra chegar a tempo. O prazer, bom, esse começa na chegada do local do evento e a certeza que aquele será um(a) ótimo(a) dia ou noite. Foi bem o que aconteceu nessa #coberturariff, onde fui a São Paulo para mais um evento do Ano Do Emo No Brasil ™ cobrir a primeira vinda de uma das mães do real emo e do pop punk, o The Get Up Kids, com direito a abertura das ótimas Horace Green e Hateen e mais uma produção impecável da Powerline.

IMG_6906.JPG

A qualidade da safra de bandas novas brasileiras (em especial as de hardcore e suas inúmeras vertentes) permitem um fenômeno interessante: o de sentir o nível de ansiedade em ver a(s) banda(s) de abertura chegar próximo ao nível de ansiedade em ver a atração principal. Poucas bandas teriam me causado todo esse frisson em uma noite de The Get Up Kids, e a Horace Green é uma delas. A fúria trazida por Shamil Carlos, Fernando Chero, Clayton Romero e Guilherme Amato nos trabalhos em estúdio trazia uma grande expectativa ao riffeiro que vos escreve em ver os paulistanos ao vivo. Expectativa que, infelizmente, foi frustrada pelos percalços de se viajar para longe para ver um show. Não consegui chegar a tempo para ve-los, desejo que só aumentou para uma próxima oportunidade. Tomara que seja breve!

O que melhor para confortar um corpo cansado de horas na estrada e frustrado por não ver uma banda que tanto queria ver do que uma hora de baile de uma das clássicas do hardcore melódico brazuca? Graças ao Getúlio (motorista gentil e eficiente que conduziu meu bonde para SP), consegui chegar a tempo de ver o Hateen botando a casa abaixo e fazendo o público superaquecer os gogós para o ato final da tarde/noite. Rodrigo Koala e companhia desfilaram os hits da banda, sobretudo as músicas da fase “em inglês” da banda. O público ainda foi presenteado com um excelente cover de “In Circles”, hino do Sunny Day Real Estate.

IMG_6789.JPG
Hateen @ Carioca Club
IMG_6774.JPG
Koala arrepiando em “In Cicles”

Depois do belo show do Hateen, chegou a hora de acabar com uma espera de 22 anos. O The Get Up Kids finalmente subiu em um palco brasileiro. E que jeito melhor de compensar toda a demora senão começando com o maior clássico da banda? Matt Pryor (Guitarra/Vocal), Jim Suptic (Guitarra), Rob Pope (Baixo), James Dewees (Teclado) e Ryan Pope (Bateria) começaram os primeiros acordes de “Holiday” e levaram o público (que cantou alto) à loucura logo no início do show. A intensidade continuou lá em cima, com o público respondendo com stage dives antecedidos de dancinhas criativas em cima do palco, que arrancavam risadas dos membros da banda durante as músicas e elogios à energia do público nas pausas entre elas.

essa.JPG
The Get Up Kids @ Cariora Club
IMG_6911.JPG
“Só vocês!”

Particularmente, fui surpreendido positivamente em dois aspectos: como o vocal de Matt continua atingindo os tons altos do início dos anos 90 e como os teclados compõem bem nas músicas quando executadas ao vivo. Com o passar das músicas do longo setlist (22 músicas!) e com a execução de baladas como “Valentine”, foi possível olhar em volta e ver cenas bem bonitas. Amigos se abraçando, casais se declarando, fãs chorando e todo mundo bem emocionado. A vibe era maravilhosa, tanto para quem estava assistindo quanto para quem estava tocando. Tanto que Matt se questionou porque a banda tinha levado tanto tempo para ir ao Brasil, levando a galera ao delírio mais uma vez. Ao final do show, a banda não queria sair do palco e reservou dois “bis” para o público, o primeiro deles com covers de The Cure e The Replacements, seguidos de “I’ll Catch You” e “Ten Minutes”, do “Something to Write About”. No segundo, entre as ótimas “Out of Reach” e “Shorty”, a banda mandou o clássico “nós voltaremos”. Esperamos que seja verdade e que seja breve!

