Wacken 2017: As expectativas para o maior festival de metal do mundo!

Por Felipe Lopes Pedroso

O colossal W.O.A (Wacken Open Air) é o principal festival de toda a cena global do nosso bom e velho metal, trazendo sempre uma infinidade de atrações que transitam do power ao death, agradando gregos e troianos. A edição deste ano ocorrerá na casa de nossos carrascos alemães durante os dias 3, 4 e 5 de agosto. Listamos algumas boas opções para a edição deste ano (que geralmente conta com live streaming)

É mais do que sabido que o público mais fiel da música é o do rock, mais do que isso, os fãs de metal são o público mais insanamente/descontroladamente energético de todos os estilos musicais e a edição deste ano (2017) tem tudo para ser apocalíptica. São mais de 63 bandas confirmadas, das quais poderemos degustar grandes medalhões como a alemã Accept com suas linhas de guitarra poluída e repleta de distorção.

Poderemos desfrutar também do som agressivo da Witchery, banda sueca de trash/speed metal. Espera-se que eles tragam faixas do álbum “In His Infernal Majesty’s Service” lançado no final de 2016 após um período sem produzir nenhum material.

Outra boa pedida é a estadunidense Nile, banda do assombroso e conhecido pelos adeptos das baquetadas George Kollias. A banda enriquece o festival com seu death metal repleto de mitologia e mistérios do oriente médio e é claro, um som extremamente pesado, digno de torcicolo.

Aproveitando o embalo, é melhor já acionar seu fisioterapeuta depois de assistir ao show do Crowbar, banda enquadrada por muitos ao sludgle metal e ao groove metal por aquele que vos escreve este artigo, carrega consigo sonoridade necessária para headbanger algum botar defeito.

O metal psicodélico está muito bem representado pelos alemães da banda Kadvar e seu som que passa uma concepção setentísta em uma roupagem ligeiramente mais encorpada pelos efeitos disponíveis, melhor utilização dos grooves e principalmente a incorporação de mais distorção aos sons de guitarra.

Jamais poderíamos deixar de comentar o retorno dos irmãos Cavalera com o projeto Roots, deixando ansioso qualquer fã de Sepultura ou Soulfly assim como, teremos a oportunidade de reverenciar aos monstros sagrados do Morbid Angel.

O W.O.A 2017 contará com a participação da banda Volbeat, que divide opiniões entre os fãs de metal para definir do que se trata o som deles e principalmente se é bom ou não. Acredito que aquele som de “bar” americano é sensacional para uma boa viagem de carro ou até mesmo para uma seção de treinamentos na academia. Fato é as linhas de guitarras “cavalgantes” combinadas ao vocal “anasalado” do saudoso Michael Poulsen são agradáveis e propiciam apresentações ao vivo bastante explosivas, vale a pena conferir.

 

Sem contar as atrações que dispensam apresentações ou qualquer tipo de sugestão, como a banda Trivium, Alice Cooper, Amon Amarth, Annihilator, Avantasia, Europe, Kreator, Megadeth, Tankard dentre tantas outras que vocês podem conferir no site oficial do evento:

Site oficial: https://www.wacken.com/en/


Qual show que você mais gostaria de ver do Wacken 2017?

Anúncios

A Banda Mais Bonita da Cidade: Muito mais que o sucesso “Oração”

Por Tiago Bruno

Lembram daquela música chamada “Oração” que estourou em 2011 e que tocava em todos os lugares incessantemente? Lembram daquela banda de nome comprido que tocava essa música? Então, ela cresceu (e é muito mais do que a faixa “Oração”).

A Banda Mais Bonita da Cidade é um dos nomes que compõem a nova MPB, junto de Rubel, Castello Branco, Marcelo Jeneci, Apanhador Só, entre outros. Após um brilhante DVD ao vivo lançado em 2016 e gravado no Cine Jóia, em São Paulo, o grupo lançou, na sexta passada (2), seu mais novo trabalho intitulado “De Cima do Mundo Eu Vi o Tempo”. Um disco fantástico que explora e muito a qualidade interpretativa de Uiara Torrente, vocalista da banda, e conta com excelentes composições de Alexandre França, Thiago Ramalho (guitarrista do grupo) e também com releituras da banda Los Porongas, Versos que compomos na Estrada, Ian Ramil e Maurício Pereira.

O trabalho, que segue uma linha de amadurecimento, vinda desde “O Mais Feliz da Vida”, fala sobre temas como o peso da idade, sobre relacionamentos e sobre coisas que só são descobertas quando se olha de cima para tudo, assim como o nome do álbum promete.

Com destaque para as faixas “Trovoa”, que é conduzida como uma “história”, e conta com uma letra fantástica e “moderna”, junto de uma das melhores interpretações de Uyara nos álbuns de estúdio da banda.

“One Love Manchester”, emociona, surpreende e cumpre seu objetivo ao ajudar as vitimas dos ataques terroristas

Por Ygor Gomes

Foi realizado nesse domingo (04), o “One Love Manchester“, show em prol das vitimas dos atentados terroristas que ocorreram na cidade inglesa no mês de maio, após um show da Ariana Grande. O evento foi organizado pela própria Ariana e teve a participação de diversos outros artistas.

Esse evento foi a primeira aparição publica de Ariana após os ataques, ela havia anunciado a apresentação através de suas redes sociais e previamente já tinha confirmado algumas atrações, porém, durante o evento tivemos algumas surpresas, como Take That e Liam Gallagher.

No sábado (03), mais ataques ocorreram em Londres, o que deixou a todos bastante apreensivos quanto a realização do evento no domingo, porém a produção afirmou que o show estava confirmado e que a segurança era garantida durante as apresentações.

Foram arrecadados mais de 10 milhões de Libras, mais ou menos 40 milhões de reais e toda essa renda será revertida para o fundo de emergência “We Love Manchester” e depois será transferida para as famílias das vitimas dos ataques. O evento foi transmitido mundialmente por plataformas de Streaming, como Youtube, Apple Music, Facebook, Twitter, na televisão pela MTV, BBC e aqui no Brasil, pelo Multishow, esse é até agora o evento mais assistido da televisão inglesa, com mais de 22 milhões de telespectadores, chegando a ser comparado com o “Live Aid” de 1985.

A emoção foi o principal elemento em todas as apresentações do dia, com diversas parcerias, com Ariana Grande marcando presença na maioria delas, podemos destacar as parcerias com o Black Eyed Peas, Miley Cyrus e Coldplay, mas talvez o encerramento do evento com todos os artistas no palco se reunindo para cantar “One Last Time“, música da própria Ariana, que foi cantada em coro por todo o estádio.

Foi um marco importante, tanto para a história da musica quanto para o combate ao terrorismo, esse evento será lembrado por muito tempo, não só como um show que uniu vários artistas, mas sim como uma união de diversas nações contra algo que nos aterroriza diariamente.

Caso você queira fazer sua contribuição a causa, pode ver todos os detalhes nesse site: www.onelovemanchester.com

Com “Last Young Renegade”, All time Low mostra crescimento e tenta alcançar novos objetivos na carreira

Por Ygor Gomes

O All Time Low cresceu e vem mostrou um amadurecimento em suas músicas. Isso pode ser percebido a cada lançamento e até mesmo no comportamento da banda, que foi de um grupo da cena alternativa americana a pessoas de quase 30 anos de idade consolidados em sua carreira, que sabem muito bem o que estão fazendo. O grupo vinha trabalhando em segredo no disco ‘’Last Young Renegade’’ a quase um ano. Atualmente eles fazem parte da Fueled By Ramen, uma gravadora conhecida por produzir artistas como Paramore e Twenty One Pilots.

“Last Young Renegade” é a conclusão de todo o trabalho que a banda fez durante todo esse tempo, no ano em que marca uma década de lançamento do disco que os fez ficarem conhecidos mundialmente. É um álbum bastante linear que consegue prender o ouvinte e também não deixa a desejar. Mesmo com diversas musicas que não usam muitas baterias e guitarras, trocando esses elementos por sintetizadores, os elemento de pop punk ainda são bastante presentes.

Esse tom mais adulto e um pouco mais pop do que punk pode levar a banda a um novo degrau na indústria musical, atraindo o grande publico e a mídia massiva. Uma grande evolução para o grupo, que já tentou isso com o álbum “Dirt Work“, lançado em 2011 por outra grande gravadora, mas não conseguiu atingir muito seus objetivos.

Podemos ver que a banda está mais evoluída e ciente do que fazem, “Last Young Renegade” é o trabalho mais adulto e sério do All time Low, é uma mudança bem vinda e bastante consciente e que nos mostra o crescimento tanto musical quanto individual da banda.

Os cincos vídeos mais bem-humorados do Foo Fighters!

Por Tiago Bruno

O Foo Fighters é, sem dúvidas, uma grande banda com diversas qualidades. No entanto, além da sua qualidade musical, precisamos admitir que a banda ganha muitos fãs com seus clipes bem elaborados e divertidos. Alguns dos mais famosos possuem certa aleatoriedade e um bom toque de humor. Ao abraçar algo que poderia ser visto como embaraçoso, transformam em algo genial. Utilizam-se do humor simples somado a grandes produções para surpreender seus fãs a cada lançamento.

Dirigido por Dave Grohl e lançado hoje (1º de junho) de surpresa para divulgar as datas da nova turnê internacional, “Run” é mais um dos clipes produzidos por Dave para a sua banda, assim como “Rope” e “Monkey Wrench”.

Embalados pelo lançamento, trazemos a vocês os cinco clipes mais bem-humorados da banda:

1 – Learn To Fly

Os membros interpretam diversos papéis em um voo de avião com problemas de turbulência. A banda acaba aterrissando a aeronave e salvando a todos. O clipe ainda conta com a participação, mais que especial, do Tenacious D. De longe um dos vídeos mais bem-humorados da banda e uma das músicas mais populares também.

2 – Long Road To Ruin

A banda interpreta personagens de uma novela antiga. Dave Grohl vive seu alter ego Davy Grolton, um protagonista muito sentimental e egocêntrico.

3 – Everlong

O clipe se passa nos sonhos de Dave e circula por vários cenários: uma festa alternativa, um filme de terror e etc… Assim como quase em todos os vídeos da banda, Dave e Taylor fazem um casal.

4 – Big Me

Levando de um jeito divertido, o clipe reproduz comerciais de bala, aparentemente a Mentos, criando a “Footos”. Durante o clipe, feito intencionalmente em uma qualidade baixa e com formato clichê, todas as adversidades que aparecem são resolvidas ao colocar uma bala na boca e, é claro, com uma propaganda.

5 – Breakout

A história se passa em um cinema no estilo “drive-in”. Dave interpreta uma pessoa tímida e que vai a um encontro. Devido a sua timidez e tranquilidade, seu personagem é ofendido das mais diversas formas, até que surta e dá o troco.


Qual o seu clipe favorito do Foo Fighters?