Lançamento: Ouça agora “Terreno”, novo disco da Sound Bullet

Por Felipe Sousa | @felipdsousa | Arte @ThiagoModesto

 

Após o EP “Ninguém Está Sozinho” (2013), os cariocas da Sound Bullet lançaram nessa sexta-feira, pela Sagitta Records, seu disco de estreia intitulado “Terreno”.

O disco conta com a participação de Aline Lessa, e foi produzido por Patrick Lapan (Los Hermanos, Rodox), mixado por Pedro Gracia e masterizado no Hansek Audio, em Seattle (EUA). São onze canções que falam, entre outras coisas, de empatia, relações interpessoais, otimismo e provocamentos sobre a “vida real”.

A Sound Bullet ganhou força principalmente em 2015 com o single “When It Goes Wrong”, que tem mais de 700 mil plays no spotify. Em “Terreno”, a banda traz um som flertando com o rock alternativo, indie rock e math rock. “Amanheci”, segunda faixa do disco, já ganhou um clipe e você pode assistir clicando aqui.

A Sound Bullet é Guilherme Gonzalez (guitarra e voz), Fred Mattos (baixo e voz), Henrique Wuensch (guitarra) e Pedro Mesquita (bateria), e está presente em todas as plataformas digitais.

Ouça “Terreno” e compartilha com ox amigxs:

 

 

Siga o Canal RIFF: YoutubeFacebook | Twitter | Instagram

Anúncios

Resenha Quarto dia de Rock in Rio

Por Camila Borges  e Maria Paula

Após pausa de três dias, o Rock In Rio retorna numa plena tarde de quinta feira. Pelas camisetas que variam em faixas etárias, percebemos fãs de todos os tipos, mas principalmente de Aerosmith, Scalene e Fall Out Boy fervilhando aos redores da cidade do rock.

No Palco Sunset começa com Ana Cañas e convidado Hyldon, onde levantaram a bandeira LGTB fazendo diversas pessoas se declararem abertamente ao amor. Tyler Bryant & The Shakedow, assistido pelo telão do palco mundo, percebe-se a presença marcante do olhar do cantor ao público. The Kills, que não conhecíamos, marcou pela grande presença de palco conduzida pela vocalista Alison Mosshart. Mais tarde, após a primeira apresentação no Palco Mundo, Alice Cooper mais Arthur Brown entram em cena, como um grande espetáculo teatral trazendo boneco gigante sinistro e até número de ilusionismo, uma legítima ópera do rock.

Foto I Hate Flash/Diego Padilha

Falando em Palco Mundo, quem abriu foi Scalene, uma das grandes novidades do rock nacional no line up do evento, trazendo em seu repertório apenas músicas autorais. Algumas do recente álbum, magnetite, passando também por grandes sucessos de seus anteriores Éter e Real/Surreal. O grupo pouco conhecido do grande público soube aos poucos envolvê-los e assim passaram pelo grande festival.

Foto Breno Galtier

Segunda atração do palco mundo, o Fall Out Boy trouxe em seu repertório clássicos de sua carreira como “Dance Dance”, a versão “Beat It”, do Michael Jackson, entre outros sucessos. E também “Champion”, do novo disco da banda que será lançado em 2018. Muita gente cantou, dançou. Afinal, quem nunca teve sua fase emo ?!?

Foto Felipe Ferreira Vieira/Divulgação Rock in Rio

E o que dizer da veterana Def Leppard. Confesso que não lembrava muito dos “hits” da banda até que fossem executados aos vivo. Aquele hard rock dos anos 80 levou muitos a cantarem e relembrarem os grandes sucessos como “Rock Of Ages”, “Love Bites” (essa confesso que cantei aquela versão em Português mesmo haha), “Pour Some Sugar On Me”, e também apresentando seu material mais recente, como por exemplo a faixa “Man Enough”.

Foto Felipe Ferreira Vieira/Divulgação Rock in Rio

E para finalizar a noite, o showman Steven Tyler e seu grandioso Aerosmith desfilou no palco mundo com seus famosos hits “Crazy”, “Dream On’’, entre tantos outros. Cheios de riffs clássicos e algumas improvisações, Joe Perry mostra o quanto é uma peça chave da banda. Tivemos também a versão de “Come Together”, e confesso que senti falta de algumas músicas. E a mesma encerra a noite com “Walk This Way”, com algumas pessoas cantando e dançando, outras já deixando o parque olímpico. Aliás, estamos torcendo e muito pela recuperação de Steven Tyler que devido a problemas de saúde não pode prosseguir com os shows pós Rock in Rio.

Foto Breno Galtier

Em resumo, o quarto dia de Rock in Rio uniu muitas gerações. Daquelas que surgiram lá em 1970 com o rock do Aerosmith, passando pelo hard rock de Def Leppard. E aqueles que tiveram sua adolescência embalada ao som dos famosos “emo”, e conhecendo o nosso atual rock nacional. Quem ousar dizer que as tribos não podem se misturar e trocar experiências está totalmente enganado.

 

Em entrevista exclusiva, Garage Fuzz encerra 1º mês do Las Quintas no Rio de Janeiro

Por Canal RIFF | @canalriff | Entrevista por Erick Tedesco

 

Ícone do hardcore nacional retorna à capital carioca após 5 anos.

Para celebrar o encerramento do primeiro mês do projeto Las Quintas, que está movimentando a cena do rock autoral no Rio de Janeiro todas as quintas-feiras na casa La Esquina (Lapa), a lendária banda do hardcore melódico nacional Garage Fuzz, após 5 anos longe de palcos cariocas, é escalada como atração principal da noite que também terá Hover e N.D.R. O evento acontece no dia 28 de setembro, a partir das 19h30, e haverá boas vindas com shots de Jägermeister aos primeiros que chegarem.

O Garage Fuzz foi unanimidade entre as produtoras responsáveis pelo Las Quintas – Abraxas, Collapse Agency, Flecha Discos e Speed Rock – para ser a grande atração desta edição especial. Com 25 anos de estrada, os santistas mostram vigor com um hardcore de bases potentes e com os característicos dedilhados de guitarra, envolvidos em melodias para se cantar junto, do início ao fim. O show de retorno ao Rio de Janeiro terá músicas de todos os álbuns, do “Relax In Your Favorite Chair” (1994) até “Fast Relief” (2015).

A abertura fica por conta da N.D.R, a prata da casa que levanta a bandeira do hardcore com influências de rock, metal e rap. O quarteto foi formado em 2010 e desde então preza por fazer música por meio de experimentos sonoros e experiências de vida. Na sequência, sobe ao palco a Hover, a banda mais badalada de Petrópolis, que ficou popular pelo rock alternativo cantado em inglês com bastante melodia.

Confira abaixo o papo super bacana com Alexandre Cruz, vocalista do Garage Fuzz, que nos fala sobre a carreira de sucesso da banda, o longo tempo longe do Rio de Janeiro e muito mais.

“Fast Relief” mostra um Garage Fuzz maduro e que justifica chegar aos 25 anos de carreira ainda relevante no rock brasileiro. Passado algum tempo desde o lançamento, como entende o momento e a sonoridade deste disco?

Alexandre: O “Fast Relief” foi o disco que não estávamos muito preocupados com o que estava rolando no momento no cenário brasileiro. Ele é um disco meio que feito para a banda e para os fãs, tem alguns fatores que o diferenciam dos nossos trabalhos anteriores, é o primeiro disco full com o Fernando Bassetto na guitarra e o que é engraçado que mais da metade dele já estava composto quando ele entrou na banda. Então o fato de passar a integrar a banda em um momento que estávamos indo em uma direção mais trabalhada agregou ao som também. Eu lembro de passar mais de um ano indo na casa do Fabrício a tarde para fazer as melodias de voz de cada música no violão com ele; lembro da banda ensaiando o disco muito, o Daniel tocando que nem doido, o Wagner também, e acho que é um dos lançamentos que mais nos empenhamos fazendo praticamente tudo. Foi com esse disco que partimos para as plataformas digitais também.

Acredito que os 25 anos do Garage Fuzz tem a ver com o som peculiar da banda e a energia das apresentações ao vivo. Como lidam com os velhos falatórios de ser punk, mas não ser, de ter uma pegada mais comercial do que as formações mais puras do estilo?

Alexandre: Hardcore e Punk eu acho que crescemos fazendo e escutando em nossas bandas anteriores do final dos anos 80, o Psychic Possesso e o O.V.E.C., e nossa leitura para estilo é outra. Hardcore é Anti-Cimex e acho que nos últimos 12 / 13 anos, quando estávamos fazendo as músicas para o Morning Walk (Álbum de 2005) isso já mudou, o som ficou algo mais rock, mas não comercial no sentido de fazer algo para estourar, as composições e melodias tem muitas notas e passagens. Acho que complica para rotular como algo comercial.

Levando em conta os 25 anos de banda, como avaliam o cenário musical atual?

Alexandre: O mundo está mudando e os hábitos culturais também, acho que até muito por uma visão do consumo atual. Eu acho que a o momento atual do mundo lembra o meio dos anos 80 em uma versão hi-tech. A cena atual apresenta muito isso, várias oportunidades mas não sabemos quem está no controle do que e as coisas vão mudando muito rápido e nisso muita coisa boa tem passado batido pelo timming atual da existência de uma banda, uma casa noturna ou um selo.

Vocês são sempre lembrados, entre outros motivos, por sempre fazerem shows perfeitos tecnicamente e sempre com som incrível. Qual o segredo?

Alexandre: Acho que o fato da formação praticamente nunca ter mudado ajuda. Então é um entrosamento de décadas, muito ensaio e o mesmo set up de palco.

O que os afastou tanto do Rio? São 5 anos de espera, desde que vieram pela última vez.

Alexandre: Caramba, nem parece que faz tanto tempo! É uma cidade que curtimos muito as pessoas, bandas e a cena, não sei o porquê, mas vamos fazer um show para compensar esse hiato.

O que vocês têm ouvido ultimamente? Entre bandas nacionais, internacionais, desconhecidos e renomados…

Alexandre: Eu vou falar no meu caso pessoal, muitas bandas antigas que escutávamos quando montamos a banda Celibate Rifles, The Saints, Lemonheads, Husker Du das novas Cloud Nothings, Meatbodies, Togheter Pangea.

Lá nos anos 90, o Garage já fez parte do cast de uma grande gravadora, a Roadrunner. O cenário da música mudou bastante desde aqueles tempos, principalmente a relação banda/gravadora. O que aquele contato possibilitou ao Garage que vale até os dias de hoje?

Alexandre: Acredito que ali montamos nossa base de fãs, por causa de dois fatores: o da distribuição e o fato da banda na época ter feito uma das primeiras tours com datas seguidas durante 4 meses em 1995. Isso na época da roadrunner foi importante para o que vivemos nos dias de hoje.

O Garage está se relacionando com as novas plataformas de música, como Spotify, Deezer, iTunes?

Alexandre: Sim utilizamos todas e acho que seria impossível fazer o trabalho que fazemos atualmente com a banda sem o uso das plataformas digitais!

Deixe uma mensagem para a galera se motivar e comparecer ao show de vocês no Las Quintas!

Alexandre: Muito obrigado pelo espaço e todo mundo que sempre nos ajudou na cidade! E colem no próximo Las Quintas prometo um dos nossos melhores shows que já fizemos no Rio de Janeiro!

 

SERVIÇO
Las Quintas – 4ª edição
Evento no facebook: Garage Fuzz no Rio de Janeiro! Festa de encerramento Las Quintas
Atrações: Garage Fuzz, Hover e N.D.R.
Data: 28 de setembro
Horário: a partir das 19h30
Local: La Esquina
Endereço: Avenida Mem de Sá, 61. Lapa-RJ                                     Ingresso: www.sympla.com.br/las-quintas—todas-as-quintas-de-setembro-no-la-esquina__180601

 

Lollapalooza Brasil anuncia as atrações para a edição 2018

Por Felipe Sousa | @felipdsousa | Foto @ Lollapalooza Brasil

Depois de muita espera, a organização do Lollapalooza Brasil finalmente divulgou as atrações do evento que acontece entre 23 e 25 de março de 2018, no Autódromo de Interlagos (SP).

Alguns nomes já haviam sido especulados, e agora confirmados, outros são novidades. Os headliners serão The Killers, Red Hot Chili Peppers e Pear Jam. O Lolla também vai contar com outros nomes de peso, tais como Tyler The Creator, Liam Gallagher, The National, Mac Demarco e Royal Blood. E é claro, grandes nomes nacionais vão participar da festa também, e tá lindo demais esse lineup br, Malu Magalhães, Braza, Ego Kill Talent, Ventre e O Terno são alguns deles.

E ao mesmo tempo que a produção do Lolla anunciou os nomes, atualizaram também os preços. Agora os ingressos estão no seu segundo lote, variando entre R$ 660,00 e R$ 780,00 a meia entrada e até R$ 1500,00 a inteira. É bom lembrar que as vendas se iniciaram no início de setembro, mesmo sem a divulgação das atrações.

Todas as informações completas sobre preços, dúvidas e também o lineup completo, você confere no site oficial do Lollapalooza Brasil.

 

 

Lineup Oficial | Site oficial Lollapalooza Brasil

 

Outro ótimo nome da cena brasiliense, banda Toro lança EP homônimo

Por Felipe Sousa | @felipdosusa | Foto por Thaís Mallon

De Brasília vêm as melhores bandas? A resposta fica por conta de vocês, riffeiros, mas é certo que de lá saem muitos nomes bons. E você tem que ouvir mais esse aqui: Toro!

Formada por Thuyan Santiago (guitarra e vocal), Francisco Vasconcelos “Xicão” (guitarra), Álvaro Rodrigues “Alvin” (baixo) e Arnoldo Ravizzini (bateria) a Toro apresenta um som de muita qualidade e bom gosto. Com claras referências em QOTSA e Royal Blood, o som dos caras se ambientam no stoner rock e hard rock com guitarras barulhentas, e um vocal bem acessível. E particularmente, me lembrou um pouco de Scalene também.

O EP conta com seis faixas gravadas no Estúdio 1234, em Brasília, numa produção totalmente independente. A mixagem e masterização foi feita por Ricardo Ponte (Scalene, Dona Cislene e Hover). As canções tratam, basicamente, de um eu lírico lidando com os altos e baixos da vida, a relação social com as pessoas, e como elas podem sair de um conformismo social e pessoal se quiserem; que é o que a faixa “Luz Vermelha” diz. Essa música, inclusive, já ganhou um clipe que você pode conferir clicando aqui.

Quando ouvir aquela velha história “O rock nacional morreu” você já sabe que é pura baboseira. A quantidade de banda boa que tem por aí é incrível. E eu coloco a Toro nesse meio. Prestigie.

Abaixo você pode ouvir o EP na íntegra nos Spotify e também seguir a Toro nas redes sociais.

Facebook | Soundcloud | Youtube | Deezer

Siga o RIFF também: Youtube | Facebook | Twitter

 

 

 

Documentário reúne Menores Atos, Bullet Bane, Zander e Chuva Negra 

Por Felipe Sousa | @Felipdsousa | Foto Rick Costa Fotografia

Festival Flecha, produzido pela gravadora Flecha Discos, aconteceu no dia 29 de abril no Hangar 110 (SP) e pra você ficar por dentro do que rolou por lá, a Flecha divulgou um Mini Doc contanto tudo.

“Isso é pra provar que todos vocês podem fazer o mesmo, beleza?! Montar uma banda, organizar o rolê, juntar a galera e botar pra foder!” – Gabriel Zander

Flecha Discos é uma gravadora independente que tem em seu cast as bandas Menores AtosBullet BaneZander e Chuva Negra, e em abril desse ano as quatro subiram ao palco do Hangar 110 e realizaram um baita evento celebrando a nova cena autoral brasileira. O resultado disso foi um documentário onde contam como se conheceram, como se reuniram pra formar o coletivo, e acima de tudo, contam como foi a produção desse evento massa demais!

O Doc foi produzido por L’exquisite Films, Direção e Edição por Murilo Amancio e as imagens por João BonaféIsadora SartorBruno Santim e Murilo Amancio.

 

 

Além do Documentário, a Flecha disponibilizou nas plataformas digitais a Coletânia Flecha Discos Vol.1, que começou a ser gravada em janeiro do ano passado e conta com 12 faixas, três de cada banda. Ouça:

 

 

Deixe seu comentário e celebre a cena independente!

Ouça “Gangorra, primeiro single do novo álbum da Bullet Bane 

Por Felipe Sousa | @Felipdsousa

Nessa manhã de sexta-feira, a Bullet Bane disponibilizou em todas as plataformas digitais o single “Gangorra”.

Essa é a primeira música do seu novo álbum “Continental”, que ainda não teve sua data de lançamento divulgada. “Continental” vai ser o primeiro disco de inéditas da Bullet desde “Impavid Colossus” (2014), nesse período no entanto, a banda lançou os singles “Catálise” e Mutação”.

A música foi produzida, gravada, mixada e masterizada no Estúdio TOTH. A arte ficou por conta de Rafael Brasil (Far From Alaska).

Gangorra | @ Bullet Bane

Curte o som dos paulistas? Ouça abaixo o novo single e compartilhe com os amigxs:

 

The Neighbourhood: Banda divulga novo EP “Hard” 

Por Felipe Sousa | @Felipdsousa

Depois de MUITO mistério, finalmente o THENBHD divulgou nesta sexta-feira (22) seu mais novo EP, intitulado “Hard”.

A banda californiana sempre foi regada por mistérios e tensões. Sempre instigando seus fãs com publicações misteriosas e dramáticas. E ontem (21/09) o grupo usou mais uma vez essa característica e lançou um teaser em suas redes sociais, onde aparecem colando um cartaz em uma parede com o dizer “Hard”. Isso foi o suficiente pro público quebrar a internet e encher a timeline com questionamentos: “Novo álbum? Nova música? “Querem me matar do coração?”.

Bom, agora, pra acalmar – ou não – os fãs, eles confirmaram“Hard” é o primeiro trabalho de inéditas após o sucesso Wiped Out! (2015), seu último álbum. Isso é uma ótima notícia pra quem não estava aguentando mais de tata ansiedade pelo material novo dos caras.  Agora já se pode ao menos ter um gostinho do novo The Neighbourhood. O EP tem cinco faixas, Roll Call“, “You Get Me So High”, “Noise“, “24/7” e “Sadderdaze“.

Ao que parece esse é uma prévia de um álbum completo. Vamos aguardar porque deve ainda mais coisa boa por aí.

E lembrando, Mikey Jesse, baxista e vocalista, respectivamente, já deixaram claro, através de seus twitters que a banda vem ao Brasil. Informação confirmada pelo jornalista José Norberto Flesch, incluindo nela o parêntese de que eles tocarão no Lollapalooza.

Ouça abaixo, compartilhe e marque xs amigxs:

 

O pênalti mal marcado, o playback e a velha polêmica do Rock in Rio

Por Guilherme Schneider | @Jedyte | Foto iHateFlash

“Foi ou não foi pênalti?”. No país do futebol essa pergunta (aparentemente simples) pode gerar horas e horas de discussões acaloradas. Pode também ser O grande tema das conversas triviais numa semana. E se perguntarem o porquê dessa inquietação digo que:

1) O brasileiro em geral é um sujeito apaixonado. Seja pelo seu time de futebol ou por qualquer assunto que lhe provoque taquicardia.

2) Hoje em dia todo mundo quer (e pode) dar seu pitaco. Somos milhões de juízes (mesmo sem formação para tal) e comentaristas.

Há quem defenda o uso do tal árbitro de vídeo, para analisar de longe, com direito a replay, se foi ou não pênalti – ou qualquer outro lance que gere dúvidas. E é sempre mais fácil analisar de longe, pela TV.

E, justamente pela TV, milhões de comentaristas se colocam como donos da verdade sempre que possível. Seja para falar de futebol ou de outra paixão nacional: MÚSICA.

Ontem, no segundo dia do Rock in Rio 2017, um “pênalti” voltou a causar polêmica. Fergie teria feito playback em seu show?

Os “torcedores” fãs da Fergie  (e os “secadores” – que só querem falar mal) tomaram partindo, tomaram as dores, e tomaram as redes com opiniões tão acaloradas. O microfone falhou? A parte técnica deixou a desejar? De quem é a culpa?

Ah! Como é apaixonada essa discussão!

E como essa discussão não leva a lugar nenhum

Veja bem, para mim tanto faz se foi ou não playback. É um recurso que muitos artistas de pop utilizam ao menos em partes dos shows. Cantar e dançar ao mesmo tempo não é para todos. Como não lembrar daqueleeee famoso “pênalti” de 2001? Cometido por ela, Britney Spears.

Até hoje se discute o playback de Britney na 3ª edição do Rock in Rio. É… a polêmica não é nova no festival – e nem vai acabar nessa edição, de 2017. O que fica claro certamente é o desejo latente de opinar em tudo. E pasmem, até por quem sequer gosta ou assistiu ao show – seja ao vivo ou pela TV.

Sorte de quem consegue esteve lá e se divertiu. No fundo é importa nesse tipo de evento. E como se divertir é subjetivo! Mas isso fica pra outro texto sobre esse Rock in Rio.