IMG_6924.JPG
“We will be back! I promise!” Vamos cobrar heim
IMG_6926.JPG
Um dos sortudos que ganhou o setlist e o abriu pra uma fotinha :)

O Canal Riff lamenta a morte de Mateus Pagalidis, jovem fluminense que, tal como nosso correspondente, viajou até São Paulo para assistir ao show. Mateus foi um grande entusiasta, produtor, músico e agitador musical em Cabo Frio e região, agregando pessoas e produzindo shows no estado do Rio de Janeiro e no Brasil. Nossas condolências aos amigos e familiares e nosso desejo de que mais jovens façam acontecer aquilo que eles acreditam, não importando a distância ou o obstáculo, como Mateus fez em vida.

14708243_1330509000333215_2771516659108805740_n.jpg
R.I.P., Mateus :'(
Anúncios

Pra ver de casa: 11 Documentários pra quem é amante de rock

Por Felipe Sousa | Felipdsousa

Fala riffeiro, beleza? Hoje vou trazer pra vocês alguns documentários bem legais que estão disponíveis na Netflix e Youtube.

Eu particularmente gosto muito desse tipo de material, pois quando feito com profissionalismo, nos dar a chance de conhecer um pouco mais sobre um ídolo, uma banda ou um movimento.

Bom, sem mais delongas, confira abaixo:

Imagem da Música –  Os anos de influência da MTV Brasil

 

Produzido pela Crua Produções e dirigido por Lucas Tomaz Neves, o documentário mostra a história da MTV Brasil, desde sua chegada ao país (1990) até sua última transmissão (2013). Nos seus 23 anos no ar, a emissora apresentou quadros marcantes como O saudoso Rock GolHermes e RenatoAcústico MTV e é claro o VMB (Vídeo Music Brasil). E além dos programas, a MTV teve papel fundamental na difusão da música no país.

Dê o play abaixo e confira relatos de ex VJs e músicos e relembre os momentos da MTV Brasil.

 Assista no Youtube: 

 Austin To Boston

Após se apresentarem no festival de música SXSW, em Austin, quatro bandas seguem rumo a Boston em quatro vans e fazem diversos shows pelo caminho. O documentário conta com Bem HowardThe StavesNathaniel RateliffBear’s Dean e Bem Lovett (Mumford & Sons).

Assista na Netflix:

 Los Punks – We Are All We Have

Acompanha o cenário do punk em Los Angeles, principalmente da comunidade latina. Retratam a vida de bandas em shows caseiros e o panorama político da região.

Assista na Netflix:

Cobain – Montage Of Heck

História autorizada pela família de Cobain, acompanha toda a vida do líder do Nirvana a partir do início da carreira até seu trágico suicídio.

Assista na Netflix:

Amy

Indicado ao Oscar em 2016, o documentário retrata, com vídeos caseiros e entrevistas com amigos, a vida da icônica e talentosa Amy Whinehouse.

Assista na Netflix:

Metallica – Some Kind Of Monster

 

Produzido entre os anos de 2001 a 2003, documentário retrata a gravação do álbum “St. Anger em meio à diversas tensões pessoais e profissionais entre os integrantes do grupo.

Assista na Netflix:

Keith Richards – Under The Inluence

Da infância aos dias atuais. Documentário mostra as histórias, influências, e a vida, de uma das grande lendas do rock, Keith Richards.

Assista na Netflix:

Who The F**k Is That Guy

Michael Alago, um porto-riquenho, gay e amante da música. Conheça a história desse empresário que assinou com MetallicaWhite Zombie e outras.

Assista na Netflix:

Can’t Stand Losing You – Surviving the Police

A história da lendária banda The Police pelo passado, do também lendário, Andy Summers, guitarrista do grupo.

Assista na Netflix:

Eagles Of Death Metal –  Nos Amis (Our Friends)

O documentário acompanha a banda americana no seu retorno à Paris, três meses após a tragédia do ataque terrorista em seu show que deixou 89 mortos. O antes, durante e depois daquele episódio é retratado no filme, Assim como a forte amizade dos fundadores da banda, Josh Homme e Jesse Hughes. 

Assista na Netflix:

Oasis – Supersonic

A história de uma das bandas mais importantes nos anos 90. Um retrato da ascensão do Oasis no mundo da música em meio a conturbada relação dos irmãos Gallagher.

Assista na Netlix: